Saúde lesbiana: pesquisadora busca colaboradoras pra sua pesquisa sobre câncer entre lésbicas

quinta-feira, 16 de setembro de 2021 0 comentários


A psicóloga e doutoranda Carolina de Souza está em busca de colaboradoras que possuam as seguintes características e vivências: ter idade igual a 18 anos ou mais, ter tido diagnóstico de câncer de mama ou câncer ginecológico (ovário, útero, endométrio, vulva ou vagina) e se autoidentificar como uma mulher lésbica ou ser uma mulher que se relaciona afetivamente (ou que já se relacionou) com outra mulher para participar de sua pesquisa intitulada "Itinerário terapêutico de mulheres lésbicas com câncer ginecológico na perspectiva de gênero".

Essa pesquisa, que já foi aprovada pelo Comitê de Ética da faculdade, é orientada pelo Professor Dr. Manoel Antônio dos Santos e está vinculada ao programa de pós-graduação em psicologia da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo (FFCLRP-USP). O objetivo do trabalho é compreender as vivências de mulheres lésbicas que tiveram ou tenham algum tipo de câncer ginecológico ou câncer de mama em seus itinerários terapêuticos de busca por serviços de saúde e no curso do tratamento.

Espera-se que, após a conclusão deste estudo, a pesquisa possa contribuir para que os/as profissionais de saúde compreendam melhor as necessidades das mulheres diagnosticadas com cânceres ginecológicos, sobretudo os aspectos relacionados à diversidade sexual, o que pode potencializar a melhoria no atendimento e, consequentemente, maior adesão ao tratamento. A participação no estudo é voluntária e, portanto, a participante não é obrigada a fornecer as informações e/ou colaborar com as atividades solicitadas pela pesquisadora. Caso decida não participar do estudo, ou resolver a qualquer momento sair do mesmo, não haverá nenhum problema. Todos os resultados obtidos serão usados para fins científicos a respeito da temática evidenciada, resguardando sempre o sigilo com os dados das colaboradoras.

A pesquisadora estará a sua disposição para qualquer esclarecimento que considere necessário em qualquer etapa da pesquisa através do e-mail e do telefone/WhatsApp disponibilizados abaixo. Sendo do interesse da participante, é possível agendar uma devolutiva sobre a pesquisa durante ou após o término da mesma. Se você está dentro dos requisitos e se interessa em participar ou conhece alguém que possa se interessar, por favor, entre em contato com a pesquisadora ou divulgue essa pesquisa em seus grupos.

E-mail: carolina2.souza@usp.br Telefone/WhatsApp: (16) 991752525


Cantora sertaneja Paula Mattos revela ser casada há 9 anos com outra mulher e o alívio de se assumir

quarta-feira, 15 de setembro de 2021 0 comentários

Paula Mattos dedicou a música "Não Esfriou" à companheira de 9 anos. Imagem: Elektra


Casada com Camilla Boleli, sua empresária artística há nove anos, a cantora sertaneja e compositora Paula Mattos só revelou sua orientação sexual recentemente, inspirada pela participação de Pabllo Vittar no extinto "Caldeirão do Huck".

Estava gravando um clipe sobre diversidade, e não faz sentido mais uma vez gravar algo sobre diversidade e não falar de mim", diz.

Hoje deveria ser normal isso. Ninguém fala 'eu sou hetero'. Ninguém deveria perder a credibilidade por isso. Fora que tira um peso enorme, faz mal e também pode ajudar outras pessoas"
Paula Mattos e Camilla Boleli

Na conversa com Zeca Camargo durante o programa "Brasil com Zeca" (ver abaixo), Paula também falou sobre sua terra Natal.
O som do Mato Grosso do Sul é o sertanejo e a galera gosta de tomar tereré (bebida feita com a infusão da erva-mate em água fria com ervas medicinais) porque é muito quente aqui", disse na entrevista bate-volta que iniciou o programa.
Da sua maior lembrança da infância ("quando ia para a chácara da minha avó, que me esperava com bolinho no forno") à vida no campo ("apesar de vestir preto nos shows, sou mais do campo, cresci fazendo churrasco ouvindo muita música raiz, à beira do fogão à lenha"), Paula cresceu num meio muito musical. O primeiro violão foi dado pelo pai.

Ah vai ter aniversário... Algum tio ia tocar. Eu ficava admirada e com 7 anos pedi um violão para ele que me deu o de brinquedo primeiro, mas pedi o de verdade"

Ela começou a tocar na raça, de forma 100% autodidata, sem tomar aulas. O início foi ao lado da dupla Thaeme & Thiago, em barzinhos de Campo Grande.
Tinha também outras cidades perto, estava compondo muito com uma parceira minha, e a gente arrepiava de compor, virava a noite criando. Eu, ela e Thiago fizemos 13 músicas."
Dos pratos típicos que ela mais gosta, sobá e arroz carreteiro (a sobra do churrasco). Dos artistas locais, Michel Teló, Luan Santana e Patricia Adriana. Das cantoras, Paula Fernandes, Pink e Ivete Sangalo.

