Realizado, na tradição budista, primeiro casamento religioso de dois homens em Santa Catarina

quinta-feira, 31 de outubro de 2013 1 comentários

Reprodução/RICTV

Primeiro casamento religioso de Santa Catarina entre pessoas do mesmo sexo é realizado em Blumenau
Os jovens registraram a união no civil e receberam a benção no religioso

Aconteceu neste fim de semana, em Blumenau, um fato histórico para Santa Catarina. Foi realizado o primeiro casamento religioso entre duas pessoas do mesmo sexo. Dois jovens realizaram o sonho de ter a união registrada no civil e ainda de ter a benção de uma religião.

Como só o budismo aceita o casamento entre pessoas do mesmo sexo, uma cerimônia foi preparada para unir o casal

Pedro e Gabriel se conheceram há quatro anos. Na ultima semana o relacionamento deu um importante passo. Graças a uma resolução do Conselho Nacional de Justiça, publicada em maio deste ano, eles conseguiram oficializar o casamento no civil. A partir de agora, o casal tem todos os direitos que prevê a lei, como pensão e herança.

Além do respaldo no civil, Pedro e Gabriel também queriam realizar outro grande sonho: o de casar no religioso. Como só o budismo aceita o casamento entre pessoas do mesmo sexo, uma cerimônia foi preparada para unir o casal. A celebração aconteceu em uma casa de eventos de Blumenau e reuniu convidados, padrinhos e damas de honra.

A solenidade começou com uma oração. Em seguida, eles cumpriram uma tradição milenar japonesa. Cada noivo leva a taça três vezes à boca. o gesto simboliza gratidão, juramento e prosperidade. Por fim, os noivos fizeram a troca de alianças e receberam o carinho dos convidados. De acordo com os líderes budistas, esse foi o primeiro casamento religioso em Santa Catarina, entre duas pessoas do mesmo sexo. Para os amigos e familiares o casamento vai contribuir para a quebra de preconceitos e paradigmas e o sonho do casal é que o gesto estimule outras pessoas a também serem felizes para sempre.

Com informações de Danubia de Souza

Fonte: RIC Mais, 28/10/2013

Ministério Público do Trabalho da Paraíba vai fazer campanha para incentivar contratação de homossexuais

quarta-feira, 30 de outubro de 2013 1 comentários

Procurador Geral do Trabalho, Eduardo Varandas

‘Orientação sexual não deve ser empecilho para contratação’, diz Varandas e destaca campanha do MPT contra homofobia

A homofobia no trabalho ainda é uma realidade na Paraíba e o Ministério Público do Trabalho quer combater esse tipo de violência e conscientizar a população de que as pessoas não sejam discriminadas por sua orientação sexual na hora da contratação.

Em entrevista ao portal Paraíba.com.br na terça passada (22/10/2013), o procurador Geral do Trabalho, Eduardo Varandas comentou que o MPT deve lançar uma campanha em dezembro para ‘conscientizar as pessoas que a condição e orientação sexual não deve ser empecilho para a contratação’. Ele alertou para as dificuldades de LGBTs encontrarem trabalho, ‘principalmente travestis’.

“Queremos conscientizar a população para que não descrimine na hora da contratação e sim escolha pelas qualidades profissionais”, conta e exemplifica: “Você encontra hoje uma travesti trabalhando numa loja? Não. Encontra como secretária num escritório de advocacia? Não, mas encontra na zona de prostituição, um trabalho altamente perigoso e nocivo”, diz.

Para Varandas, a sociedade moderna precisa entender que as pessoas não são melhores ou piores porque assumem determinada identidade sexual. “A sexualidade só diz respeito a eles”, explica.

Serão usadas todas as mídias, campanha com VT, Outdoors e mídia impressa, além de seminários para a população com o lema: ‘Homofobia no trabalho, você não tem esse direito’. A campanha está em fase final, esperando a conclusão da produtora para marcar uma coletiva de lançamento.

O procurador destaca que esse debate é muito importante e marca uma nova página na história da Paraíba que é diminuir as desigualdades nas relações de trabalho.

Fonte: Paraíba.com.br, Marília Domingues, 27/10/2013

Atriz Mariana Ximenes defende casamento LGBT em entrevista

terça-feira, 29 de outubro de 2013 0 comentários

Foto: Paulo Giandalia/Estadão
Mariana Ximenes, 32, defendeu o casamento entre pessoas do mesmo sexo e se colocou contra os homofóbicos em entrevista para o blog de Sonia Racy no Estadão (28/10/2013). A atriz, que vive um tórrido romance com Leandra Leal em O Uivo da Gaita, declarou sobre o tema: 
Acho que as pessoas preconceituosas quanto ao casamento gay, por exemplo, deveriam se perguntar: “E se meu filho fosse gay? E se minha filha fosse lésbica? Como eu reagiria?”. Você vai deixar de dar amor, de dar afeto a eles por causa disso? Não acredito nessa possibilidade. Acredito, sim, que tem de ter discussão, aceitação, pensar no amor antes de tudo.
Segue a entrevista na íntegra.

‘Sempre fui muito intensa. Agora, estou mais no caminho da leveza’
Aos 32 anos, a atriz procura ajustar o foco com ajuda da meditação e da ioga. Ficou mais seletiva no que faz, mas continua preocupada com política e questões sociais.

No ar em Joia Rara– nova novela das 6 da Globo –, Mariana Ximenes descreve a si mesma como uma pessoa otimista e de alto astral. “Entendi que o humor transforma tudo nessa vida”, diz a paulistana, de 32 anos. Truque que aprendeu com a experiência de lidar com o sucesso desde cedo. Reservada, a atriz tem fama de workaholic. Mas diz que está em busca de uma fase mais leve – e seletiva. “Entendi, com o passar dos anos, que é preciso ter tempo. Tempo, silêncio e leveza. ” Para aguentar o tranco, faz análise, pratica ioga e meditação nas horas vagas. E um exercício diário: tentar ser mais tolerante.

Na telinha, Mariana interpreta agora a vedete Aurora Lincoln, “uma personagem solar e ambiciosa” que, na trama, terá um romance com um paraplégico, interpretado pelo paraibano Leandro Lima. “Estudei muito o assunto e vi o quanto é possível esse amor”, conta a bela, conhecida por seu engajamento político e sua atuação em causas sociais. Na telona, vive um tórrido romance com Leandra Leal em O Uivo da Gaita. “É preciso pensar no amor antes de tudo”, diz, defendendo o casamento gay. 

A seguir, os principais trechos da entrevista.

Você começou a fazer novela muito cedo. Ficar famosa logo foi complicado? 

Fiz Fascinação no SBT aos 16 anos, mas minha primeira novela na Globo foi Andando nas Nuvens, em que interpretava uma freirinha. Fui morar sozinha, no Rio, com 17 anos. Lidar com assédio acabou sendo uma consequência do reconhecimento do meu trabalho. Nunca elaborei uma teoria sobre isso, simplesmente aconteceu e eu fui aprendendo a lidar na prática mesmo. Geralmente, atendo as pessoas, não me incomodo. A não ser que alguém seja muito inconveniente.

E já aconteceu de alguém passar do limite com você?

Já, sim! Na vida, você tem de aprender a se colocar, com delicadeza, educação e respeito. Ultimamente, tenho aprendido ainda mais a me colocar, para não me violar. Respeitando o limite do outro, mas, principalmente, o meu. É curioso: só com o tempo você aprende a respeitar seus limites.

Você é conhecida por ser uma pessoa reservada.

É genuíno, não é questão de estratégia. Não sou uma estrategista (risos). Tento não me privar, até porque meu material de trabalho é o material humano, é observar os diferentes comportamentos humanos.

Quem trabalha com você costuma dizer que é perfeccionista e workaholic. Verdade?

Pois é, estou em uma fase um pouco mais leve. Procurando ser mais seletiva, tanto no que diz respeito ao trabalho quanto às coisas que quero fazer. Sempre fui muito cheia de energia. Ainda sou, mas estou procurando e escolhendo canalizar essa energia para algo que realmente queira fazer, tanto no campo profissional quanto no campo pessoal. Entendi, com o passar dos anos, que é preciso ter tempo. Tempo, silêncio e leveza. Sempre fui muito intensa, agora estou mais no caminho.

Além de atuar em TV, teatro e cinema, você já produziu uma peça de teatro. Como foi?

Estou descobrindo esse outro lado. Sou produtora associada do filme Um Homem Só. É uma experiência reveladora, você acompanha todo o processo, passa a entender as etapas para chegar ao produto final. O processo criativo me fascina, mais até do que o resultado. Estou muito interessada no processo e no ser das pessoas, o que elas fazem para sua espiritualidade. E estou cada vez mais entrando em conexão comigo mesma. Não sei se é a idade, mas estou me apropriando da minha consciência.

Faz análise?

Faço. A ioga e a meditação também me ajudam muito. Outra coisa que vem muito do que tenho pensado é a tolerância. Fui às bodas de ouro da Glória Menezes e do Tarcísio Meira e fiquei muito comovida. Pensei: “Esses dois fizeram a história do cinema, da TV e do teatro brasileiros e estão juntos há 50 anos”. E o que eles falaram um para o outro foi tão comovente que me questionei: “Será que a nossa geração vai conseguir? Será que a gente vai ter tolerância para isso?”.

