Lésbicas, gays e bissexuais: 6 vezes mais chance de cometer suicídio

quarta-feira, 17 de novembro de 2021 0 comentários

Lésbicas, gays e bissexuais são mais vulneráveis a pôr a própria vida em risco - iStock

O público formado por lésbicas, gays e bissexuais tem seis vezes mais chance de cometer suicídio, de acordo com a revista científica americana Pediatrics, que ainda afirma: o risco de suicídio é 21,5% maior quando esse público convive em ambientes hostis à sua orientação sexual .

Instituto Nacional de Saúde Mental (NIMH) conduz ampla pesquisa sobre a questão

O risco de suicídio entre lésbicas, gays e bissexuais adultos varia bastante, conforme a relação entre a identidade sexual e outros aspectos, como sexo, idade e raça/etnia, de acordo com um estudo conduzido por pesquisadores do Instituto Nacional de Saúde Mental (NIMH). O trabalho analisou dados de uma pesquisa de abrangência nacional com adultos dos Estados Unidos e revelou que adultos lésbicas, gays e bissexuais tiveram maior propensão a relatar pensamentos, planos e tentativas de suicídio nos últimos 12 meses em comparação com adultos heterossexuais.

Tais constatações foram publicadas no American Journal of Preventive Medicine, e apontam que a intersecção de múltiplas identidades sociais pode aumentar o risco de suicídio para alguns indivíduos lésbicas, gays e bissexuais.

Conforme declarou Rajeev Ramchand, PhD, consultor sênior em epidemiologia e prevenção de suicídio no NIMH e principal autor do estudo, os achados demonstram a importância de perguntar sobre a identidade sexual durante a coleta de dados em nível nacional e destacam a necessidade urgente de serviços de prevenção do suicídio relacionados às experiências e necessidades específicas de lésbicas, gays e adultos bissexuais de diferentes idades e raças e grupos étnicos.

Quando examinados como um grupo, adultos que se identificam como lésbicas, gays ou bissexuais têm taxas mais altas de pensamentos suicidas e tentativas em relação aos adultos heterossexuais, segundo mostraram pesquisas feitas anteriormente. No entanto, poucos estudos investigaram a variação dentro desse grupo no risco de suicídio.

Múltiplos fatores estão envolvidos no risco de suicídio

A hipótese formulada pela equipe de pesquisa foi a de que o risco de suicídio pode variar, e muito, conforme a identidade sexual, sexo, idade ou raça/etnia de uma pessoa. Para testar essa hipótese, os pesquisadores analisaram dados da Pesquisa Nacional de Uso de Drogas e Saúde (NSDUH), um estudo em nível nacional com civis adultos nos Estados Unidos.

Os pesquisadores examinaram dados de 2015, quando o estudo introduziu pela primeira vez questões sobre identidade sexual, até 2019. Os dados resultantes somaram um total de 191.954 participantes, 14.693 dos quais identificados como lésbicas, gays ou bissexuais.

Durante a pesquisa, os participantes declararam sua identidade sexual (heterossexual, lésbica ou gay, bissexual ou “não sei”) e se tiveram pensamentos suicidas, planos de suicídio ou tentativas de suicídio em algum momento nos últimos 12 meses. Esses dados foram examinados em relação a certas características individuais, como idade (18-24, 25-34, 35-64), raça/etnia (branca, negra, hispânica, outra raça/multirracial) e gsexo (homem, mulher). Também foram consideradas certas características sociodemográficas, como nível de escolaridade e situação de emprego.

Os dados da NSDUH, segundo pesquisas anteriores, mostraram que as taxas de todos os três comportamentos relacionados ao suicídio – pensamentos, planos e tentativas – eram geralmente mais altas entre lésbicas, gays e adultos bissexuais do que entre adultos heterossexuais. Depois de incluírem fatores demográficos, descobriu-se que o risco de suicídio era de três a seis vezes maior para lésbicas, gays e adultos bissexuais do que para adultos heterossexuais, em todas as faixas etárias e categorias de raça/etnia.

Entre os homens gays e bissexuais, 12% a 17% pensaram em tirar suas vidas no ano anterior, 5% haviam traçado um plano de suicídio e cerca de 2% haviam feito uma tentativa de suicídio. Entre mulheres lésbicas e mulheress, 11% a 20% tiveram pensamentos suicidas, 7% esboçaram um plano de suicídio e cerca de 3% fizeram uma tentativa de suicídio.

As informações não mostraram diferenças no risco de suicídio de acordo com a raça/etnia, entre homens gays e bissexuais. No entanto, entre as mulheres lésbicas e bissexuais, os dados indicaram que as afrodescendentes tinham menor risco de pensamentos e planos suicidas em relação às mulheres brancas.

Analisando a intersecção específica entre a identidade sexual minoritária e raça/etnia, os pesquisadores descobriram que as mulheres brancas e negras que se identificaram como bissexuais eram mais propensas a relatar pensamentos suicidas em relação às mulheres brancas e negras que se identificaram como lésbicas.

Considerando a intersecção entre identidade sexual minoritária e idade, descobriu-se que os pensamentos suicidas também eram relativamente maiores entre mulheres bissexuais no grupo de 35-64 anos, em comparação com mulheres lésbicas na mesma faixa etária.



Um grupo não uniforme em relação ao risco de suicídio

De acordo com os pesquisadores, os dados do NSDUH têm limitações, com poucas opções para os participantes relatarem seu sexo, identidade sexual e raça/etnia. Também foi colocado que os dados da NSDUH são observacionais e não fornecem evidências de qualquer efeito causal da identidade em pensamentos e comportamentos suicidas.

Juntos, esses resultados mostram claramente que lésbicas, gays e adultos bissexuais não constituem um grupo uniforme quando se trata de risco de suicídio. Em vez disso, o risco de suicídio varia consideravelmente dependendo da intersecção entre identidade sexual, idade e raça/etnia.

Fonte: National Institute of Mental Health

Como identificar o risco de suicídio em alguém?

