Adriana Calcanhoto declarou sobre Susana Moraes: "Morreu de mãos dadas comigo. Foi-se o amor da minha vida"

quarta-feira, 28 de janeiro de 2015 0 comentários

Adriana Calcanhoto, Suzana de Moraes e Mart'nália
(Foto: Cristina Granato/ Agência O Globo - 19.nov.2006)

Adriana Calcanhotto sobre a morte da mulher: 'Foi-se o amor da minha vida'
Cantora se pronunciou sobre a morte de Susana Moraes na tarde desta terça-feira, 27. 'Fui a mulher mais feliz do mundo nestes 26 anos'

A cantora Adriana Calcanhotto se pronunciou sobre a morte da Susana Moares, de 74 anos, nesta terça-feira, 27. Calcanhoto viveu durante 26 anos com a atriz e cineasta, que morreu no Rio de Janeiro em decorrência de um câncer.
Fui a mulher mais feliz do mundo nestes 26 anos em que estive com ela. Uma grande mulher, inteligente, engraçada, culta, amiga dos amigos, que teve uma vida extraordinária, e que viveu cada segundo como nunca mais. Morreu de mãos dadas comigo. Foi-se o amor da minha vida", disse a cantora, de 49 anos.
A atriz e cineasta Susana Moraes morreu nesta terça. Susana, que era a filha mais velha de Vinicius de Moraes e companheira da cantora Adriana Calcanhotto, sofria de câncer no endométrio. Adriana e Susana oficializaram a união no ano de 2010, mas já viviam juntas.

O velório e a cremação do corpo serão no Memorial do Carmo, no Caju, Zona Portuária do Rio de Janeiro.

Susana estava internada na clínica São Vicente, na Gávea, Zona Sul do Rio, desde o dia 5 de janeiro de 2015. Segundo assessoria do hospital, a atriz e cineasta morreu por volta das 5h da manhã vítima de infecção respiratória em decorrência de complicações do câncer de útero.

Em setembro do ano passado, a cantora deu entrevista ao programa "Mais Você", da Globo, e falou sobre sua relação com Susana. Na ocasião, Calcanhoto falou, ainda, sobre a luta de sua companheira contra o câncer. "São 25 anos. Dou muita força a ela diariamente."

Susana durante novela 'Verão vermelho'  (Foto:  TV Globo)
Susana durante novela 'Verão vermelho'
(Foto: Divulgação/TV Globo)

Carreira de Susana


Como atriz, Susana participou de produções exibidas pela Globo, como 'Véu de noiva" em 1969, escrita por Janete Clair e dirigida por Daniel Filho, e "Assim na Terra como no Céu" de 1970, de Dias Gomes. Sua último trabalho atuando foi no drama "Perfume de gardênia", dirigido por Guilherme de Almeida Prado, em 1992.

Como diretora, Susana trabalhou nos shows "Adriana Partimpim - Ao Vivo" e "Adriana Calcanhoto - Público". Também produziu o documentário "Vinícius de Moraes - Quem pagará o enterro e as flores se eu me morrer de amores."

Fonte: Ego, por Aline Pollilo, 27/01/2015

Charlatanismo evangélico promove curso de "cura gay" em Brasília

terça-feira, 27 de janeiro de 2015 0 comentários


Curso sobre suposta "cura gay" reabre polêmica na capital federal

Dois evangélicos promovem um curso para "tratar aqueles que desejam voltar ao padrão de Deus". Após denúncias, foram intimados a dar explicações ao Ministério Público do DF, que não viu ato ilícito. Lideranças gays protestam.

O cartaz não poderia ser mais claro. Em letras legíveis, estampa: “Homossexualismo: ajudando, biblicamente, a prevenir e tratar aqueles que desejam voltar ao padrão de Deus para sua sexualidade”. Trata-se da divulgação de um curso promovido pela Sociedade de Estudos Bíblicos Interdisciplinares e ministrado pelo pastor Airton Williams e o especialista em políticas públicas Claudemiro Soares, autor de um livro sobre o assunto, Homossexualidade masculina: escolha ou destino?, em que relata como é possível a mudança da orientação sexual.