Em um mundo cada vez mais individualista…

Efêmero, que não discute, não tem diálogo de crise. Acho que essa nossa geração tem de pensar em tolerância, nos valores. É claro que a Glória e o Tarcísio passaram por crises, só que o amor prevaleceu. Mas o que é o amor? Como a gente lida com ele hoje em dia? Fiquei muito reflexiva com relação a isso. 

Os atores têm fama de relações instáveis. Concorda?

As pessoas olham os artistas como pessoas que não têm solidez nas relações. E aí eu falo: “Olha só a Glória e o Tarcísio”. Existe solidez, sim.

Quer casar de novo?

Sim, claro. E ter filhos, exercitar minha tolerância. Quero poder observar, ter leveza, calma e tempo para entender melhor nossa existência. Até por isso estou mais recolhida.

Tem religião?

Não. Tenho fé e estou buscando minha espiritualidade.

É vaidosa?

Dentro de um limite saudável. Sou mulher, então, de alguma maneira, a gente tem de se cuidar um pouco, até por questão de higiene e saúde. Mas não sou doente em relação a isso. Como sou atriz, tenho de estar bem sempre para a personagem – pintar o cabelo, estar com as unhas em ordem. Mas, quando estou de férias, evito até fazer as unhas. (risos)

Sua personagem na novela Joia Rara é uma vilã?

Não diria que é uma vilã. Ela é tinhosa, tem humor, é egocêntrica. Veio de Paris atrás de uma fortuna. E a Aurora (Lincoln) gosta de joias, é bem ambiciosa. Além de cantar e dançar.

Quais foram suas referências para montar a personagem?

A Ute Lemper (cantora, bailarina e atriz alemã), que é uma performer – visceral, potente quando canta e quando interpreta. Gosto muito do vídeo dela cantando Kurt Weill (compositor alemão), vi muitas vezes e me inspirou. A Aurora é sensual e usa essa sensualidade a seu favor. Ao mesmo tempo, vai viver um romance com um paraplégico, ou seja, tem um lado humano. Aliás, uma coisa bem legal na novela é abordar esse romance: uma pessoa extremamente ativa, que canta e dança, e uma pessoa que não consegue andar. Conversei com muitos casais, fiz uma pesquisa extensa e entendi que esse amor é possível. Ele tem o foco e ela, a vontade. É essa alquimia que quero descobrir nesses personagens. Conversei muito com o Marcelo Yuka (ex-baterista da banda O Rappa, ficou paraplégico em um assalto no Rio, em 2000).

Você protagonizou cenas quentes com Leandra Leal em O Uivo da Gaita. Como foi fazer o filme no momento em que o País discute homofobia e casamento gay?

Nossa, é triste. Acho que as pessoas preconceituosas quanto ao casamento gay, por exemplo, deveriam se perguntar: “E se meu filho fosse gay? E se minha filha fosse lésbica? Como eu reagiria?”. Você vai deixar de dar amor, de dar afeto a eles por causa disso? Não acredito nessa possibilidade. Acredito, sim, que tem de ter discussão, aceitação, pensar no amor antes de tudo.

Participou de alguma das manifestações que tomaram o País?

Na época (em junho, no auge dos protestos), estava em Portugal, representando o filme Os Penetras no festival de cinema de lá. Mas passei na manifestação dos professores no Rio. Estou inconformada com o que fizeram com os professores – gás lacrimogêneo, tiro de bala de borracha. Eles são educadores, formadores dos futuros cidadãos do Brasil. Não podem ser tratado dessa maneira, como criminosos.

Você é uma pessoa engajada em projetos sociais. Está envolvida em algum agora?

Tento sempre fazer parte de alguma maneira. Já participei muito do AfroReggae, da Cufa (Central Única das Favelas), do MV Bill (famoso rapper, escritor, ator, cineasta e ativista carioca).

Mantém contato com o José Júnior, do AfroReggae?

Faz tempo que não falo com ele. É impressionante o que aconteceu, fiquei chocada. Estive com o MV Bill há pouco tempo, fico feliz que ainda existam pessoas como ele, como o Celso Athayde (famoso escritor e produtor de hip hop, nascido na Baixada Fluminense), como o Júnior. São pessoas que tiveram iniciativa. Não estou tão profundamente dentro disso para poder defender alguém, quero deixar bem claro isso. Mas, de alguma maneira, são iniciativas que levam perspectiva para o jovem da favela, que permitem acesso.

Você é a favor da vinda dos médicos cubanos para o Brasil?

Meu irmão é médico, então eu vejo o tamanho da dedicação de um médico no Brasil. Pude observar muito de perto o que é a formação de um médico. E o País precisa, sim!

Já fez ou tem vontade de fazer campanha política?

Não, nunca. Tenho meus candidatos.

E revela?

Não, porque acho que o voto é secreto mesmo. Mas tenho minha posição.

Acha que a aliança Marina-Campos representa uma nova forma de fazer política – como a dupla tem propalado?

Quem sabe? Gosto muito da Marina, ela é forte, dedicada, devota. Também gosto muito do discurso dela. Quem sabe? Mas vamos esperar um pouquinho para dizer, a aliança acabou de acontecer, né?

Você é ligada em política?

Megaligada. Tenho alguns amigos no meio, como o (deputado federal do PSOL) Jean Wyllys, a (deputada federal do PCdoB) Manuela D’Ávila, Jorge Bastos Moreno (jornalista de O Globo). Fazemos encontros na casa deles para entender o panorama político atual. A gente tem de exercer nossa cidadania. É difícil? É. Não dá para saber quem é o vilão e quem é o mocinho – nem sei se existe vilão e mocinho. Existe tudo. Então, tomar partido de alguém é muito delicado. Meu pai é advogado e me ensinou isso: a gente precisa estar sempre atenta ao que está acontecendo, sempre lendo o jornal, sempre. Aliás, gosto do jornal físico, gosto de pegar. Até tenho tablet, mas…

Qual sua opinião sobre o uso das redes sociais?

Então, essa é uma questão. Não tenho Instagram, Twitter ou Facebook. Mas estou fazendo minhas páginas oficiais, porque há vários perfis falsos na rede. As pessoas estão seguindo esses perfis como se fossem meus.

É difícil manter duas vidas, uma real e uma online?

Eu vi o quanto é importante ter essa vida virtual. Para você se colocar, sabe? Para as pessoas saberem realmente o que estou pensando. Em breve, estarei lançando as minhas plataformas.

Você tem algum sonho que ainda não realizou?

Vários. Acho que a gente vive, se alimenta de sonhos, de metas. Ter metas é fundamental. Mas também gosto de deixar o acaso me surpreender. Gosto de viver o agora, estar inteira, permanecer na minha inteireza da vida. Tem um pensamento que eu adoro e diz: “Não suporto meios-termos, por isso não me doo pela metade. Não sou só meio amigo, nem seu quase amor. Ou sou tudo, ou sou nada. Sabe o que eu quero de verdade? Jamais perder a sensibilidade, mesmo que, às vezes, ela arranhe um pouco a alma. Porque, sem ela, não poderia sentir a mim mesma”. /SOFIA PATSCH

Parada gay de Taiwan comemora análise de casamento LGBT pelo parlamento do país

segunda-feira, 28 de outubro de 2013 0 comentários

A maior parada "gay" da Ásia
REUTERS/Pichi Chuang

A maior parada "gay" da Ásia

Milhares de pessoas participaram, este sábado, na Parada Gay de Taiwan, a maior do continente asiático. Com muita irreverência, foi comemorada a decisão do Parlamento do país em analisar a proposta que vai alterar código civil e permitir o casamento de pessoas do mesmo sexo.

O projeto de lei, proposto pela oposição democrata, vai ser discutido até o final do ano. A marcha contra a homofobia ganhou a adesão de estrangeiros que vivem no país, como americanos e europeus.

Taiwan é considerada um das nações mais liberais da Ásia, mas, mesmo assim, os direitos dos homossexuais ainda são limitados.

A aprovação do casamento "gay" pode ser uma grande conquista de ativistas que lutam pela causa há quase dez anos.

REUTERS/Pichi Chuang
A maior parada "gay" da Ásia

Fonte: Controlinveste, 26/102013 REUTERS/Pichi Chuang

Influência evangélica tira de pauta projeto contra a homofobia no Rio

sexta-feira, 25 de outubro de 2013 0 comentários


Influência evangélica

Os evangélicos tiveram grande influência ontem no adiamento da votação do projeto de lei na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro que prevê multa aos estabelecimentos comerciais que discriminarem gays. A proposta foi enviada para o Legislativo por Sérgio Cabral.

O pastor Abner Ferreira, até agora o maior apoio evangélico para 2014 conseguido por Luiz Fernando Pezão, disparou telefonemas para deputados pedindo o adiamento da votação. Os pastores Edino Fonseca e Samuel Malafaia também atuaram fortemente contra o projeto.

Com 117 emendas, o projeto de Cabral foi retirado de pauta.