São cinco anos fazendo shows pelo Brasil, entre tantas lutas e muita força de vontade para se situar na vida. Em todos os quesitos.
Pratos do dia

No episódio que Zeca Camargo entrevistou Paula Mattos, o apresentador fez uma viagem aos sabores da terra natal da cantora.

Com a chef Magda Moraes ele aprendei a fazer um estrogonofe de carne de sol com mandioca palha — em substituição à tradicional batata.

Para coroar a receita, Leandro Santos, consultor etílico do programa, criou o drinque "Sofrência", feito à base de rum, licor de laranja e água de coco.



Segundo a revista Veja, Adriana Calcanhotto e Maitê Proença estão namorando

segunda-feira, 13 de setembro de 2021 0 comentários

Adriana Calcanhotto e Maitê Proença estão juntas, segundo a Veja
Repercutiu bastante a nota de Cleo Guimarães, na Veja desta semana, intitulada Novos Encontros pela Vida (ver abaixo), onde revela que a atriz Maitê Proença e a cantora Adriana Calcanhotto vêm circulando juntas em muitos lugares, numa relação de admiração mútua que vai além da amizade pura e simples.

Outros sites replicaram a notícia acrescentando informações sobre as duas artistas. Embora não tenham querido comentar a nota, em seus perfis no Instagram ambas levam a crer que o boato tem fundo de verdade. A Folha publicou o seguinte artigo (editado):

Uma união conhecida dos mais íntimos

"A atriz Maitê Proença, 63, estaria namorando a cantora Adriana Calcanhotto, 55. A informação é da revista Veja. Procuradas, ambas, por meio de suas assessorias, disseram que não comentam sobre vida pessoal.

Segundo a publicação, uma fonte afirma que ambas têm sido vistas juntas em reuniões, jantares e em pequenos encontros na casa de amigos em comum. A mesma fonte disse à revista que a união delas já não é segredo para os mais íntimos.

Adriana Calcanhotto foi casada por 26 anos com a cineasta Suzana de Moraes, que morreu em 2015 por conta de um câncer. Já Maitê já teve relacionamentos com nomes como Paulo Marinho, com quem teve a filha Maria, o cineasta Edgar Moura e o assessor de imprensa Rodrigo Paiva.

Durante a pandemia, Calcanhotto resolveu ficar no Brasil e aproveitou para compor novas canções. Acabou gravando então seu 13º álbum, “Só”, em maio de 2020.

“Só”, álbum de Calcanhotto de maio de 2020

Em junho de 2021, Maitê enfrentou, pela segunda vez, a contaminação pela Covid-19. A artista já teve a doença em abril do ano passado, mas na época preferiu manter a situação em segredo por medo da reação de sua filha, que estava grávida de sua primeira neta. A atriz comentou:
Tenho a sorte de ter bons médicos e dinheiro para as tomografias de tórax, de face, exames de sangue, idas ao hospital onde fui bem atendida. Tudo que se faz necessário e que a maioria da população paga para ter com impostos altos em tudo que consome, e nessa hora de imensa vulnerabilidade, não tem”. 
Na época, ela lamentou não ter podido ir às ruas contra o governo Bolsonaro.
Fico bem só. Estudo, leio, ouço música, invento coisas. Sinto desespero de não podermos ir para as ruas derrubar este governo, não entendo como isso chegou ao ponto fisiológico de desmonte que temos assistido dia a dia”, enfatizou."

Clipping Maitê Proença vive romance com Adriana Calcanhotto, diz revista, FSP, 10/09/2021

Assembleia Legislativa de MG aprova multa para estabelecimentos que discriminem por orientação sexual e identidade de gênero

sexta-feira, 10 de setembro de 2021 0 comentários


Projeto de lei atualiza a Lei estadual de 2002, que determina punições a instituições que descriminem o público LGBTQIA+, segue para o governador Romeu Zema

Os estabelecimentos que discriminarem as pessoas devido à orientação sexual ou questões de gênero serão multados em até R$ 45 mil. Foi aprovado em segundo turno na Assembleia Legislativa de Minas Gerais, na sexta-feira (03/09), o projeto de lei que determina punições aos estabelecimentos que pratiquem atos de discriminação baseados na orientação sexual.