Não existe uma receita para identificar se uma pessoa próxima da gente está pensando em tirar a própria vida. Algumas pessoas podem dar algumas pistas de que estão sofrendo, ou que têm pensado na morte, enquanto outras, não. Mas algumas atitudes merecem atenção:

Mudanças repentinas de comportamento ou personalidade (a pessoa de repente fica mais calada, passa a se isolar, ou parece mais agitada do que de costume, etc.);

Mudanças no desempenho (o jovem começa a ir mal na escola, o adulto começa a faltar ou tem queda de produtividade no trabalho, etc.);

Palavras, desenhos ou expressões que demonstram falta de esperança, pessimismo, sensações de vazio ou de culpa (isso pode se manifestar até nas redes sociais que a pessoa utiliza, com postagens de textos, imagens ou vídeos mais sombrios);

Perda de interesse em atividades que antes eram rotina (a pessoa deixa de ir à igreja, abandona a atividade física ou o hobby, etc.);

Falta de autocuidado ou mudanças na aparência (a pessoa deixa de fazer a barba ou cortar o cabelo, não toma mais banho todo dia, engorda ou emagrece, etc.);

Uso mais intenso de álcool, cigarro ou drogas;

Sinais de automutilação, como marcas de cortes ou queimaduras no corpo;

Falar com mais frequência sobre temas relacionados à morte, fazer testamento ou seguro de vida, começar a doar pertences;

Prevenção do suicídio

No Brasil, ocorrem cerca de 12 mil suicídios por ano, ou 32 a cada dia, de acordo com levantamentos mais recentes divulgados pelo Ministério da Saúde. O número vem crescendo, segundo diversas pesquisas, especialmente em certos grupos mais vulneráveis.

O CVV (Centro de Valorização da Vida) sugere que, entre o desejo de acabar com a dor e a vontade de viver, existe a possibilidade de buscar ajuda e desenvolver condições internas de lidar com o sofrimento. É por isso que falar sobre as nossas emoções é fundamental.

Estima-se que 90% dos suicídios podem ser prevenidos. Por isso, é importante perder o medo e buscar ajuda. Muitas vezes, ter com quem falar, colocar o sofrimento para fora e poder contar com um “ombro amigo” fazem toda a diferença.

O Centro de Valorização da Vida oferece apoio emocional a todas as pessoas que precisam conversar, sob total sigilo, pelo telefone 188 (ligação gratuita), ou por e-mail, chat ou chamada via internet, todos os dias, 24 horas. Você também pode buscar auxílio profissional dos CAPS (Centros de Apoio Psicossocial - SUS) e nas Unidades Básicas de Saúde (Saúde da Família, Postos e Centros de Saúde).

Clipping Lésbicas, gays, bissexuais e suicídio: um risco multifatorial, Dr. Jairo Bouer,  UOL, 14/11/2021

Jornalista da Globo Leilane Neubarth declara: "Aos 52 anos, me apaixonei por uma mulher"

segunda-feira, 15 de novembro de 2021 0 comentários

Leilane Neubarth e atual namorada Gaia Maria se refrescando em queda-d'água
(Foto: Reprodução Instagram)

A jornalista Leilane Neubarth, 62 anos, estranhou quando, ao se tornar avó, passou a receber mensagens e brincadeiras de conhecidos com a estereotipada imagem de uma senhora idosa, de cabelo branco em coque, óculos e tricô na mão. “Eu não sou esse tipo de avó. Muitas mulheres que eu conheço também não são”, disse. O estalo a motivou a pesquisar sobre o assunto, com o intuito de criar um programa de TV voltado para o público com mais de 50 anos. Com o isolamento imposto pela pandemia – que atingiu principalmente os idosos –, Leilane, afastada da grade da GloboNews, tirou o projeto da gaveta e desenvolveu O Tempo que a Gente Tem, programa dirigido por Susanna Lira, exibido às quintas-feiras no canal pago GNT. Nele, a jornalista recebe convidados famosos e anônimos e, pela primeira vez, se abre sobre sua vida pessoal.  Ela deu a entrevista abaixo para a revista Veja  sobre o projeto e o amadurecer no trabalho e no amor.

Por que sentiu a necessidade de fazer este programa?
Pois esse público, do qual eu faço parte, não é representado na televisão e na publicidade. Ironicamente, o público 50+ é o que mais assiste televisão e muitos estão aposentados, com tempo e poder aquisitivo para consumir. Entendo que os canais queiram atingir os jovens, mas não podem ignorar o público fiel, que vê novela, que assiste jornal, que mantem esse hábito há anos. Assim, pensamos em um programa em tom de documentário e não reportagem, dividido em quatro partes, com temas como amor e trabalho. A ideia não é dizer como as pessoas devem envelhecer. Não é: “beba água, faça exercícios tantas vezes por semana, olha essa cirurgia plástica”. A ideia é ouvir pessoas e suas experiências, não especialistas trazendo regras.

Existe a ideia de que o envelhecer é mais difícil para a mulher. Concorda?
Na verdade, não. É curioso que ao falar de envelhecimento, logo pensam na aparência. Mas essa não é uma temática da série. Esse é um assunto que preocupa mais as mulheres no pré-envelhecimento, não tanto as que já estão no envelhecimento. Existem coisas mais importantes que falar de rugas. Para os homens, por exemplo, um grande dilema do envelhecer é a perda do poder que muitos costumam ter na vida profissional, mas não se reflete dentro de casa. Se tudo der certo, quero fazer uma segunda temporada voltada para o público masculino.

Qual foi a grande mudança na sua vida após os 50?
Foi na vida amorosa. Eu não tinha a menor ideia do que viria a acontecer comigo na maturidade. Me casei com o primeiro marido aos 20, me separei aos 26, e, aos 28, me casei com meu segundo marido. Tive dois filhos, um de cada casamento. Com meu segundo esposo, vivi 22 anos casada. A relação sofreu um desgaste grande e nos separamos. Eu sofri muito, tinha planejado minha vida com ele, envelhecer com aquele homem. Lembro que, na época, falei para minha terapeuta: “cara, sonhei a vida inteira em envelhecer com um marido, e tudo naufragou”. Ela respondeu: “talvez seja melhor você sonhar com outras coisas, porque esse sonho aí já não rolou. A menos que você queira ser infeliz pelos próximos 30 anos”. Paralelamente, aconteceu uma coisa totalmente inesperada: aos 52 anos, eu me apaixonei por uma mulher.