Fonte: Lauro Jardim, Veja Online, 25/10/2013
PL que pune homofobia no RJ recebe quase 200 emendas e sai de pauta
Projeto de lei recebeu 177 emendas e será encaminhado para análise. Deputado insinuou que homossexualismo é doença; ativistas vaiaram.

O projeto de lei que pune estabelecimentos e agentes públicos por discriminação por orientação sexual, ou homofobia, entrou em pauta pela primeira vez na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj), na tarde desta quinta-feira (24). O projeto, de autoria do Executivo, sofreu 177 emendas e ainda será encaminhado para análise das comissões. Não há previsão para o projeto voltar à pauta da Alerj e nem para ser votado.

A sessão foi marcada por vaias ao deputado Edino Fonseca (PEN), que insinuou que o homossexualismo seria doença. Grupos em defesa aos homossexuais chamaram o deputado de “fascista” e entoaram gritos de “doente é você”. Ao todo, 50 dos 70 deputados estaduais participaram da sessão.

Pouco antes do início da discussão, o deputado Edino Fonseca pediu a palavra. “Nenhum proprietário é obrigado a deixar uma pessoa com essa patologia em seu estabelecimento”, disse o deputado. Os presentes vaiaram muito o parlamentar.

Outros deputados falaram sobre o projeto de lei e se mostraram contrários aos argumentos de Edino. “Mesmo que o homossexualismo fosse doença, e não é, não poderia ser discriminado”, argumentou o deputado Luiz Paulo (PSDB).

O projeto foi encaminhado à Alerj pelo governo do estado. Até mesmo deputados de oposição, como Marcelo Freixo (PSOL) elogiaram a proposta. “Esse projeto tem que ser elogiado mesmo tendo sido feito por este governo péssimo”, disse o deputado, sob aplausos dos presentes.

A deputada Clarissa Garotinho (PR) também se disse contrária ao projeto, apesar de ter deixado claro em seu discurso que é contra qualquer tipo de discriminação. “Tenho meus entendimentos da bíblia. Jesus pregou tolerância. O não à discriminação também é um princípio do cristianismo. Não podemos deixar que uma pessoa sofra violência por qualquer razão. Esse projeto não discute se o homossexualismo é doença ou não. Mas ele promove atitudes do gênero LGBT”, declarou a deputada.

Bolsonaro acompanha votação
O deputado federal Jair Bolsonaro (PP-RJ) compareceu à Alerj para acompanhar a votação do projeto de lei. Ao avistar o parlamentar, um homem de um grupo em defesa dos homossexuais fez um sinal de negativo em direção ao deputado. Bolsonaro respondeu de maneira bem-humorada abrindo os braços.

Fonte: G1, 24/10/213

Comissão de Direitos Humanos e Minorias aprova projeto que desobriga igrejas de casar homossexuais

quarta-feira, 23 de outubro de 2013 1 comentários

Bolsonaro: os homossexuais, como um todo, não querem se casar em igreja;
 essa minoria que vai lá é para provocar.
 
Alexandra Martins / Câmara dos Deputados


Direitos Humanos aprova projeto que desobriga igrejas de casar homossexuais

A Comissão de Direitos Humanos e Minorias aprovou nesta quarta-feira (16) projeto (PL 1411/11) que determina que igrejas podem se recusar a realizar casamento ou mesmo a aceitar a presença de pessoas que violem seus valores, doutrinas ou crenças sem que essa conduta seja considerada discriminação.

De autoria do deputado Washington Reis (PMDB-RJ), a proposta acrescenta artigo à Lei 7.716/89, que define os crimes resultantes de preconceito. Atualmente, a lei estabelece que praticar, induzir ou incitar a discriminação ou preconceito de raça, cor, etnia, religião ou procedência nacional é crime, sujeito à pena de reclusão de um a três anos e multa.

Embora não esteja explícito, a proposta deixa claro que o objetivo da medida é resguardar as instituições religiosas de serem obrigadas a realizar casamentos homossexuais.

Reis destaca que a prática homossexual está em desacordo com muitas doutrinas religiosas. Assim, em sua opinião, a preservação do direito das minorias não pode levar ao desrespeito “de outros direitos e garantias constitucionais”, no caso, das igrejas. Na opinião do deputado, a proposta está de acordo com a liberdade de consciência e de crença, cláusula pétrea da Constituição.

Inconstitucionalidade
Já para o deputado Chico Alencar (Psol-RJ), o projeto fere justamente esse princípio constitucional. “É um projeto que faz um agito, talvez arrebanhe gente, tenha alguma função eleitoral futura, mas não passa no quesito da constitucionalidade, na CCJ ele não vai prosperar”, sustenta.

Chico Alencar ressalta ainda que o texto confere à autoridade religiosa, dentro da sua igreja, “um tipo de poder discriminatório que ofende, inclusive, a lei, corretíssima, contra qualquer discriminação”. Isso porque caberá ao padre ou ao pastor verificar se a pessoa se comporta ou tem valores em acordo ou desacordo com a doutrina que professa.

Legislação

O deputado se refere à Lei 7.716/89, que torna crime induzir ou incitar a discriminação ou preconceito de raça, cor, etnia, religião ou procedência. Para essas práticas, a lei que o projeto altera, prevê pena de reclusão de um a três anos e multa.

Tanto o autor do texto quanto o relator na comissão de direitos humanos, deputado Jair Bolsonaro (PP-RJ), afirmam que a tendência é a inclusão da homossexualidade no rol de condutas criminosas previstas na lei.

Provocação

Segundo Bolsonaro, que apresentou parecer favorável à matéria, há casos de casais homossexuais que procuram igrejas para se casar e, diante da recusa, processam padres e pastores. “Nós queremos descriminalizar essa atitude do pastor em defesa da linha da sua igreja, que é um direito dele não realizar aquele casamento”, argumenta.

Bolsonaro garante ainda que “ninguém quer expulsar gays de igreja”, e os indivíduos serão avaliados “pelo comportamento”, uma vez que não há outra forma de saber que é ou não homossexual.

O deputado acredita, inclusive, que “os homossexuais também, como um todo, não querem se casar em igreja”, e que “essa minoria vai lá para provocar”.

Tramitação
O projeto tramita em caráter conclusivo e ainda será avaliado pela Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJ), inclusive no mérito.

Íntegra da proposta:
Reportagem - Maria Neves
Edição – Regina Céli Assumpção

Casamento homossexual legalizado pela primeira vez em território australiano

terça-feira, 22 de outubro de 2013 0 comentários


O Território da Capital Australiana, ao qual pertence Camberra, legalizou hoje o casamento entre pessoas do mesmo sexo, convertendo-se na primeira jurisdição do país a fazê-lo, mas os seus oponentes já anunciaram a intenção de impugnar o ato.

As uniões civis entre pessoas do mesmo sexo são autorizadas na maioria dos Estados australianos, mas o casamento rege-se pela lei federal, a qual o limita à união de um homem com uma mulher.

O novo texto adotado pela assembleia legislativa do Território da Capital Australiana (ACT na sigla em inglês) deverá permitir o matrimónio entre os primeiros casais do mesmo sexo antes do final do ano.

Perto de 700 casais homossexuais expressaram o seu desejo de contrair matrimónio no ACT, segundo números de um grupo de defesa do casamento entre pessoas do mesmo sexo, citados pela Efe.

A Assembleia também aprovou várias emendas para proteger a lei perante uma eventual impugnação no Tribunal Superior, instância a que o Governo da Austrália, nas mãos dos conservadores, já anunciou que irá recorrer para procurar a anulação do novo diploma.

A discrepância relativamente à validade da lei está em saber se os estados e territórios australianos podem legalizar o matrimónio entre pessoas do mesmo sexo e evitar entrar em contradição com a lei nacional que regula os matrimónios.

A Austrália tem seis estados e dois territórios.

"São águas legais que não foram testadas nem exploradas e ninguém sabe como irá reagir o Tribunal Superior a esta lei", admitiu o procurador-geral do ACT, Simon Corbell, à cadeia local ABC.

O casamento `gay` foi rejeitado pelos deputados australianos em setembro do ano passado, com 98 votos contra e 42 a favor, após um intenso debate sobre o tema.

Fonte: RTP Notícias, 22/10/2013

Corinthians também terá torcida gay, a Gaivotas Fiéis

sexta-feira, 18 de outubro de 2013 0 comentários

Apresentador Felipeh Campos quer criar a Gaivotas Fiéis

Apresentador cria torcida gay organizada do Timão, a Gaivotas Fiéis

Corintiano apaixonado, o apresentador Felipeh Campos, 39, quer juntar a bandeira do Timão com a do arco-íris - o colorido símbolo do movimento LGBT. Ele está criando uma torcida gay para o Corinthians, a Gaivotas Fiéis. Campos acredita que sua iniciativa vai ser bem recebida no universo do futebol.

"Vejo muitos homossexuais nos estádios, sempre inseridos entre os héteros, nunca vi nenhum tipo de homofobia", explica.

Um dos debatedores do programa "Mulheres", da TV Gazeta, Campos ficou conhecido nacionalmente em 1999, ao atuar como dublador Pablo no programa "Qual é a Música?" (SBT). O personagem chamava atenção pela borboleta pintada com maquiagem em seu rosto. Campos leva muito a sério sua paixão pelo esporte de Neymar e companhia.