O convite levou a uma denúncia no Disque 100, canal da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República. Em uma rede social, o deputado federal Jean Wyllys assumiu a autoria de uma das reclamações por meio de mensagem publicada em uma rede social. Os protestos contra a promoção da chamada “cura gay” chegaram ao promotor e coordenador do Núcleo de Enfrentamento à Discriminação do Ministério Público do DF e Territórios, Thiago Pierobon. Intimados a depor, os evangélicos Airton e Claudemiro alegaram que o curso é voltado para líderes de igrejas que encontram dificuldades em abordar o tema com os fiéis. Nele, os religiosos aprendem como lidar com seguidores homoafetivos. Eles garantiram que não existe discriminação nas palestras e que todos são orientados a acolher os homossexuais. Convenceram o promotor, mas não os representantes de grupos LGBT.
Há discriminação nesse curso, sim. O Ministério Público do DF deveria abrir um processo. Prometer cura é charlatanismo. Isso está no Código Civil. Não se cura heterossexual, portanto, não se cura homossexual. É uma inversão dos valores. Deveria haver uma investigação mais profunda sobre o conteúdo desse curso, quais as ligações com os setores conservadores da sociedade. Esse pessoal está indo de encontro com a comunidade científica. Há muito tempo já se sabe que não se trata de uma patologia e, portanto, não há cura. Esse curso está formando multiplicadores dessa ideia”, revolta-se Evaldo Amorim, diretor do Elos LGBT. Jacinta Fonte, coordenadora do grupo de pais e mães LGBT do Elos, reforça: “Discordo totalmente de não haver processo. Repudio quem acha que homossexuais precisam de algum tipo de terapia, não admito.”
Para o promotor Thiago Pierobon, não existe violação no curso, já que não há provas de discriminação ou de violação aos direitos humanos e que o Estado não tem o direito de interferir em cultos ou discussões religiosas. Oficialmente, o MPDFT alegou que “não é possível proibir as pessoas de, no âmbito de sua liberdade de religião, discutirem temas ligados à sua concepção de correção dos comportamentos sexuais nem de proibi-las de conversarem com pessoas sobre tais temas. Se a abordagem a uma pessoa ocorrer com constrangimento ou exposição ao ridículo, certamente haverá a discriminação, ato ilícito não tolerado pelo Estado”.

O pastor Airton Williams disse ao Correio que o curso é um aconselhamento bíblico que aborda o “homossexualismo” de acordo com os ensinamentos de Deus. Ele acrescentou que ninguém é constrangido a participar dele ou dos aconselhamentos.
Acolhemos e ajudamos os homossexuais que chegam até nós afirmando que estão cansados dessa vida”, detalhou.
Fonte: Correio Braziliense, 24/01/20156

Surf camp para lesbianas em Florianópolis

segunda-feira, 26 de janeiro de 2015 0 comentários


Surf camp para lésbicas                                         Florianópolis (SC) recebe primeiro surf camp exclusivo para lésbicas em maio.

A empresa de viagens Brazil Ecojourneys está organizando um surf camp exclusivo para surfistas lésbicas em maio deste ano, em Florianópolis (SC). A iniciativa inovadora é criada por Marta Dalla Chiesa, 48, sócio-diretora da Brazil Ecojourneys, que já organizou dois surf camps voltados para o público LGBT em Floripa. Este ano, a experiência será só para mulheres.

Marta, que comanda a empresa há 11 anos, afirma que a intenção do camp é fazer as mulheres se sentirem à vontade e longe dos estereótipos.
Há uma imagem sexista de que tem que ser gatinha para surfar, isso incomoda muitas mulheres, principalmente as profissionais”. Surfista iniciante, a diretora diz que sempre foi bem recebida no line-up, mas nota que não há tantas mulheres quanto homens na água.
O surf camp voltado para o público LGBT nasceu de uma parceria de Marta com Thomas Castets, fundador do site gaysurfers.net, que descobriu que outros surfistas gays queriam marcar uma trip juntos. "Criei o site em 2010 para encontrar um ou outro surfista gay. Acabei encontrando 5 mil”, diz Castets. Ele também produziu o filme Out In The Line-Up, que retrata a jornada de dois surfistas que saem das sombras para criar uma cultura de aceitação no surf. O documentário mostra ainda que surfistas homossexuais que competem profissionalmente têm de se assumir apenas após as competições, pois podem ter a imagem prejudicada. Parte da renda dos dois primeiros surf camps organizados pela Brazil Ecojourneys foi revertida para a produção de Out In The Line-Up.

Em 2015 é a terceira vez que o camp será realizado, desta vez exclusivo para lésbicas e amigas mulheres, de todos os países. Destinado a todos os níveis de atletas, o camp oferece aulas de surf e ioga, com cinco dias de surf pelos melhores picos de Santa Catarina, com chegada na praia do Rosa no dia 9 de maio e saída no dia 16. O custo da trip é de 1300 a 1800 dólares. (Contate aqui os organizadores para saber como se inscrever).