Leilane e Gaia Maria em shopping da zona sul do Rio

Isso não havia passado por sua cabeça antes?
Não, nunca imaginei que me apaixonaria por uma mulher. Algumas pessoas me falavam: “Ah, então você sempre foi gay e foi infeliz porque era casada com um homem”. Não! Eu era feliz com minha vida sexual, amorosa, matrimonial. Só que aí eu me separei e, de repente, as coisas começaram a acontecer e surgiu essa outra emoção, outro sentimento, uma outra atração que eu nunca tinha pensado. Se me perguntam: “Você nunca teve tesão em mulher?”. Não, não tinha. Acho que foi algo que surgiu num momento em que eu estava priorizando a delicadeza amorosa e a harmonia. Então, de lá pra cá, eu venho tendo relações homossexuais.

E está feliz?
Muito, muito feliz. Mas se você me perguntar “vai ser assim a vida inteira?”, não sei. Eu parei de fazer planos, porque o plano que não se concretiza nos frustra. Sem planos, sem frustrações (risos). Hoje tenho uma namorada, estamos juntas há pouco mais de um ano.

Como jornalista, dona de uma postura impessoal e acostumada a ouvir entrevistados, como foi se abrir sobre sua vida pessoal no programa?
 Foi estranho, foi bem estranho no começo. Porque pode não parecer, mas eu sou uma pessoa bem tímida. A Leilane jornalista é outra coisa, pergunta, não tem pudor, sobe em carro alegórico, vai na cadeia conversar com presas. Eu não tinha o costume de falar da minha vida pessoal. Acho mais fácil falar dos outros. Mas a proposta da Suzana era que eu me abrisse, pois tenho um lugar de fala na conversa.

Há 40 anos você trabalha como jornalista, no calor de eventos marcantes. Como foi ser afastada durante a pandemia?
Nossa, foi péssimo. Foi péssimo. Eu passei por uma montanha-russa de emoções, como todo mundo, né? No primeiro dia em casa, eu chorava, chorava. Quando me deram a notícia, que todos com mais de 60 anos seriam afastados, eu tentei rebater. Disse que era saudável, que eu poderia ser uma exceção, mas não deu. Tive momentos de ficar em casa enlouquecida com o noticiário, com duas televisões ligadas ao mesmo tempo, em canais diferentes, 24 horas por dia. Chegou um momento que eu estava tão intoxicada, que coloquei um limite, com horários para consumir informação. Passei a ler, ver séries e desenvolvi esse programa.

Como foi pisar no estúdio de novo?
Nossa, me senti como se fosse a primeira vez que eu botava os pés ali. Eu entrei na Globo aos 19 anos, lembro que meu coração saltava, era uma excitação estar naquele lugar. Agora, de novo, me senti uma criança no primeiro dia de escola. Percebi que tenho medo de ser improdutiva, e que isso é muito comum na velhice. A conclusão que cheguei com esse programa é que a velhice produtiva é o melhor caminho. Existem muitos caminhos, para além de um emprego. Você pode empreender, fazer trabalho voluntário, artesanato, plantar, dar aula. São muitas opções. Eu, por exemplo, fiz um curso de florista. Se eu deixar o jornalismo, já tenho um plano B!

Horóscopo de novembro (2021)

domingo, 31 de outubro de 2021 0 comentários

Miriam Julie
♈ ÁRIES
21/03 a 20/04


Durante esse período é possível que você viva um dilema entre a vontade de gozar de liberdade e de aproveitar melhor as oportunidades e o desejo de manter-se dentro das circunstâncias seguras e previsíveis a que está acostumada.

Em geral, a tendência é no sentido de romper com tudo e começar de novo, sem o peso do passado que tanto a prende.

A inquietação provocada por esse conflito pode levá-la a mudanças de vida muito importantes, principalmente em sua carreira.

Também é comum haver dificuldades de relacionamento, principalmente nos que envolvem muita responsabilidade. Os relacionamentos e amizades mais casuais têm menos chances de ser afetados.

Contudo, se você estiver razoavelmente satisfeita com sua vida, não achando que seus deveres e obrigações são pesados, provavelmente viverá o lado bom deste trânsito, que na verdade não é pouco. Este será um momento de expandir as estruturas de sua vida a um ponto jamais atingido.

Você poderá seguramente ampliar seus negócios, por exemplo, pois a cautela provavelmente a impediria de exceder-se. Ou então pode assumir mais responsabilidades, tornando o trabalho mais satisfatório.

♉ TOURO
21/04 a 20/5 

Este período em geral representa um período de otimismo e pensamento positivo. Você sentirá ter atingido um ponto de equilíbrio que lhe permite uma boa visão de sua vida. Por isso, este é um bom momento para reorganizar-se e para traçar planos de longo prazo. Procure empregá-lo para ganhar uma nova perspectiva através de estudos ou viagens ou por intermédio de um dos atuais grupos que se dedicam a elevar o nível de conscientização.

O momento prenuncia equilíbrio físico e psicológico. Caso tenha estado doente, seja física ou mentalmente, o trânsito ajudará tremendamente no processo de recuperação. 

Além disso, a hora é boa para analisar suas metas e ideais, pois agora será possível atingi-los de diversas formas. É possível que antes tenha havido muita tensão em sua vida ou muita resistência contra eles por parte dos outros.

Se estiver ligada a algum movimento de reforma, agora é um bom momento para empreender uma ação positiva. Você se sentirá relaxada e muito à vontade, com boa disposição de espírito para viajar, seja para descanso ou estudo.

O importante a lembrar neste trânsito é que ele representa essencialmente uma oportunidade. Você não se sentirá guiada por nenhum tipo de energia nem tampouco sentirá resistência se quiser fazer alguma coisa. Embora possa aproveitar maravilhosamente este período, caberá a você a iniciativa para tal.