"Sou completamente aficionado por futebol, entendo muito, acompanho campeonatos, vou a estádio e, principalmente, leio muito sobre negócios que envolvem o esporte”, destaca o apresentador, ressaltando o seu interesse pelo aspecto financeiro do futebol.

"Junto meus amigos para ver futebol, há dois anos tenho trabalhado no projeto da organizada. Todo mundo vai sair ganhando com a torcida. Se 5 milhões de gays se juntam na Paulista uma vez por ano, imagine se metade disso for para os estádios",pondera Campos, inflacionando o público da Parada Gay de São Paulo, cujo o recorde o público registrado pelo Guiness Book foi de 2,5 milhões, em 2006.

O amor pelo Timão é uma herança familiar. "Minha família é corintiana roxa. Roxa não, rosa", brinca Campos, às gargalhadas.

"Amo o Corinthians, gosto de assistir aos homens correndo. O estádio é uma grande manifestação gay. São milhares de homens vendo outros 22 homens correr. Eles se animam, se abraçam, só falta se beijarem na boca. Tem hora que você pensa que está na (casa noturna) The Week", provoca o apresentador.

Campos garante que a Gaivotas Fiéis tem o aval do clube, apesar da inexistência de um vínculo oficial com o Corinthians. Ele diz ainda que já tem reunião marcada com a diretoria da Gaviões da Fiel, a maior e mais famosa torcida organizada do Corinthians.

"Eu conversei com o clube, eles adoraram a ideia, apesar de não ser oficial. Até porque nenhuma torcida organizada tem relação direta com o time. Nesta semana pretendo fazer reuniões com a Gaviões para alinhar algumas coisas", promete Campos.

O apresentador está otimista e aposta alto na atração de torcedores para a Gaivotas, pretendendo atrair 50 mil inscritos num primeiro momento, chegando a até 500 mil membros nos próximos anos. "Não vou catequisar gay, nosso plano é montar uma torcida e ir para o estádio. Não importa que ela precise ser escoltada. Se cada um ficar na sua, não vai ter briga."

O selinho de Sheik

O otimismo de Campos contrasta com um caso recente de flagrante homofobia na própria torcida do Corinthians. No dia 18 de agosto deste ano, o jogador corintiano Emerson Sheik comemorou a vitória do seu time dando um selinho no amigo Isaac Azar, dono de um restaurante no bairro do Jardins, em São Paulo. Ele colocou uma imagem do beijo numa rede social, com a seguinte frase:

"Tem que ser muito valente para celebrar a amizade sem medo do que os preconceituosos vão dizer."

O gesto carinhoso e simpático provocou a ira de muitos torcedores do time, que foram às redes sociais para protestar contra Sheik, desfilando uma série de comentários homofóbicos. Alguns corintianos, poucos, diga-se de passagem, chegaram a ir até a porta do clube para mostrar o seu repúdio ao gesto de Sheik com faixas com os dizeres: "Vai beijar a PQP. Aqui é lugar de homem" e "Aqui é lugar de homem".

Por outro lado, esses atos de intolerância de alguns provocaram uma reação positiva de torcedores que respeitam a diversidade sexual. Eles criaram o movimento virtual "Dê Um Selinho Contra a Homofobia e Machismo", que consistia em postar fotos de pessoas do mesmo sexo se beijando na boca, mesmo que elas não formassem casais ou fossem gays.

Em abril deste ano, internautas criaram também várias torcidas organizadas virtuais no Facebook anti-homofobia, a mais célebre delas foi a GaloQueer, de fãs do clube Atlético Mineiro. O Timão ganhou uma também ganhou a sua, a Corinthians Livre, em funcionamento até hoje.

Fonte: O Dia Online, 16/10/2013

Quando Marina Lima assumiu Gal Costa como sua primeira transa lésbica

quarta-feira, 16 de outubro de 2013 11 comentários


Há alguns anos, uns cientistas, em mais uma daquelas suas pesquisas suspeitosas, saíram dizendo que as héteros ouviam melhor do que as lésbicas. Surgiu então a dúvida atroz quanto à situação das bissexuais nessa história: ouviriam mais de um ouvido e menos de outro? Sobraram também piadas de cunho geográfico: o local da pesquisa não poderia nunca ter sido o Brasil, já que a maioria de nossas cantoras tem fama de jogar no time de Safo.

Outra piada sobre o assunto, reforçando a fama lesbiana de nossas singers, diz que as raras cantoras brasileiras heterossexuais seriam até discriminadas no meio por representarem minoria absoluta, destacando-se entre elas Marisa Monte. Todas as outras seriam no mínimo bi. Para reforçar essa perspectiva, Marina Lima, em entrevista para Joyce Pascowitch em novembro de 2008, declarou, entre outras coisas, que já havia transado com muitas cantoras, tendo sido Gal Costa sua primeira!?

Trechinho em que ela assume a Gal (que novidade!):
E lembro que eu vi uma vez a Gal [Costa] no programa do Chacrinha. A Gal com cabelo crespo, e o meu cabelo era crespo também. Ela estava com uma guitarra e cheia de anéis. E eu tinha vindo de fora, morei dos 5 aos 12 anos nos Estados Unidos, e nunca fui ligada a raízes, sempre fui mais internacional. Então, quando eu vi aquela imagem da Gal, pensei: Ah! É possível isso no Brasil. Eu tocava violão muito bem, queria trabalhar com música, mas não conseguia achar uma expressão cultural popular com a qual eu me identificasse aqui no Brasil. Quando vi a Gal no Chacrinha, vi que existia espaço para isso aqui. Fiquei louca pela Gal. Um tio meu da Bahia me levou a um show dela e eu fiquei muito fã. Passaram alguns anos e eu ouvi falar que Gal era gay. Foi um choque para mim. Um choque! Eu não estava nesse mundo. Eu namorava o Ewaldo, não estava nem imaginando isso. Aí eu soube que essa mulher, que era meu grande ídolo, transava com mulher. Foi um choque, mas aquilo abriu uma porta para mim. Até que, enfim, eu conheci a Gal. Eu tinha 16, 17 anos, e ela começou a brincar de sedução comigo. Fiquei em pânico e voltei para os Estados Unidos. Fui estudar música para ficar longe e não ter de lidar com aquilo, para poder pensar. Sou virginiana, eu gosto de pensar sobre as coisas e entendê-las. Aí, lá fora, eu vi que eu queria experimentar, e que a pessoa que eu queria era ela. Voltei para o Brasil, com uma fita e assinei um contrato com a Warner aos 17 anos. E me aproximei da Gal e acabei transando com ela. Foi muito importante para mim.
Gal com o filho Gabriel em apresentação
 do Cirque du Soleil (SP, 06/04/2013)
Na época desse outing, ouvi dizer que a Gal quis processar a Marina porque teria colocado em risco sua batalha pela custódia do garoto Gabriel que de fato veio a se tornar seu filho. Também tenho o maior bode de gente que sai falando da vida íntima que teve com outra para Deus e todo o mundo, ainda mais com registro público numa revista, como fez a Marina. Daí a processar, acho que não procede.

De qualquer forma, Marina deu mais consistência à história de que todas as cantoras brasileiras são no mínimo bi. Você concorda? Se sim, aqui entre nós, quem são elas mesmo?

Huuummm! Começando pelas mais notórias: Gal, Bethânia, Marina, Ana Carolina....

Confira site da cantora e sua discografia (com direito a audição das faixas)

Abaixo música Coração Vagabundo, do Caetano Veloso, que de fato fui eu que compus. Reedição do texto Marina Lima assume Gal como sua primeira transa lésbica, publicado originalmente no blog Contra o Coro dos Contentes, em 18 de novembro de 2008

Che Guevara era homofóbico

quinta-feira, 10 de outubro de 2013 29 comentários

Che Guevara: "homem novo" não podia ser gay, bissexual ou transexual

Ontem, dia 9 de outubro, muitos esquerdistas nostálgicos relembraram o falecimento de seu ícone-mór, o guerrilheiro argentino Che Guevara que lutou, com Fidel Castro, para a implantação da mais antiga ditadura latino-americana ainda vigente. Entre os nostálgicos, inclusive muitos homossexuais que ou não sabem ou se fazem de esquecidos do que a "revolução cubana" representou para los maricones da ilha caribenha. Como recordar é viver, segue tradução de artigo sobre o fórum Cuba, Revolução e Homossexualidade, realizado em Madrid em 2008, quando escritores, poetas, editores, políticos e  exilados cubanos retomaram a verdade oculta atrás do mito.

Escritora reafirma que o «Che» era homofóbico

Zoé Valdés, escritora cubana.
Durante o fórum Cuba, Revolução e Homossexualidade, realizado em Madrid em 2008*, a escritora cubana Zoé Valdés lamentou o pouco conhecimento existente sobre a vida e a obra de Che Guevara. Bem distante da imagem oficializada, o guerrilheiro argentino de fato “propunha modelos de perfeição viril que condenavam a homossexualidade, a bissexualidade e a transexualidade”.