Experiência

A canadense Tanya Churchmuch, 45, participou do surf camp LGBT há dois anos e afirma ter tido uma experiência brilhante.
Era só minha segunda vez surfando, mas já tinha me apaixonado pelo esporte. Sou do leste do Canadá, então o surf não faz parte da nossa cultura. É algo que sempre quis tentar, mas nunca soube onde ou quando poderia. Fiz algumas aulas e me apaixonei pelo esporte”, declara.
O clima de camaradagem no camp em Floripa fez com que Tanya se sentisse à vontade para praticar o surf.
Fazer parte de um grupo de gays e lésbicas que são todos iniciantes facilitou para que nos déssemos bem. Os professores eram bem pacientes, o que eu precisava.”
Tanya diz que sempre foi intimidada por ser uma lésbica de meia-idade aprendendo a surfar, mas sabe que no mar, há espaço para todos.
Sempre que estive em locais de surf apenas para curtir e assistir, o ambiente era machista, não muito convidativo. Até quando estávamos no camp havia caras tentando nos rabear, mas nossos professores conversaram com eles e garantiram que também haveria espaço para nós”, conclui.
Florianópolis

Um censo divulgado pelo IBGE em 2010 revelou que a capital catarinense possui a maior concentração de gays no Brasil, com 0,11% de sua população de 418 mil habitantes declarada homossexual. Conhecida pela boa aceitação do público em geral e um índice de violência homofóbica praticamente nulo, o lugar é destino certo da trip feminina. “O crowd é receptivo e a cidade é muito amigável”, finaliza Marta Dalla Chiesa.

Fonte: Waves, por Lucas Alves, 23/01/2015

Dona de restaurante terá que pagar R$ 20 mil por repreender beijo de namorados

sexta-feira, 23 de janeiro de 2015 0 comentários


Dona de restaurante terá que pagar R$ 20 mil após repreender beijo gay

Decisão foi divulgada pelo Tribunal de Justiça de São Paulo.
Mulher alegou que não teve a intenção de ofender os namorados.


A dona de um restaurante localizado na Baixada Santista foi condenada pelo Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP) a pagar R$ 20 mil de indenização por discriminar um casal gay.

De acordo com os autos, os dois namorados trocavam um beijo rápido enquanto almoçavam quando foram repreendidos pela proprietária, na frente de outros clientes.

A decisão foi divulgada nesta quarta-feira (21) pelo TJSP. A cidade onde o caso ocorreu não foi especificada. Cada um dos rapazes receberá a quantia de R$ 10 mil.

Testemunhas disseram que a proprietária teria se sentido incomodada com a orientação sexual do casal e não com o beijo em si.

Em sua defesa, a mulher alegou que não teve a intenção de ofender os namorados. Eles, entretanto, se sentiram ofendidos pela reação supostamente homofóbica da dona do restaurante.

Em primeira instância, a reparação por danos morais foi rejeitada, mas a sentença a favor do casal foi determinada pela 9ª Câmara de Direito Privado do TJSP, que, por maioria de votos, condenou a proprietária do estabelecimento.

Nos autos, o relator Alexandre Bucci justifica que a abordagem discriminatória, feita de maneira discreta ou não, por si só fere a dignidade e a honra do ofendido.
Impossível não rotular como ofensiva e preconceituosa a postura adotada pela ré diante da simples orientação sexual do casal, em claro desrespeito ao princípio constitucional da dignidade da pessoa humana, fazendo jus, portanto, à reparação por dano moral”, afirmou.

Fonte: G1, 22/01/2015

Adolescente de cidade goiana terá de prestar serviço comunitário por ter agredido colega lésbica

quinta-feira, 22 de janeiro de 2015 0 comentários

Juiz Paulo Afonso de Amorim Filho, o autor da sentença

Homofobia: adolescente terá de prestar serviço comunitário por ter agredido colega de escola

Uma adolescente da cidade de Bela Vista foi condenada por agredir, dentro de sala de aula, uma colega de classe. Segundo a denúncia, a vítima é lésbica e sofria constantes ameaças da agressora. De acordo com a sentença do juiz da comarca, Paulo Afonso de Amorim Filho, a acusada deverá prestar serviço comunitário por seis meses numa entidade social local.