♊ GÊMEOS
21/05 a 20/06

Este trânsito poderá trazer imprevistos a sua vida pessoal e emocional, além de mudanças súbitas no lar. A pressão das circunstâncias revelará seus padrões emocionais inconscientes e a fará aprender a viver sua vida com menos hábitos e padrões inconscientes inadequados.

Talvez você se perturbe com essas mudanças, mas deve admitir que este trânsito tem a propriedade de livrá-la de características que não precisa. Este período está ligado a padrões de comportamento adquiridos na infância que podem ter sido apropriados então, mas já não o são agora.

Este trânsito acentua sua necessidade de ser uma pessoa independente e autossuficiente a fim de relacionar-se de igual para igual com seus semelhantes, mesmo que você ainda não se sinta preparada.

Contudo a maioria das pessoas mantém padrões de comportamento infantis na vida adulta, e isso dificulta seu crescimento. Este período rompe com esse tipo de relacionamento e impede que você continue se comportando de acordo com antigos padrões, pois a obriga a reavaliá- los.

Os relacionamentos íntimos poderão ser afetados, já que constituem a área em que os padrões infantilizados mais são empregados. A partir do instante em que você admitir o fato de que os velhos padrões deixaram de ser adequados e se dispuser a mudar ou aceitar as mudanças que ocorrerem, vai começar a sentir-se liberada.

Você se livrará das correntes que criou para si mesma. Viverá a vida com mais liberdade e mais capacidade de vê-la como realmente é e não como era na sua infância.

♋ CÂNCER
21/06 a 22/07

Este fase é considerada uma das mais maravilhosas que pode haver. Na pior das hipóteses, você se sentirá bem enquanto ela durar.

Estará saudável e muito otimista. Por um instante, as coisas parecerão estar correndo bem e, caso se esforce um pouco, isso acontecerá realmente. Mas se ficar de braços cruzados, a influência benéfica deste trânsito se desvanecerá, deixando pouco em sua esteira.

É a hora de dar início a novos projetos e ampliar seu raio de atividades de forma a poder ter uma maior perspectiva da vida.

Talvez descubra que pode escapar das limitações ou inibições que a impediram ou vêm impedindo de realizar seu inteiro potencial como ser humano.

Algumas pessoas viajam sob esta influência, mas na maioria das vezes a viagem se dá apenas no plano mental.

Talvez você tenha de fazer mudanças importantes em suas prioridades de vida.

É possível que precise abrir mão de certas coisas no trabalho em favor de sua vida pessoal e emocional ou que rompa com um relacionamento que venha interferindo desnecessariamente em seu trabalho.

Em qualquer dos casos, será preciso restabelecer o equilíbrio entre esses dois aspectos de sua vida de modo a permitir que as coisas entrem nos eixos novamente.

♌ LEÃO
23/07 a 22/08

Este é um bom momento para dedicar-se a estudos que possam elevar sua conscientização ou ampliar sua visão de mundo.

O trânsito é excelente para os que gostariam de voltar à escola. É possível também que você entre em contato com pessoas que lhe exponham aspectos de vida que você não conhecia. Sua liberdade certamente aumentará.

Porém mesmo neste trânsito há algumas armadilhas a evitar. Em primeiro lugar, por causa do otimismo exagerado, é possível que você se exceda em atividades ou ambições, de forma que, no fim do trânsito, pode estar no limbo de que falam os provérbios.

Exercite um pouco de moderação e parta daquilo que já tem, ao invés de tentar colocar o chapéu onde o braço não alcança. Cuidado com as extravagâncias e, se fizer investimentos, lembre-se que a sorte de hoje pode não ser a mesma todos os dias.

À medida em que sua mente busca expandir-se, você terá mais e mais vontade de aprender. O trânsito favorece a realização de algum curso e, mesmo num nível menos formal, você estará ávida por absorver novos conhecimentos.

É provável que quaisquer questões judiciais lhe resultem favoráveis. Habilmente você se preparará para elas, sem deixar nenhum ponto mal alinhavado que depois deponha contra.

Esta influência afeta bastante favoravelmente a comunicação com os outros. Seu otimismo e sua disposição de espírito positiva lhe atrairão boas novas relativas a questões importantes.

Ao mesmo tempo, tudo que disser aos outros também será positivo e reconfortante, o que deixará sempre bons sentimentos atrás de você.

♍ VIRGEM
23/08 a 22/09

Geralmente este trânsito indica boa saúde e sensação de bem-estar, embora você possa apresentar tendência a engordar se não tomar cuidado. Talvez não goste de praticar exercícios físicos, mas seria uma boa ideia fazê-lo. Procure ficar mais ao ar livre. As caminhadas são particularmente indicadas nesta fase.

Trata-se de um trânsito bastante agradável, na verdade, tão agradável que você talvez tenha vontade de cruzar os braços e gozá-lo apenas. Contudo, este é um momento realmente muito importante em sua vida porque lhe dará a chance de atuar em novas áreas e viver novas e gratificantes experiências.

Seu potencial criativo estará imenso, permitindo-lhe conseguir facilmente muitas coisas que seriam difíceis em outras épocas. Suas energias interiores estarão em alta, proporcionando-lhe segurança e certeza de ser capaz de qualquer coisa.

O período é excelente para todas as questões financeiras. Você terá vontade de tornar o ambiente onde vive mais elegante, podendo mesmo gastar muito dinheiro para consegui-lo.

Não há nenhum problema nisso, e você deve pensar positivamente em todos os aspectos, mas não deixe que essa preocupação, com as aquisições materiais, a cegue para algumas boas oportunidades de crescimento interior que surgirão.

Física ou mentalmente, as viagens geralmente acompanham este trânsito. Aproveite este período para ampliar sua compreensão do mundo que a cerca.

Você terá muito interesse por ideias diferentes das que normalmente conhece e encontra, além de estar mais tolerante em relação a estilos de vida diversos do seu.

Mesmo as características que de hábito o irritam nas pessoas não serão problema agora. Além disso, seu senso de humor será bem maior que de costume, permitindo-lhe apreciar a dança da vida em toda a sua glória.