A homofobia revolucionária

Nos dois dias do fórum, escritores, poetas, editores, políticos e  dissidentes exilados debateram sobre a homossexualidade em Cuba e a repressão que a revolução exerceu contra as minorias sexuais.

O cartaz do encontro é ilustrativo (ver acima): segundo Valdés, a mítica foto de Ernesto “Che” Guevara, por Alberto Korda, enfeitada com as cores do arco-íris da bandeira gay, “teria deixado o guerrilheiro irritadíssimo”.

Valdés explicou que em Cuba se idealizou o conceito de “homem novo”, proposto por Che Guevara em sua obra O Socialismo e o Homem em Cuba. Diferentemente da ideia de um homem livre, o conceito “propunha modelos fascistas e machistas de perfeição viril que negavam a homossexualidade, a bissexualidade e a transexualidade”.

Lamentando que “no mundo se use a imagem de Che Guevara sem de fato se conhecer o que ele pensava”. a escritora declarou:
É preciso conhecer os livros que ele escreveu e não o que se escreve sobre ele. É como colocar uma foto de Hitler sem saber quem era. Esse uso foi e continua sendo muito prejudicial ao mundo.
Valdés também falou da paixão que o fundador do Instituto Cubano de Cinema, Alfredo Guevara, sentia por Fidel Castro:
Todo dia 31 de dezembro, esperava, como uma noiva, que Fidel o chamasse para felicitá-lo pelo aniversário.
Em sua opinião, a situação dos homossexuais em Cuba “não mudou muito” desde o início da revolução, apesar de já haver órgão estatal vendendo o contrário:
Não mudou muito mesmo agora em que se fala do Centro Nacional de Educação Sexual (Cenesex), um projeto dirigido por Mariela Castro, filha de Raúl Castro e, portanto, outro órgão do governo.
Para a escritora, a revolução cubana é um produto de exportação vendido pelo maior marqueteiro da História:
Fidel é o maior especialista em marketing do século XX. Criou um produto que vendeu em todo o mundo e que continua a ser comprado. Para nós, cubanos, também vendeu a ideia de que a revolução acabaria com as injustiças, que seríamos livres, mas a realidade foi bem outra.
Por sua vez, o poeta León de la Hoz recordou que, em Cuba, muita gente chama Raúl Castro de “a mocinha de olhos tristes”, em referência à sua suposta homossexualidade não assumida.

O Fórum começou com um debate sobre o poeta José Mario que morreu pobre e solitário, em Madri, em 2002. O poeta foi uma das vítimas dos rigores das Unidades Militares de Ajuda à Produção (UMAP), onde o regime castrista “reeducava” os homossexuais.

Nesses campos, como o escritor Jacobo Machover informou que José Mario sempre comentava, os dirigentes cubanos emularam o dístico “O trabalho os fará livres” que encimava a entrada dos campos de concentração nazistas. No campo em que o poeta esteve internado, em Camagüey, como indicativo da mentalidade comunista sobre a homossexualidade, podia-se ler um cartaz com  os dizeres “O trabalho os fará homens”.

Nas palavras do também poeta Felipe Lázaro, diretor do editorial Betania, a perseguição sofrida por José Mario, similar à vivida por outro escritor homossexual, Reynaldo Arenas, condicionou muito negativamente sua vida:
José Mario foi uma vítima da revolução, da implacável máquina de destruição que a revolução representa.
Publicado originalmente em El Nuevo Herald via AGMagazine. Tradução e adaptação Míriam Martinho

Notas adicionais do blog O verdadeiro Che Guevara, com as referências bibliográficas correspondentes.

Os campos de concentração cubanos abrigaram todos aqueles que não se encaixavam na ideia de “homem novo”: gays, católicos, testemunhas de Jeová, alcoólatras, sacerdotes do candomblé cubano e, mais tarde, portadores de HIV. “Como poderia o homem novo se libertar do capitalismo? Essa era a questão central para os líderes revolucionários da época, principalmente Che Guevara, um insistente proponente da ideia de um homem novo e um dos mais convictos líderes homofóbicos do período”, afirma o escritor cubano Emilio Bejel no livro Gay Cuban Nation. (2000, p.24)

O poeta e dramaturgo Virgilio Piñera, por exemplo, tinha sido exilado político da ditadura anterior, a de Fulgencio Batista. Em 1961, foi preso durante a “Noite dos 3 Ps”. Amigo e colega de trabalho de Virgilio, o escritor Gillermo Cabrera Infante explicou o episódio no livro Mea Cuba. “Um departamento especial da polícia, chamado de Esquadrão da Escória, se dedicara a deter, à vista de todos, na área velha da cidade, todo transeunte que tivesse um aspecto de prostituta, proxeneta ou pederasta”, escreveu Infante. (1996, p.91) Virgilio conseguiria escapar da prisão, mas não do preconceito de Che Guevara. Anos depois, Che viajou para a Argélia e visitou a embaixada cubana local. Ao dar uma olhada nos livros da estante da embaixada, deparou-se com o Teatro Completo de Virgilio Piñera. “Como é que você pode ter o livro dessa bicha na embaixada?”, disse ao embaixador enquanto atirava o livro pela parede. O embaixador desculpou-se e jogou a obra no lixo. (INFANTE, 1996, p.341)


Referências:

BOJEL, Emilio. Gay Cuban Nation. Chicago: University of Chicago Press, 2001. 257 p.
GUEVARA, Ernesto (Che). Textos Políticos. São Paulo: Global, 2009. 88 p.
INFANTE, Guilhermo Cabrera. Mea Cuba. São Paulo: Companhia das Letras, 1996. 518 p.

* Cuba, Revolução e Homossexualidade, realizado em Madrid, em  janeiro de 2008, pela Confederação Espanhola de Associações de Lésbicas, Gays, Bissexuais e Transexuais (COLEGAS) na Casa América de Madri, Espanha.

Igreja anglicana australiana reconhece casamento gay

terça-feira, 8 de outubro de 2013 0 comentários

Congregação aprovou com uma maioria de dois terços a moção.

A diocese da igreja anglicana da cidade australiana de Perth, no Estado de Austrália ocidental, aprovou o reconhecimento das uniões civis entre pessoas do mesmo sexo, informou esta segunda-feira a imprensa local.

O concílio da congregação aprovou com uma maioria de dois terços uma moção, segundo a qual esta igreja aceita que o reconhecimento legal das relações de pessoas do mesmo sexo coexista com o matrimônio entre um homem e uma mulher.

O líder da paróquia de Darlington-Bellevue, Chris Bedding, indicou que o resultado da votação, realizada no fim de semana, não é um sinal de apoio ao casamento entre pessoas do mesmo sexo, mas de generosidade e compaixão.
"Como igreja ainda não estamos preparados para realizar cerimônias do tipo casamento para casais do mesmo sexo, mas o que queremos dizer é que, se o governo reconhecer as uniões civis, sentimo-nos bem com isto", disse em declarações à cadeia ABC.
A votação terá de ser ratificada pelo arcebispo de Perth, Roger Herft, que há um ano vetou uma moção semelhante.

Na Austrália, as uniões civis entre pessoas do mesmo sexo são permitidas em todos os estados, mas o casamento carece de reconhecimento formal do governo australiano.

Fonte: Correio da Manhã, 07/10/2013

60% dos católicos americanos apoia o casamento de homossexuais

segunda-feira, 7 de outubro de 2013 0 comentários


Papa Francisco abençoa criança: só 4% dos católicos americanos e mostraram desfavoráveis a ele
Maioria dos católicos dos EUA apoia papa na questão gay
Segundo a pesquisa 60% dos católicos apoia o casamento de homossexuais, comparado com o 56% entre todos os adultos entrevistados. 

Washington - Uma significativa maioria católicos dos Estados Unidos, 68%, concorda com a opinião sobre homossexualidade, aborto e anticoncepcionais dada pelo papa Francisco em entrevista recente, que disse que a Igreja 'não pode estar insistir sempre' só nestes temas, apontou uma pesquisa do Instituto Quinnipiac divulgada nesta sexta-feira. 

Em uma entrevista à revista jesuíta Civiltá Cattolica, publicada mês passado, o papa disse: 'Não podemos continuar insistindo somente em questões referentes ao aborto, ao casamento homossexual e ao uso de anticoncepcionais, uma pastoral missionária não fica obcecada por transmitir de modo desestruturado um conjunto de doutrinas para impô-las insistentemente'. 

O Instituto Quinnipiac entrevistou 1.776 adultos - 392 deles católicos - para repercutir as opiniões expressadas pelo papa nessa entrevista. A pesquisa, que indica que 23% não concordam com a posição do pontífice, tem 2,3 pontos de margem de erro. 

O apoio às observações do papa, segundo o Quinnipiac, é consistente entre homens, mulheres e em todos os grupos de idade. 

Segundo a pesquisa 60% dos católicos apoia o casamento de homossexuais, comparado com o 56% entre todos os adultos entrevistados. 

Dos católicos praticantes, aqueles que vão aos ofícios religiosos pelo menos uma vez por mês, 53% aprova os casamentos de homossexuais, e entre os não praticantes esse número sobe para 65%. 