O projeto passa abarcar também a discriminação por identidade de gênero ou expressão de gênero. O estabelecimento que agir de forma discriminatória poderá receber advertência, ter seu funcionamento suspenso ou interditado e será aplicada multa de R$850 a R$45 mil. Outro desafio é que a legislação seja aplicada.
 "Que seja uma lembrança para as nossas instituições, cuja obrigação é aplicá-las, de que a legislação existe. Que também seja uma forma de divulgar para a população de forma geral", afirma o pesquisador Thiago Coacci.
A população de gays, lésbicas enfrenta desafios no dia a dia, como exclusão social, dificuldade de conseguir emprego, violência física e psicológica e, por vezes, impedimentos de frequentar estabelecimentos apenas por preconceito de donos e funcionários.
O projeto atualiza uma lei de 2002, com o objetivo de fortalecer a luta contra a homofobia, pelos direitos e respeito às pessoas LGBTQIA+ no ambiente de trabalho. Com sua aprovação, Minas Gerais diz não à intolerância, à homofobia, à violência e diz sim à liberdade e aos direitos humanos”, escreve o autor do projeto, deputado André Quintão (PT).
Segundo o relatório anual, feito pelo Grupo Gay da Bahia, em 2019, Minas está entre os 10 estados que mais matam pessoas LGBT. Sendo assim, o projeto de lei aprovado pela Assembleia Legislativa vem como reconhecimento do problema e um avanço no combate à violência e ao preconceito.

Além de ações na Assembleia Legislativa, no setor do turismo, a capital mineira tem feito investimentos voltados para o público LGBT, recebendo, por exemplo,  o evento “Turismo das Cores”, com o objetivo de promover o debate sobre respeito, inclusão, igualdade e militância. Além disso, Belo Horizonte é a segunda capital brasileira com mais bares LGBT.

Em Echaporã (SP), regente de banda tem filha com companheira graças a sêmen do irmão

quarta-feira, 8 de setembro de 2021 0 comentários

Vitória (à esquerda) e Nívea (à direita) com a filha Aurora — Foto: Nívea dos Santos/ Divulgação

Nívea dos Santos e sua companheira, Vitória Balmant, de Echaporã (SP), conseguiram se tornar mães com a doação de sêmen do seu irmão, Artur dos Santos. Após a inseminação, nasceu a pequena Aurora de 10 meses e a ligação entre os irmãos se tornou ainda mais forte.

A relação da regente da banda municipal de Echaporã (SP), Nívea dos Santos, de 41 anos, e do seu irmão, Artur Henrique dos Santos, de 21 anos, sempre foi muito forte e se tornou ainda mais especial depois que um gesto do caçula mudou a vida da funcionária pública e da sua companheira, Vitória Balmant, de 26 anos.

O casal de mulheres sonhava em ter um filho, mas ao pesquisar os métodos de inseminação artificial, viram que não teriam condições de arcar com os custos que eram muito altos.

Nívea conta que Vitória começou a fazer ainda mais pesquisas e encontrou o método de inseminação caseira. O procedimento ainda não é regulamentado pelo Ministério da Saúde e nem aconselhado pela Anvisa, mas mesmo assim, o casal decidiu tentar. (Veja nota dos órgãos abaixo)

Durante uma conversa com a companheira, a funcionária pública recorda que mencionou que gostaria que a doação de sêmen fosse feita por um parente, para que o bebê também tivesse seus traços e logo a ideia do irmão ser um doador foi cogitada. Ao receber o pedido, Artur aceitou o convite prontamente.
“Conversamos e eu disse que queria um doador próximo, alguém da minha família, porque eu queria que o bebê tivesse traços meus também e o Artur é muito parecido comigo fisicamente. Então, pensei que poderia ser ele. Quando falei com ele, ele respondeu sem pestanejar: ‘Claro, Tata’ e aceitou. Eu falo que ele é meu filho mais velho, somos muitos próximos. Ele até hoje me chama de Tata.”
O gesto do irmão foi motivo de muita alegria para o casal e a inseminação foi um sucesso. A pequena Aurora Balmant Santos nasceu em 13 de outubro do ano passado e hoje já tem 10 meses de vida. A mãe conta que sua filha e o tio tem uma relação de muita proximidade e afeto.

Ele é um super tio, a gente ensina ela a chamar ele de Tito e ela está quase aprendendo. Ele fica todo emocionado. Eles se veem praticamente todo dia. Moramos próximos. Ela não pode ver ele que ela gruda no cabelo dele, ela adora e ele deixa”, conta rindo.

Nívea conta que Artur aceitou imediatamente o pedido dela e da sua companheira, Vitória,
para que ele fosse o doador de sêmen — Foto: Nívea dos Santos/ Arquivo pessoal

Cumplicidade e união

Os tabus envolvendo o procedimento de inseminação artificial, que são muito comuns devido à falta de conhecimento sobre o tema, também foram pauta na família dos irmãos.