LIBRA
23/09 a 22/10

Neste momento você terá condições de unir a amplitude da visão à agudeza do intelecto e da percepção, o conhecimento do particular ao do universal, detectando assim claramente a extensão de tudo aquilo em que estiver envolvida. Isso se manifestará numa capacidade de previsão e antecipação digna de um campeão de xadrez.

O período é bom para planejar seu futuro, pois você não só compreenderá os elementos que afetam sua vida como perceberá as relações que se estabelecem entre eles. Ao mesmo tempo, se sentirá otimista e segura de que tudo ocorrerá como você deseja. E é provável que assim seja, já que você não se deixará levar por fantasias mirabolantes.

Este trânsito normalmente indica equilíbrio de raciocínio entre o geral e os detalhes, porém há uma certa tendência a negligenciá-los, não lhes dando a devida atenção. Se não tomar cuidado, isso pode resultar em conclusões equívocas e precipitadas. Procure desacelerar-se um pouco e não se empolgue demasiadamente com seus próprios planos. Tomadas essas precauções, este poderá ser um excelente período para tomar decisões ou concluir transações em andamento.

Além disso, como ele é extremamente propício a compras e vendas, é quase certo que fará bons negócios.

♏ ESCORPIÃO
23/10 a 21/11

Você perceberá que durante este período será bem fácil exercer o poder e realizar mudanças. Terá a impressão de que as energias estão indo na direção que deseja, trazendo-lhe a oportunidade de assumir de algum modo o controle.

Entretanto, deve procurar uma motivação que vá além de sua própria ambição, apesar de que ela acabará sendo beneficiada juntamente com qualquer outro objetivo que possa ter agora. 

Todavia, se esse poder for usado para fins pessoais e egoístas, acabará lhe trazendo problemas no futuro. Os resultados não serão permanentes. Você deve encontrar um equilíbrio, adotando uma filosofia de "interesses próprios iluminados".

É preciso que reconheça que se beneficiará muito mais se puder colocar seus interesses pessoais ao lado dos das pessoas com quem trabalha e convive. De algum modo, será necessário lutar sinceramente pelos interesses coletivos, não ficando apenas na teoria.

Você terá muita vontade de reformar e refazer as coisas neste momento, devendo lutar para melhorar as condições gerais de todos, para promover a renovação e servir como veículo da regeneração de seu universo.

Caso venha a gozar de algum tipo de poder pessoal, empregue-o nisso. Como é bem possível que tenha a chance de liderar ou influenciar terceiros, concentre-se em ajudar todos os envolvidos a crescer junto com você.

No plano prático, este trânsito poderá coincidir com o sucesso profissional, poder político ou aumentos significativos nos bens ou riquezas pessoais. Num nível mais humilde, ele poderá dar-lhe a oportunidade de corrigir situações que lhe trouxeram problemas no passado.

♐ SAGITÁRIO
22/11 a 21/12

Este é um momento de expansão e crescimento em sua vida mais íntima e pessoal; uma época em que buscará segurança no lar e na família.

Talvez seja necessário reavaliar sua vida pregressa a fim de descobrir o que ela pode lhe ensinar a seu respeito. Contudo, isso não deve tornar-se uma fonte de ansiedade.

O simbolismo deste trânsito é a assimilação cada vez maior do mundo exterior na vida interior. Procure fazer o possível para tornar sua vida pessoal segura e tranquila ao máximo.

Agora você terá necessidade de sentir-se interiormente segura e em paz para poder continuar sua jornada lá fora. Na verdade, no momento não deve pensar tanto no sucesso exterior quanto nas necessidades mais íntimas e pessoais que discutimos até aqui.

Além disso, procure reconhecer que sua verdadeira necessidade agora não é comprar terras nem propriedades, mas sentir-se forte por dentro, capaz de crescer interiormente.

O momento destina-se à resolução de questões que ficaram pendentes em sua vida pessoal, à decisão quanto a relacionamentos que não vêm funcionando bem, à análise do que restou do passado e que afeta negativamente seu presente.

Para tal, talvez seja necessário abrir-se com os outros acerca de si mesma e de seus sentimentos mais íntimos.

Por isso, esta é uma boa hora para estabelecer-se e criar raízes. A sensação de fazer parte de um lugar e de um grupo será muito importante para você agora.

Você não precisa fazê-lo de uma forma que limite sua liberdade de movimento e isso não será mesmo muito provável. Mas todo mundo precisa de um lar sólido para estar em paz e poder desenvolver outras atividades.

Se não fizer um esforço para construir essa base agora, terá dificuldades depois, quando seus interesses estiverem voltados para outras direções.

CAPRICÓRNIO
22/11 a 19/01

Este trânsito a incentivará a expandir sua lista de contatos, encorajando você a unir forças com pessoas que lhe apoiam e compartilham sua visão.

Você ficará surpresa com a forma como as pessoas estarão se aglomerando à sua volta como mariposas em torno de uma lâmpada!  Abrace toda a atenção extra que receberá para inspirar outras pessoas a se preocuparem com as causas que são importantes para você.

Mas não há necessidade de apressar o processo, porque grandes coisas levam tempo! Considere as opiniões dos outros; seja cooperativa e tenha a mente aberta para ver o quadro completo das situações que enfrentará.

Você estará em  posição para resolver problemas e aliviar as tensões de outras pessoas. Isso o ajudará a colocar seu ego de lado e ver as coisas de uma perspectiva externa. Lembre-se: liderar  tem tudo a ver com sua capacidade de se relacionar com os outros!

Em meados do mês, você pode se apaixonar repentinamente, com uma mudança brusca em seus sentimentos. Essa mudança pode ser tão inspiradora quanto assustadora, então lembre-se de ir devagar!

Ao final do mês, você poderá desejar silêncio e introspecção. Acione sua imaginação e se incentive a meditar sobre seus sentimentos mais íntimos. Não subestime seu poder mais profundo de autoanálise.
À medida em que sua mente busca expandir-se, você terá mais e mais vontade de aprender. 

É provável que quaisquer questões judiciais lhe resultem favoráveis. Habilmente você se preparará para elas, sem deixar nenhum ponto mal alinhavado que depois deponha contra.

♒ AQUÁRIO
20/01 a 18/02

Este período é extremamente favorável a todos os tipos de contatos sociais. Você receberá benefícios através das pessoas, sendo provável que também beneficie os outros.