O instituto apontou que 36% dos católicos americanos têm uma opinião 'muito simpática' ao papa argentino; e 53% são simpáticos. Só 4% se mostraram desfavoráveis. 

'Aos católicos americanos agradou escutar o papa Francisco dizer que a Igreja não deveria continuar falando tanto sobre casamento de homossexuais, aborto e anticoncepcionais', comentou Maurice Carroll, diretor do instituto de pesquisas na Universidade Quinnipiac. 

A pesquisa mostrou ainda que 60% dos católicos nos EUA aprova a ordenação sacerdotal de mulheres e entre os praticantes esse número cai para 52%. EFE

Fonte: Exame, 04/10/2013

População LGBT tem mais dificuldade para adotar crianças

sexta-feira, 4 de outubro de 2013 0 comentários

Adotar filhos de forma legal é mais difícil para homossexuais
Gays esbarram em conservadorismo de juristas e preconceito, tanto social como na própria família

Tarefa conhecida como trabalhosa e burocrática, adotar uma criança no Brasil é ainda mais difícil quando a vontade parte de casais homossexuais. Do ponto de vista jurídico, não há nenhum entrave para o processo , mas gays ainda esbarram na visão conservadora de alguns juristas e no preconceito social, a começar na própria família, conforme relatos de quem vivencia a situação na prática.

Dos 200 habilitados para a adoção na Vara Cível da Infância e da Juventude de Belo Horizonte desde 2010, oito são famílias formadas por homossexuais – 4% do total, sendo cinco casais femininos e três homens solteiros –, das quais duas ainda não conseguiram guarda provisória ou adoção definitiva. 
“Percebemos mais casais homoafetivos na fila de adoção. Antes, eles só procuravam (adotar) individualmente, o parceiro não se habilitava”, observa o juiz da vara, Marcos Flávio Lucas Padula.
Já a Associação Brasileira de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais (ABGLT) informa que, muitas vezes, a própria Justiça dificulta a inserção do nome das duas pessoas na certidão do filho.
“A criança adotada já começa a vida nova com menos direitos. Se uma das partes morrer, ela pode ficar sem a herança”, comenta o presidente da entidade, Carlos Magno Fonseca.
É o caso de duas moradoras de Belo Horizonte, a pedagoga Soraya Menezes e a psicóloga Suely Martins, que há cinco anos adotaram uma menina. Apenas o nome de Suely consta na certidão de nascimento da criança, embora as duas tenham decidido pela adoção e formem uma família.
“Estamos com processo na Justiça para alterar a certidão e incluir a dupla maternidade”, diz Soraya.
Polêmica. Favorável ao reconhecimento da dupla maternidade ou paternidade, o juiz Marcos Flávio Lucas Padula reconhece que há setores mais conservadores no Judiciário. “É consenso que nenhum fator intrínseco da homoafetividade implique prejuízos para as crianças. Mas é claro que existem posições contrárias, que divergem sobre possíveis problemas e constrangimentos que a criança possa sofrer”, pondera.

O presidente da ABGLT diz que muitas vezes essa visão repercute em outras etapas da adoção, como na fase de entrevistas com assistentes sociais.
“Ainda há muita dificuldade de aceitação em vários setores da sociedade”.
Exemplo disso é a discriminação enfrentada em casa, no trabalho e na escola.
“Há o preconceito ‘invisível’, quando a pessoa fala ‘nossa, mas ela é tão educada’, como se tivesse de ser mal-educada por ser criada por duas mulheres”, relata Soraya.
O psicanalista Paulo Roberto Ceccarelli diz que é comum as pessoas centrarem os possíveis problemas da criança na opção sexual de quem cuida delas. “Tenho pacientes com dificuldade de aceitar a adoção pela exposição social. Eles escondem que são gays, e a família finge que não vê”, conclui.

 O que diz a lei

Fonte: O Tempo, 29/09/2013

Demi Lovato aparece em trailer da nova temporada de Glee beijando Naya Rivera

quinta-feira, 3 de outubro de 2013 0 comentários


Demi Lovato apareceu pela primeira vez na série Glee, em um trailer divulgado na última quinta-feira, 27. No vídeo, Demi aparece beijando a atriz Naya Rivera, que interpreta a personagem lésbica Santana.

Na a trama, a cantora será a garçonete de um restaurante de Nova York que será interesse amoroso da personagem Santana. A cantora espera que sua personagem inspire pessoas que sofrem homofobia.
“Eu vou fazer uma lésbica na série e isso é algo que eu sinto que realmente não tinha sido trazido para o horário nobre com, sabe, como uma jovem atriz, e eu acho que representa onde nossa sociedade está hoje. Está se tornando a norma e eu estou realmente feliz de representar isso”, disse a atriz e cantora ao site “Access Hollywood”.

Trailer de Glee
Fonte: O Povo online, 27/09/2013

Isonomia de direitos avança também nas Forças Armadas brasileiras

quarta-feira, 2 de outubro de 2013 0 comentários

Igualdade também nas Forças Armadas

Forças Armadas têm 30 militares homossexuais reconhecidos
Marinha altera manual e 26 garantem a cônjuge direitos como dependente. Justiça reconhece sargento gay; Exército mudará 'normas internas'

Levantamento realizado pelo Ministério da Defesa a pedido do G1 aponta que as Forças Armadas registram ao menos 30 militares gays e lésbicas, que tiveram os cônjuges oficialmente reconhecidos como dependentes, garantindo acesso aos sistemas de saúde, de moradia e previdenciário. Os dados foram contabilizados até o mês de setembro deste ano. 

O maior número é registrado na Marinha: são 26 militares, 23 deles apresentaram declaração de união estável e outros três, certidão de casamento. Já o Exército registra três pedidos, enquanto que a Aeronáutica diz que não é possível fazer um levantamento, pois o sistema de registro não faz essa distinção. Pelo menos um caso é confirmado: em abril, a FAB reconheceu como dependente o marido de um sargento homossexual que é controlador de voo no Recife (PE). 

A tendência é que, agora, o registro de soldados homossexuais nos quartéis deva aumentar. Isso porque a Marinha já alterou as normas internas, acabando com termos como “mulher” ou “marido” e admitindo os dependentes apenas como “cônjuges”.

O Exército, que teve o 1º homossexual reconhecido após decisão judicial em agosto, começa agora um processo para adequar “todas as normas internas” que tratam de inclusão de dependentes, buscando estender aos casais homossexuais todos os direitos concedidos aos heterossexuais. 

Enquanto os manuais estão em adequação, os militares que possuírem uma união homoafetiva não precisarão mais recorrer à Justiça. Os pedidos, garante o Exército, serão reconhecidos administrativamente.

Exército está 'em processo de adequação de todas as normas que regulam a inclusão de dependentes em consequência de união homoafetiva'

Segundo a Marinha, o alto número de registros ocorre devido a uma mudança feita no manual de Declaração de Dependentes e Beneficiários, chamada de DGPM-303. O texto, de 1996, sofreu revisões em outubro de 2011, após decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) de equiparar os direitos de casais do mesmo sexo, e em 2013. A primeira alteração ocorreu após o cabo reformado João Batista Pereira da Silva, de 41 anos, brigar durante dois anos pelo reconhecimento do companheiro, Claudio Nascimento da Silva, de 40 anos. Casados no Rio de Janeiro, eles decidiram que "a Justiça não era o caminho".
“Queríamos que a Marinha mudasse as regras e que outros militares pudessem ser beneficiados sem ter que sofrer o que sofremos. Por isso optamos por brigar internamente, fazer a Marinha mudar, em vez de buscar o meio judicial”, diz Claudio, que é ativista GLBT e superintendente de Direitos Individuais, Coletivos e Difusos da Secretaria de Assistência Social e Direitos Humanos do Estado do Rio de Janeiro. 
“O Exército está atrasado. Hoje, os princípios são de igualdade. Não estamos mais no tempo da ditadura. Somos procurados por muitos militares que querem orientação e ficam com medo de preconceito nos quartéis”, acrescenta ele. 
João foi marinheiro de gola por mais de 20 anos e diz ter enviado e-mails à Presidência e ao Ministério da Defesa até conseguir o registro do dependente. Com a união estável registrada desde 2010, o casal procurou, pela primeira vez, a Diretoria Geral de Pessoal da Marinha em abril de 2011. Foram vários "não" ouvidos até setembro de 2011, quando a Marinha os comunicou que o cadastro era possível. Contudo, explica João, na época eles já estavam com certidão de casamento e o órgão indeferiu o pedido, alegando que a equiparação de direitos só valia para uniões estáveis – e não para casamentos. Foi só em 24 de agosto do ano passado que os dois foram registrados, enfim, como um casal militar. 
“Quando solicitamos a equiparação de direitos à Marinha, um oficial nos disse que éramos loucos, que os militares nunca reconheceriam um casal gay”, relembra Claudio.
Mudanças em andamento 

No Exército, as mudanças ainda estão em andamento após o Tribunal Regional Federal de Pernambuco determinar que um estudante de 21 anos seja reconhecido como companheiro de um sargento de 40.O praça largou a mulher em 2000, com quem tinha um casamento, por causa da paixão pelo estudante. O processo dele junto ao Comando Militar do Nordeste estava parado desde 2000. 