A mãe e o avô da garota infratora também participaram da agressão – o processo quanto a eles foi desmembrado e segue na esfera criminal. O motivo da briga foi homofobia e intolerância, conforme relatado na delegacia: a própria agressora teria espalhado boatos que recebia empreitadas românticas por parte da vítima, com intuito de ridicularizá-la.

Os responsáveis pela adolescente agressora foram à escola para, então, tirar satisfações e acabaram partindo para a agressão física contra a menina homossexual. Testemunhas e o Boletim de Ocorrência Policial atestaram a materialidade da infração penal – a professora, inclusive, depôs que tentou apartar a briga, “mas acabou sendo atingida na cabeça”.

Como a jovem envolvida tem, apenas, 14 anos, as medidas cabíveis podem ser socioeducativas, conforme explicou o magistrado, com base no artigo 112 do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA). A prestação de serviços será cumprida na Casa das Irmãs Franciscanas, também em Bela Vista.

Fonte: Diário da Manhã, 20/01/2015 Texto: Lilian Cury – Centro de Comunicação Social do TJGO

Em Babilônia, próxima novela das 21:00 na Globo, Nathalia Timberg diz que viverá um casal normal com Fernanda Montenegro

quarta-feira, 21 de janeiro de 2015 0 comentários


Nathalia Timberg sobre casal gay: ‘Elas não vivem se agarrando!'

Nathalia Timberg já começou a rodar suas cenas em “Babilônia”, a próxima novela das 21h (estreia em 23 de março), em que formará um casal com Fernanda Montenegro. Intérprete de Estela, a atriz procura aliviar a polêmica em torno da relação homossexual que vai viver na TV. “Queremos que seja um casal normal”, diz. Ela conversou com a coluna.

Provavelmente a senhora vai ouvir milhões de vezes a pergunta: ‘Vai ter beijo gay?’ Está preparada para isso?

Mas que coisa! Elas não vivem se agarrando! Estamos falando de um casal que está junto há 40 anos... Não estou preocupada se vamos nos beijar ou não, quero dar a carga humana certa a essa personagem. 

Como o romance será mostrado?

Eu acho que cabe a nós, que lidamos com comunicação, tirar o foco do escândalo, sabe? Como isso vai se desenvolver está na mão dos autores. A abordagem precisa mudar. Queremos que, independentemente da opção sexual, elas sejam um casal normal.

Mas como será esse casal?

Vai ser um casal gay bem diferente. Há 40 anos elas assumiram as suas opções. É muita coragem! Imagina? Hoje, as relações estão muito banalizadas, estamos perdendo os nossos valores. Vivemos um dos piores momentos da humanidade. Veja o que aconteceu na França! (sobre o massacre na redação do jornal satírico “Charlie Hebdo”).

Fonte: Gente Boa, O Globo, 18/01/2014

Fernanda Montenegro e Nathalia Timberg irão interpretar casal homossexual na próxima novela
"Faz parte da sociedade (...) esse assunto não vai mais deixar de existir assim como o amor heterossexual" disse Fernanda Montegro sobre o papel

As veteranas Fernanda Montenegro e Nathalia Timberg voltam ás telinhas na próxima novela das nove da Globo com papéis polêmicos. As atrizes irão interpretar um casal lésbico que após 40 anos de união decidem se casar.

O novo galã da TV Globo, que chamou atenção de um número expressivo de fãs após sua aparição em alguns capítulos da novela Império, Chay Suede irá interpretar um rapaz da Zona Sul do Rio, filho do casal gay interpretado por Nathalia Timberg Fernanda Montenegro.

Questionada pelo site EGO sobre a possibilidade de beijo gay, Nathalia Timberg afirma “Apesar de muito banalizado e vulgarizado, o amor é uma coisa bonita (...) Nosso objetivo é mostrar para as pessoas o lado humano do amor e não esse amor de agora onde as pessoas resolveram levar suas camas para os jornais” conclui a atriz em entrevista durante evento no Rio.

Já a atriz Fernanda Montegro, também se posicionou a favor da temática "Todas as novelas estão com essa temática. Faz parte da sociedade, do ser humano. Foi um ganho. Penso que esse assunto nao vai mais deixar de existir assim,como o amor heterossexual", afirmou.

Escrita por Gilberto Braga, Ricardo Linhares e João Ximenes Braga, Babilônia tem direção geral e de núcleo de Dennis Carvalho e direção geral de Maria de Médicis. A estreia está prevista para março de 2015.

Fonte: Ego, 14/01/05

 
Um Outro Olhar © 2011 | Designed by RumahDijual, in collaboration with Online Casino, Uncharted 3 and MW3 Forum