Se decidir fazer as coisas sozinha, provavelmente desperdiçará uma excelente oportunidade, pois teria enormes vantagens trabalhando em conjunto com amigos.

Além disso, terá a chance de realizar projetos que podem reverter em vantagens particulares, vindas das pessoas com quem convive no trabalho ou nas vizinhanças, pessoas essas de quem normalmente não se esperaria muito além das gentilezas sociais de praxe. No momento você terá oportunidade também de expandir seu contato com o mundo.

Às vezes este trânsito prenuncia viagens, mas o certo é que encontrará pessoas cujo ambiente seja culturalmente bastante diferente do seu e cuja experiência o ajudará a ampliar sua visão.

Muitas delas podem tornar-se suas amigas, gente cujo conhecimento lhe trará benefícios.

Além disso, poderá beneficiar-se também da convivência com velhos amigos. Talvez receba de um deles um convite para uma sociedade ou uma dica para progredir de alguma forma.

Ao mesmo tempo, agirá com benevolência e boa disposição para com os amigos e conhecidos. Você estará disposto a ajudar os que precisam de seu auxílio, mostrando-se gentil e receptivo a todos, pois não desejará ver ninguém em más condições.

Essa prestatividade e solicitude lhe permitirá receber muito das pessoas também. As pessoas perceberão sua imparcialidade na condução de todas as questões, reagindo na mesma moeda. Embora isso possa estar ocorrendo todo o tempo, agora você terá condições de vê-lo com mais clareza.

♓ PEIXES
19/02 a 20/03

Este costuma ser um excelente trânsito para a maior parte dos relacionamentos, mas há certas armadilhas a evitar. Basicamente, ele representa um desejo de crescer e progredir através do contato com as pessoas. 

Provavelmente você estará disposta a dar tanto quanto receber, embora às vezes possa haver uma vontade de obter vantagens dos outros sem nada oferecer-lhes em troca. Este trânsito lhe traz a possibilidade de tornar-se realmente uma pessoa melhor, mas apenas se não esquecer essas advertências.

É bem possível este trânsito trazer consigo uma oportunidade "de sorte" através de um amigo ou sócio. Contudo não se trata tanto de sorte quanto de seu estado de alerta para as coisas que possam beneficiá-la.

Seu senso de oportunidade estará aguçado e, além disso, sua sensibilidade diante das pessoas e das necessidades alheias será maior que a usual. Essa é uma das razões por que será tão feio esquecer as necessidades dos outros, já que você não terá nem como alegar ignorância.

Os benefícios deste trânsito poderão incidir tanto sobre a vida pessoal quanto a profissional. É possível que surja uma oportunidade de ganhar dinheiro ou de melhorar sua residência, tornando-a mais agradável.

Ou então de conhecer pessoas que irão ajudá-la a aprender mais sobre o mundo e a expandir seus pontos de vista. Contudo, você terá de estar disposta a deixar que isso aconteça, o que quer dizer que deve manter-se receptiva.

Essa é outra área em que a arrogância pode trazer o risco de não obter nada de valor com este trânsito.

Gunadhara Miten (Miriam Zen)

Terapeuta Holística e Astróloga Humanista há 33 anos, trabalhou como voluntária por vários anos em Grupos de Ajuda a mulheres que sofreram abuso. Trabalhou também como voluntária no CVV ( Centro de Valorização da Vida )

Trabalhando atualmente com massagens terapêuticas, via Método Deva Nishok, utiliza em seus atendimentos terapia tântrica, cura Reconectiva, Reiki, pontos marma, meditação vibracional biodinâmica, Renascimento, terapia taoísta, terapia de cura hawaiana, Barra de Access, MTVSS com o objetivo de refinar a sensibilidade corporal, gerando maior sustentação da bioenergia do corpo, energização dos chackras e equilíbrio da produção hormonal, proporcionando também expansão da consciência, equilíbrio emocional e bem-estar.

Consultora da Rede de Informação UOO ( Um Outro Olhar ).

Para agendar sua sessão de mapa, tarot, de massagem terapêutica, entre em contato no whats app: 11 96405 1934  Email: miriam.julie@gmail.com

Memória Lesbiana: 40 anos do Grupo Ação Lésbica Feminista (GALF) entre fato e ficção

quinta-feira, 28 de outubro de 2021 0 comentários

Míriam e Rosely barradas no Ferro's Bar em 19/08/1983


Há 40 anos, oficialmente no dia 17 de outubro de 1981, eu fundava, com Rosely Roth e colaboradoras, o Grupo Ação Lésbica Feminista (GALF), estatutariamente sob o codinome de Grupo Ação de Liberação Feminista. O registro do grupo como feminista, preservando a sigla “GALF”, visava evitar problemas com os cartórios (que costumavam dificultar o registro de grupos de gays e lésbicas na época) e pragmaticamente atender nossas necessidades de abrir conta em banco, ter uma caixa postal, receber dinheiro via vale postal e outras formalidades. Visava também proteger  as lésbicas que nos escreviam (a maioria no armário), caso tivessem que escrever o nome do grupo por extenso. O grupo ficaria incomunicável, entre a maioria das sapatas da época, se usasse a palavra lésbica para esses trâmites institucionais. Outros grupos do período encaravam o registro no cartório até como parte da luta homossexual, mas nós avaliávamos que, na relação custo-benefício, não valia o custo. Além disso, para uma organização que vendia um boletim com o nome “Chanacomchana”, assumir-se no cartório era o de menos.


Neste resgate, retomo partes do texto 19 de agosto: há 38 anos o GALF invadia o Ferro’s Bar, onde já abordara a trajetória do GALF, mas trazendo novos dados e esclarecimentos sobre a hoje histórica e muito mistificada sigla. Neste texto, busco em particular desconstruir um pouco essas mistificações. Para tal, entre outras coisas, divido a trajetória do GALF em dois períodos: do início em outubro de 81 até meados de 1985 e de meados de 1985 até seu final em 1989 (oficialmente em março de 1990).