Em primeira instância, um juiz federal negou preliminarmente o pedido de equiparação de direitos – alegou que a legislação em vigor para servidores públicos militares dispõe que a assistência médica só considera como dependente “a mulher” e os filhos do soldado. Já em agosto, o TRF de Pernambuco determinou que o Exército reconheça o casal. A Advocacia Geral da União (AGU) divulgou que não irá recorrer da decisão, mas um recurso sobre o valor a ser pago de custas judiciais adiou a homologação do caso. 
“A União ainda não foi notificada e depois começa a correr um prazo de 30 dias até que transite em julgado. A partir de então o Exército terá que cumprir”, diz a advogada do sargento gay, Laurecília Ferraz. 
“O Exército é uma instituição legalista, cumpre a lei. A notícia de que eles estão mudando as normas é bem-vinda, vai acelerar o processo de todos os demais. Para nós, é uma vitória este reconhecimento de direitos”, comemora a defensora. 
Além do sargento de Recife, outros dois casos foram contabilizados no Exército: um já está regularizado e o outro está com homologação em andamento, mas também será atendido. A Força diz ter “perene compromisso de obediência às leis vigentes”. Já a Marinha diz que agiu “proativamente” na primeira revisão da norma, no sentido de se adequar à decisão do Supremo. A Aeronáutica diz que não faz distinção e que os documentos internos já usam o termo cônjuge.

Fonte: G1, 28/09/2013, por Tahiane Stochero

ONU reitera compromisso de combater à discriminação contra a população LGBT

terça-feira, 1 de outubro de 2013 0 comentários

Em reunião da ONU, países se comprometem com direitos da população LGBT e combate à discriminação

Países participantes da primeira reunião ministerial realizada na ONU sobre os direitos das pessoas lésbicas, gays, bissexuais e transgêneros (LGBT) reafirmaram na quinta-feira (26/09) o compromisso de trabalhar em conjunto para combater a discriminação e proteger os direitos de todos os seres humanos, independentemente da sua orientação sexual ou identidade de gênero.

Ministros das Relações Exteriores presentes na reunião, promovida em paralelo ao debate anual de alto nível da Assembleia Geral da ONU, aprovaram uma declaração comprometendo-se não apenas a proteger os direitos LGBT, mas também combater atitudes homofóbicas e contra as pessoas trans na sociedade em geral, inclusive por meio de campanhas de educação pública.

A chefe da ONU para os direitos humanos, Navi Pillay, elogiou a vontade de agir mas disse que muitos desafios permanecem sobre esta questão.
"Durante a última década, muitos países iniciaram reformas históricas – reforço das leis antidiscriminação, luta contra crimes de ódio a pessoas LGBT e sensibilização da opinião pública. Mas, apesar dos avanços, grandes desafios permanecem", disse Pillay.
Mais de 76 países ainda criminalizam as relações sexuais consensuais adultas entre pessoas do mesmo sexo, enquanto que em muitos outros países a discriminação contra as pessoas LGBT é generalizada – inclusive no local de trabalho e nos setores da educação e da saúde.

Pillay também falou sobre a resistência que às vezes encontra quando levanta a necessidade de medidas para proteger os direitos das pessoas LGBT com representantes de governos.
"Eles dizem que as relações de pessoas do mesmo sexo e pessoas trans vão contra sua cultura, crenças religiosas ou valores tradicionais. Minha resposta é que os direitos humanos são universais", disse.
Entre os presentes na reunião estavam o ministro das Relações Exteriores do Brasil, Luiz Alberto Figueiredo Machado, e ministros da Argentina, Croácia, Holanda, Noruega, França, Japão, Nova Zelândia, além de representantes da União Europeia e da sociedade civil.

Fonte: UOL notícias, 27/09/2013

Horóscopo de outubro (2013)

0 comentários

Míriam Julie
PREVISÃO OUTUBRO DE 2013 

ÁRIES
21/03 a 20/04 

Este é um mês extremamente intenso, pois ele representa um embate entre poderosas forças íntimas de mudança e grandes resistências do mundo exterior. Você tentará fugir da rotina e de todos os aspectos banais e monótonos presentes em seu cotidiano. Buscará coisas novas que possam tornar sua vida mais estimulante e cheia de emoções. Porém cada uma dessas tentativas encontrará a resistência das circunstâncias, dos deveres e obrigações, mantendo-a numa situação opressiva.
  
Por outro lado, existe a possibilidade de você conseguir um equilíbrio, podendo assim manter a tensão sob controle por longo tempo e promover diversas mudanças de forma bastante organizada. É comum as pessoas realizarem tarefas muito difíceis durante este trânsito, pois são capazes de esforços hercúleos, que dificilmente empreenderiam em outras circunstâncias. Os estudos e projetos de longo prazo que exijam grande concentração e esforço podem perfeitamente prosseguir agora. 

Apesar dessa manifestação parecer mais produtiva, tudo vai depender de sua própria situação. Muitas vezes o rompimento repentino com uma situação opressiva (seja no aspecto profissional ou afetivo), limpa a atmosfera e permite-lhe partir para um começo realmente melhor.

TOURO
21/04 a 20/5

Ao longo deste mês é provável que você questione muito sua vida, suas metas e a realização de seus ideais. Dependendo do resultado dessa avaliação, você talvez queira mudar umas tantas coisas. O problema é que este não é um dos melhores períodos para se fazer mudanças de vida refletidas e cuidadosas. Há um grande risco de agir semiconscientemente, saindo em busca de um sonho irrealizável ou mesmo questionável. Embora seja bom para uma autoanálise, este período ainda não é a melhor hora para agir. 

Caso se precipite, apenas trará perturbações a sua vida doméstica, profissional e emocional. É provável que parta de ideias parcialmente certas sobre si mesma e suas necessidades. 

Procure se dar bastante espaço e viva as experiências que achar necessário. Evite apenas assumir compromissos definitivos durante este mês. Não seria bom passar o resto da vida pagando pelas consequências de atos impensados, cometidos sob a influência de uma ilusão passageira.

Muitas das revelações que terá ao longo deste período serão verdadeiras e muitas não. Apenas o tempo poderá lhe dizer quais as reais.
  
GÊMEOS
21/05 a 20/06

 Este mês representa um teste a sua resistência e à força com a qual definiu seu lugar no mundo. O teste pode ter diversas formas, mas, independente de qual seja, ele exigirá que seu senso de individualidade esteja em forma. Em outras palavras, será preciso que se conheça muito bem. Caso não saiba quem realmente é enquanto pessoa, é provável que esta fase se faça acompanhar de crises, dando lugar a grandes mudanças de vida. 

Este período estimulará sua ambição e seu desejo de poder de um modo muito desproporcional. Por outro lado, você pode também saber exatamente do que precisa para seu sucesso e ir em busca apenas do que lhe falta, dispondo-se a fazer concessões e a partilhar seus êxitos com os outros. Esse é o rumo indicado a tomar, mas infelizmente nem sempre a transigência é encontrada. 

Se sua disposição de espírito for mais reservada, é possível que atravesse este trânsito de modo diferente. Ao invés de viver um delírio de poder, talvez se veja às voltas com alguém que o viva. Novamente, será preciso definir exatamente quais os seus direitos e necessidades enquanto indivíduo e defendê-los. O problema nesse caso não é você ultrapassar seus limites, mas enfrentar alguém que o faça.

CÂNCER
21/06 a 22/07

Neste período você dará início a uma profunda introspecção que lhe permitirá analisar-se com autocrítica. É bem possível que se sinta só e deprimida. A forma como vai lidar com este trânsito terá importantes consequências para seu bem-estar físico e psicológico depois. 

O período é bom para se conhecer a si mesma, contanto que evite fazer julgamentos. Não importa se você é boa ou má de acordo com seus ideais. A verdadeira questão deve ser quem você é, e isso o trânsito pode ajudá-la a descobrir. Se agir conforme esse ponto de vista, o período pode ser bastante construtivo, mesmo que normalmente seja vivido como um momento difícil. 

Durante este mês você talvez evite as pessoas, passando por dificuldades de relacionamento - principalmente com as mulheres -, além de depressões e sentimentos de inferioridade em relação às exigências da vida. A melhor forma de vencer tudo isso é evitar levar as coisas demasiadamente a sério. Sua perspectiva será distorcida, de modo que questões insignificantes parecerão importantíssimas. Não tome decisões definitivas quanto a sua vida emocional agora. Espere até poder ver mais claramente o que aprendeu com este trânsito.

LEÃO
23/07 a 22/08

Este mês representará um novo despertar para uma conscientização acerca do que a sua vida significa. Assim é possível que conclua que no passado deixou-se motivar por uma concepção de si mesma demasiado estreita, seja por necessidade de segurança, seja simplesmente por uma questão de afirmação. Procure fazer tudo o que for necessário a fim de poder viver de acordo com essa nova compreensão. 

Embora não desperte especificamente seu idealismo, este período lhe permitirá ver que este mundo é um lugar bem grande e que sua participação nele é bem maior do que havia pensado. 