Já que muitos associam a ação do doador a um vínculo paternal. No entanto, na família Santos, os papéis de mães e tio foram muito bem definidos desde o início da decisão de Nívea e Vitória de terem um filho e da aceitação do convite de participar desse sonho por parte do Artur.
Uma vez a minha mãe, que é uma mulher muito simples, perguntou se o Artur seria o pai biológico da nossa filha. E ele rapidamente respondeu que não, que era tio, o doador. E que a Aurora tinha duas mães e era a menina mais sortuda do mundo por isso”, relembra a funcionária pública.
A facilidade em entender um ao outro e o apoio incondicional sempre foram parte do vínculo que une os irmãos de Echaporã. Nívea relata que desde que era uma criança, Artur estava sempre tentando demonstrar a sua admiração pela irmã mais velha e até seguiu alguns dos seus passos na música. Ele é estudante de engenharia elétrica, mas também toca sax.
O Arthur é aquele irmão que é fã, sabe? Ele não perdia uma peça de teatro minha, estava sempre na mesma fileira, ele levava os amiguinhos quando tinha cerca de 5 ou 6 anos pra ver minhas peças de teatro e levava eles no camarim. Nunca perdeu uma apresentação da banda. E hoje ele toca sax por causa de mim e além de irmão, é meu aluno.”
Cumplicidade, respeito, união e admiração mútua são apenas algumas das características que tornam a relação construída entre esses irmãos tão especial e remontam a importância de ambos saberem que não importa o que aconteça, eles sempre terão com quem contar.
A nossa relação é baseada em respeito, amor incondicional, companheirismo e orgulho um do outro, a gente se define nisso. O Artur e eu não precisamos nem verbalizar para entender um ao outro. Nós nos entendemos pelo olhar. Ele fala que tem orgulho de mim e eu que morro de orgulho dele, que é um menino de ouro que estuda, trabalha. Só me dá orgulho”, diz Nívea.
Nívea (à esquerda) e Vitória (à direita) com Aurora, filha do casal, que já tem 10 meses de vida — Foto: Nívea dos Santos/ Arquivo pessoal

Inseminação caseira


Consultado, o Ministério da Saúde informou que não dispõe de regulamentação para este procedimento, mas ressalta que SUS disponibiliza, em alguns de seus serviços, a reprodução humana assistida, incluindo a fertilização in vitro.

Já a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), informou, em nota, que não aprova tal procedimento e alerta que, por ser feito em ambientes domésticos e sem assistência de um profissional de saúde, oferece riscos que incluem a transmissão de doenças como hepatite, sífilis, HIV, entre outros.

A Anvisa ressalta ainda que, como são atividades feitas fora de um serviço de saúde e o sêmen utilizado não provém de um banco de espermas, as vigilâncias sanitárias e a Anvisa não têm poder de fiscalização.

De acordo com a Anvisa, apesar de ser uma escolha individual e não regulada, é importante que as pessoas que estão cogitando esse tipo de procedimento para engravidar avaliem o risco e conversem com um profissional médico especializado em reprodução humana.

No Brasil, todo tipo de comercialização de material biológico humano de acordo com o artigo 199 da Constituição Federal de 1988 é proibido.

Toda doação de substâncias ou partes do corpo humano, tais como sangue, órgãos, tecidos, assim como o esperma, deve ser realizada de forma voluntária e altruísta.

Milhares participam de manifestação a favor do casamento igualitário em Zurique (Suíça)

segunda-feira, 6 de setembro de 2021 0 comentários

Milhares de pessoas participaram de manifestação a favor o casamento igualitário - AFP

Milhares de pessoas se manifestaram em Zurique neste sábado (4) exigindo veementemente a aprovação do “casamento para todos”, tema de um referendo nacional na Suíça em 26 de setembro.

Sob um sol escaldante e com bandeiras arco-íris estampadas com um “Ja” (sim) ao casamento igualitário, os participantes – 20 mil de acordo com os organizadores – responderam à convocação de mais de 70 organizações voltadas aos direitos de lésbicas, gays, bissexuais, entre outros, verificou um fotógrafo da AFP.

"Sim" para o casamento igualitário

A Parada do Orgulho de Zurique costuma ser realizada em junho, mas este ano foi adiada para setembro devido à pandemia de covid-19.

Segundo uma pesquisa publicada em 20 de agosto, a maioria dos suíços (69%) é a favor do casamento para todos.

Depois de vários anos de tramitação, o parlamento aprovou em dezembro um projeto de lei que autoriza o casamento de casais do mesmo sexo. Porém, círculos conservadores imediatamente anunciaram que lançariam um referendo, o que é possível pelo sistema suíço de democracia direta.

O governo e o parlamento pediram apoio ao casamento para todos, a fim de eliminar a “desigualdade de tratamento que existe hoje” entre casais hétero e homossexuais.

Se o povo suíço aprovar, os casais do mesmo sexo terão acesso ao casamento civil.

 
Um Outro Olhar © 2021 | Designed by RumahDijual, in collaboration with Online Casino, Uncharted 3 and MW3 Forum