O período inicial do GALF (10/81 a 08/ 85) corresponde à fase em que a organização adota o histórico do coletivo que o precedeu, o Grupo Lésbico-Feminista(05/1979-06/1981), divide sedes com o grupo gay Outra Coisa de Ação Homossexualista e inicia a produção do boletim ChanacomChana a partir de dezembro de 1982, além de promover a hoje célebre invasão do Ferro’s Bar. Também é o período em que o grupo tentou sem sucesso fazer com que o Movimento Feminista incorporasse a questão lésbica à sua agenda oficial.


O segundo período, de meados de 1985 a 03/1990, corresponde ao fim da identificação do GALF com seu predecessor LF (pela constatação de que de fato não houvera uma continuidade real entre os dois coletivos); à perda das sedes públicas (as reuniões do grupo passaram a ocorrer em meu apartamento); à maior divulgação do grupo, em particular pelas aparições de Rosely Roth na mídia impressa e televisiva, à aproximação com o incipiente movimento lésbico internacional, à participação em encontros lésbicos internacionais e ao progressivo distanciamento do movimento feminista que culminaria com o fim da própria organização.

GALF primeira fase (10/81 a 08/85): problemas de identidade


Nos seus primeiros 3 anos e meio aproximadamente (de outubro de 1981 a meados de 1985), o GALF vai adotar a trajetória do Grupo Lésbico Feminista (LF), coletivo que o precedeu, fato observável nos históricos que eu mesma redigi nos boletins ChanacomChana até sua oitava edição (agosto de 1985). Como hoje existe muita fabulação sobre o GALF, com gente se dizendo integrante do mesmo sem nunca ter sido, vale aprofundar esse tema, esclarecendo a parte que possivelmente nos toca nessas mistificações.


A incorporação da trajetória do Lésbico-Feminista ao histórico do GALF, em seus primeiros anos, se deveu a uma somatória de fatores, entre simplórios e surreais, que criou uma ilusão de continuidade em nossas cabeças: a sede que Rosely encontrara, no centro de São Paulo (Praça da República), onde também nos conhecemos, ter sido pensada para o lésbico-feminista (que morreu na praia); eu e Rosely termos vindo, a partir de momentos distintos desse coletivo; o tempo que separava o fim do LF do início do GALF ter sido ínfimo (em torno de 4 meses) e, sobretudo, nossa decisão de continuar com um grupo específico de lésbicas em vez de submergir nossa identidade em alguma identidade feminista genérica (lero muito em voga na época). Fora também algum sentimentalismo barato pelo fim do coletivo anterior.

Vendo em perspectiva, deveríamos ter deixado o Lésbico-feminista morrer em paz em vez de ter-lhe dado uma sobrevida artificial de três anos e meio. Deveríamos ter fundado um outro grupo lésbico-feminista, mas com nome bem distinto do anterior, já que eu e Rosely estávamos também iniciando uma interação (não estivemos juntas no LF). De qualquer forma, o GALF só vai ter três assinaturas e uma única identidade: a do cartório,
Grupo Ação de Liberação Feminista, Grupo de Ação Lésbico-Feminista (como aparece nos dois primeiros números do Chana, 82-83) e Grupo Ação Lésbica-Feminista de maio de 1983 em diante.

 
Neste ano de 1983, [...], decidimos optar finalmente por nos chamarmos Grupo Ação Lésbica Feminista, abdicando da concordância com a palavra grupo, como ocorria com a maioria das outras denominações, e colocando tudo no feminino (CCC 3, p.2.).


Só a partir de meados de 85, nos cai de vez a ficha de que a suposta continuidade entre os dois coletivos não só nunca existiu de fato como, ao contrário, na verdade, o que houve foi ruptura entre ambos, ruptura e abandono. A maioria das lésbicas que participou do lésbico-feminista ou deixou a militância ou se meteu no armário do heterocêntrico movimento feminista do período, algumas inclusive agindo paradoxalmente como agentes de invisibilização lésbica. Em consequência, já nos ChanascomChana de 9 a 12, cessam os históricos do GALF, onde aparecia incorporada a trajetória do LF (nos números 11 e 12 do Chana desaparece inclusive o logo LF), processo que continua nos boletins Um Outro Olhar, do número 1 ao número 8, também publicados pelo GALF.

 

No final de 1986, num histórico do ChanacomChana para associadas do GALF, eu já fazia um ajuste de contas com os fatos e separava o GALF do LF (ver mais no tópico sobre a segunda fase do GALF) . E, no último histórico do GALF que publiquei no boletim Um Outro Olhar 9, de novembro de 1989, de fato um balanço da primeira década de mobilização lésbica no Brasil, 1979-1989: 10 anos de movimentação lésbica no Brasil (p.8-17), repito essa  conscientização aí já pra lá de consolidada. Nesse balanço, o histórico do Grupo Lésbico-Feminista é apresentado como realmente se deu, de maio de 1979 até meados de 81 (oficialmente até outubro de 1981), e o do Grupo Ação Lésbica Feminista (GALF), a partir de outubro de 81 até seu término extraoficial no final de 1989. Essa separação não foi, claro, uma negação dos históricos que escrevi nos primeiros números do ChanacomChana, que incluíam as atividades do LF como parte das do GALF, mas sim um ajuste de contas com os acontecimentos e uma depuração da identidade dos dois coletivos que de comum só tiveram mesmo duas ativistas e o termo lésbico-feminista. Não raro nossos desejos não combinam com os fatos.


Vale salientar outros aspectos distintivos entre os dois coletivos como o contexto em que se desenvolveram e sua composição. O Grupo Lésbico-Feminista, surge, a princípio, como um subgrupo do grupo Somos, em maio de 1979, e sofre grande influência deste em seu perfil. Vai ser, em seu breve tempo de existência, um grupo fundamentalmente  de socialização e pegação com um núcleo de militância. Nesse sentido, chegou a ter umas 30 mulheres circulantes, mas com no máximo 10 delas tendo algum ativismo real. Vai emergir no momento de ascensão do primeiro ciclo do movimento homossexual no Brasil, de 79 a 80,  ainda sob os eflúvios contraculturais, e desaparecer com o início do refluxo desse movimento em meados de 81. As polêmicas que enfrentou foram relativas a seu posicionamento no racha do Somos (Lampião, n. 25, p. 8), ao tema da autonomia do movimento homossexual frente às tentativas de cooptação da esquerda ortodoxa (Convergência Socialista) e o impacto de sua entrada no heterossexista movimento feminista do período. Era um coletivo mal alinhavado, muito anárquico, que não conseguiu adquirir consistência para sobreviver mais do que dois anos. Apesar de haver mantido uma única identidade natural, Grupo Lésbico-Feminista (LF), caracterizou-se por ter mais assinaturas do que tempo de vida, incluindo uma que excluía o termo lésbica (sic). Foi logo absorvido pelo movimento feminista.