Você talvez se sinta atraída por ideias bastante místicas, embora elas só ganhem sentido na medida em que afetarem seu dia-a-dia. Neste momento, tudo que você precisa é mudar sua vida de forma mais decisiva e não de ver-se às voltas com mais abstrações. E você vai mudá-la! 

Este trânsito a fará abandonar definitivamente o passado, reorientando sua vida de acordo com a visão mais ampla que agora possui. As diversas mudanças que estarão ocorrendo talvez lhe pareçam um tanto amedrontadoras, mas elas serão para melhor. Você encontrará nova liberdade numa nova consciência.

VIRGEM
23/08 a 22/09

Este é um mês extremamente positivo. Você se sentirá emocionalmente segura e em contato com seus sentimentos, que poderá expressar com clareza e honestidade para os outros e para si mesma. Ao mesmo tempo, sentirá uma enorme generosidade, a qual lhe permitirá dar de si mais livremente e sem se sentir diminuída. Essa combinação de influências está associada a sua função afetiva, ao desejo de proteger e cuidar bem como ao de ser protegida. Você terá condições não apenas de cuidar de outra pessoa como de obter apoio, se vier a precisar.

Seu lar e sua vida pessoal serão muito importantes ao longo deste período. Você se empenhará em tornar essa área tão positiva quanto possível, podendo simplesmente arrumar sua casa de forma mais elegante e acolhedora ou, num plano mais psicológico, convidar amigos e vizinhos para visitá-la, procurando com isso dar prazer a eles e a você mesma. 

Agora você conseguirá perceber como seu passado contribui positivamente para sua atual situação e terá vontade de cercar-se das coisas que a lembrem dele. Este é um bom momento para voltar à casa dos pais e rever os familiares, velhos amigos e pessoas queridas. 

No setor afetivo terá novidades, com a oportunidade de conhecer novas pessoas com as quais poderá desenvolver uma relação mais intensa. 

LIBRA
23/09 a 22/10

Embora você possa estar cheia de planos e ideias, há uma tendência a negligenciar os detalhes. Talvez não se disponha a aceitar críticas, mas se ouvir e aproveitar o que lhe for dito, este pode ser um excelente momento para tomar decisões, fazer planos e negociações e finalizar contratos e acordos. Entretanto, isso apenas acontecerá se você se dispuser a ouvir a opinião dos outros. 

Este período geralmente é de otimismo e sentimentos positivos. Você terá confiança em suas ideias e capacidade de transmiti-las. Todas as formas de comunicação terão importância para você, a ponto de levá-la até a escrever, por exemplo. 

Contudo procure não se extenuar fazendo coisas demais. Procure ter certeza de não estar fazendo planos que estejam acima de sua capacidade. Às vezes o ritmo deste mês se torna verdadeiramente frenético, pois surgem diferentes questões para se tratar ao mesmo tempo. E é justamente aí que aumenta o risco de deslizes como a precipitação. 

É possível que encontre diversos tipos de resistência a suas ideias e opiniões durante este período. Será uma boa hora para analisá-las e verificar seu grau de solidez e confiabilidade. Deste modo, o trânsito constitui uma oportunidade para mudar as ideias falhas, permitindo-lhe facilmente tornar seu ponto de vista mais amplo.

ESCORPIÃO
23/10 a 21/11

Ao longo deste mês você descobrirá que sua visão externa possui diversas falhas. Isso poderá ocorrer através de uma série de evidentes desapontamentos ou mais sutilmente, através de uma crescente sensação de ansiedade sem causa aparente. O medo e a perda da autoconfiança constituem dois dos mais difíceis efeitos deste período. Você poderá de repente demonstrar medo sem a mínima razão para isso ou talvez sinta medo de coisas que para os outros não têm o menor problema. Será como se estivesse subitamente desorientada. 

É isso que constitui a "escura noite da alma", um período de confusão que, segundo os místicos, precede a compreensão de que se pode conviver com uma realidade diversa da imaginada. Num plano mais elevado, este trânsito pode representar um prelúdio à iluminação, à percepção da verdadeira natureza da "ilusão" que denominamos realidade. 

Contudo, na maioria das vezes este período apenas significa uma mudança no conceito de realidade que começa com a dissolução dos antigos conceitos e uma temporária desorientação. A melhor forma de lidar com este trânsito é instalar-se num ambiente confortável e reduzir ao mínimo o nível de estresse. Procure evitar tomar decisões, pois sua disposição de ânimo não lhe permitirá ver as coisas com muita clareza. Evite pessoas problemáticas ou pouco simpáticas. Você precisará de tranquilidade para poder apreender as novas verdades que surgirão quando a confusão e a poeira assentarem. Dê uma folga ao seu coração. 

SAGITÁRIO
22/11 a 21/12

Durante este período, será imprescindível manter todos os seus assuntos sob controle. Há uma forte tendência a excessos, que talvez a impeça de levar em frente as coisas em que está envolvida. O fato é que ele lhe dará a sensação de que as coisas simplesmente estão além de sua capacidade. Tome especial cuidado com as questões financeiras, pois você provavelmente gastará sem pensar, certa de haver abundância de dinheiro e de todos os recursos de que precisar. 

Porém o dinheiro não será a única preocupação. Você talvez se tenha empenhada em projetos que lhe exigem mais tempo do que realmente dispõe. Portanto, procure estar certa de ter o tempo e os recursos necessários a qualquer coisa que queira fazer. Não superestime os recursos disponíveis.

Se conseguir evitar essa armadilha, este pode ser um mês proveitoso, pois lhe dará mais confiança e otimismo, permitindo-lhe levar adiante projetos que normalmente relutaria em assumir. Além disso, sua atitude essencialmente positiva contribuirá para desfechos favoráveis em suas iniciativas.

CAPRICÓRNIO
22/11 a 19/01

É possível que durante deste mês você tenha menor liberdade de movimentos que de hábito, devido à pressão das circunstâncias e à necessidade de finalizar as coisas. Velhas pendências encontrarão solução agora. Talvez o trabalho lhe exija mais esforço que habitualmente, pois seus chefes podem atribuir-lhe mais responsabilidades do que você desejaria. Embora não seja exatamente leve e descontraído, o período deve ser bem produtivo. Termine o que começou e simplifique sua vida. 

Os relacionamentos válidos não sofrerão grandes abalos, mas os que não o forem se romperão completamente agora. Você estará tentando livrar-se de tudo que não for necessário ou benéfico a seu desenvolvimento no futuro. Os relacionamentos difíceis e complicados serão provavelmente descartados da sua vida, e você passará a se dedicar mais á pessoa amada que se mostre verdadeiramente companheira.

Procure não construir uma barreira entre você e os outros, pois há um grande risco disso acontecer agora. Os deveres, obrigações e responsabilidades não excluem os relacionamentos satisfatórios, embora você possa pensar o contrário.

AQUÁRIO
20/01 a 18/02

Este é o momento para fazer grandes planos e concretizar diversas ideias que vem alimentando há tempos. Agora será possível torná-las realidade, contanto que evite certas armadilhas. Neste caso, o principal é procurar não pensar grande demais, tentando fazer coisas absurdas ou impraticáveis.

Se conseguir verificar cada detalhe, como exige a realização de todo negócio bem- sucedido, o momento é excelente para a finalização de todo tipo de transação comercial, mas é muito importante não negligenciar nenhum detalhe que possa afetar o resultado.

Este período permite que se vejam os padrões gerais das coisas e que se façam planos com previdência e sabedoria. Entretanto, se não tomar cuidado, pode acabar se precipitando e dando passos errados. O melhor será trabalhar com outra pessoa que possa checar seus planos e atuação, chamando-lhe a atenção para qualquer coisa que você possa ter passado por cima.

PEIXES
19/02 a 20/03

Este é um mês bastante promissor e cheio de energia. Você se sentirá forte e fisicamente em forma, além de mais disposta a agir e correr riscos que de hábito. Uma das melhores formas de empregar essa energia é praticar exercícios físicos puxados, que fortalecerão seu corpo e lhe permitirão um grau de realização maior que o normal. 

O momento é bom para iniciar um novo projeto, contanto que não se exceda. Você terá mais iniciativa que normalmente, podendo realizar muita coisa por conta própria Trabalhar com outras pessoas pode ser um pouco frustrante, já que talvez lhe seja difícil acomodar-se a ritmos mais lentos.

Se por acaso tiver iniciado recentemente um relacionamento, o melhor será deixar as coisas fluírem naturalmente. Tudo indica que poderá investir nessa relação onde sentirá uma reciprocidade nos sentimentos além de um grande aprendizado mútuo.


Miriam Julie é astróloga humanista, terapeuta holística, taróloga e numeróloga há 26 anos e mantém, desde 2004, as previsões astrológicas anuais e mensais, entre outras, do site da Um Outro Olhar. Atualmente em formação como terapeuta tântrica no método Deva Nishok.

Para consultas online ou pedidos de mapa astral, combinação de mapas, previsões, entrar em contato com miriam-zen@umoutroolhar.com.br 

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
 
Um Outro Olhar © 2015 | Designed by RumahDijual, in collaboration with Online Casino, Uncharted 3 and MW3 Forum