O GALF, por outro lado, já começou como um grupo autônomo, tendo seu registro em cartório como ponto de partida. Vai se desenvolver no período de esvaziamento do movimento homossexual que se inicia em meados de 81 e se mantém por toda a década de 80. Sempre foi um grupo pequeno, com uma média de 5, 6 integrantes durante sua longa trajetória, e com um perfil fundamentalmente de estudo e militância. Nada do clima “relações abertas, sexo, drogas e rock’n´roll” característico do LF, ainda que também tenha formado namoradas em seu tempo de existência. Perto do LF, o GALF era careta, felizmente. Conseguiu obter a consistência necessária para sobreviver cerca de longos 8 anos e meio, sobretudo em função da produção e venda dos boletins ChanacomChana e Um Outro Olhar. Como desafios, enfrentou o questionamento da identidade lésbica-homossexual que levava inevitavelmente à desmobilização política, o heterossexismo do movimento feminista que hostilizava a politização das questões lésbicas, a perda das sedes públicas, no início de 1985, e o esvaziamento do movimento homossexual. Foi um coletivo de resistência e vanguarda (num contexto particularmente adverso) que o movimento feminista nunca conseguiu deglutir. E, como já dito, teve apenas uma identidade fundamental: Grupo Ação Lésbica Feminista.

 

Destaques da linha do tempo da primeira fase do GALF (10/81-08/1985):

Com o Movimento Homossexual do período
, sobretudo na parceria com o grupo gay Outra Coisa, o GALF desenvolveu várias atividades, com destaque para:

jun. de 82 (com o Outra Coisa): “Viva a Homossexualidade” (debates sobre feminismo e lesbianismo e política e desejo; exibição dos filmes “O homem que deu cria” e “Trotta” na sede dos dois grupos. E debate sobre “homossexualismo e partidos políticos” no Teatro Ruth Escobar).

ago. de 82: encontro com o psicanalista e filósofo Félix Guattari na sede do GALF-Outra Coisa.


out. de 82: debate sobre feminismo e homossexualismo com representantes de todos os partidos políticos na sede do GALF-Outra Coisa.


dez. de 82 (9): Encontro do GALF e do Outra Coisa e outras entidades civis com o governador recém-eleito Franco Montoro (o primeiro a ser diretamente eleito ainda sob o regime militar). Foram reivindicadas, entre outras coisas, que o Secretário da Segurança Pública pusesse fim às prisões arbitrárias de homossexuais feitas pela polícia civil e militar e ao Secretário de Saúde que apoiasse a exclusão do parágrafo 302.0 do Código de Saúde do Inamps que rotulava o homossexualismo como “desvio e transtorno sexual”.

05 de abril de 1983: Encontro com o Secretário de Segurança de São Paulo, Manoel Pedro Pimentel, onde reivindicou um tratamento menos preconceituoso das forças de segurança em relação a gays e lésbicas, repetindo a reivindicação já feita ao governador.

23 a 29/05/1983: Debate sobre Autonomia e os Grupos Alternativos com representantes de grupos homossexuais, de feministas e negros. Mostra de arte gay e lésbica; exibição dos vídeos “A Dama do Pacaembu” e “A Mulher de Barba”, de Rita Moreira, e do filme alemão “Henrique”. Festa no Teatro Ruth Escobar

19/08/1983: Manifestação do Ferro’s Bar – após serem proibidas de vender o boletim ChanacomChana, no Ferro’s Bar, tradicional ponto de encontros da lésbicas paulistanas e de todo o país, em 23/07/1983 e de distribuir panfleto, em 13/08/1983, convocando para a manifestação, as integrantes do GALF, com seu parceiro Outra Coisa, e outros grupos gays e feministas “invadiram” o Ferro’s Bar e obtiveram dos donos do bar o direito a vender o boletim sem problemas. As integrantes do GALF que participaram da manifestação foram Célia Miliauskas, Elisete Neres, Luiza Granado, Míriam Martinho, Rosely Roth e Vanda Frias. Entre os gays identificáveis pelas fotos, Ricardo Calil Cury e Antônio Carlos Tosta (do Outra Coisa) e Nestor Perlongher, na época do Somos (entre os gays, há outros atores a identificar nas fotos) Entre as feministas, Bete Feijó, Maria Teresa Aarão (Teca), Sonia Álvarez, Míriam Botassi e Regina Estela.

Elisete Neres foi uma das integrantes do GALF que participou
da manifestação do Ferro's Bar e acaba de partir. R.I.P.


Agosto de 83
– perda da sede da Rua Aurora, por excesso de atividades no espaço (sic.). O GALF e o Outra Coisa vão ocupar, durante o segundo semestre de 1983, a sede que fora do Grupo Somos que se extinguira, na Rua da Abolição, na Bela Vista, e, de janeiro a março de 1984, um apartamento na rua Teodoro Baima, na República, perto do início da Consolação. Após a desestruturação do Outra Coisa, no final de março de 1984, o GALF tenta dividir um espaço com o CIM, de abril a dezembro de 1984, quando arbitrariamente este grupo despeja o GALF do local em 21/12/1984 (exemplo de sororidade feminista).

Com o Movimento Feminista do período, o GALF participou de várias atividades, tais como:


março de 1982 – participação no 8 de março, Dia Internacional da Mulher, com venda de camisetas, distribuição do tabloide ChanacomChana 0 e um texto sobre a data. Também interferimos para que se colocasse uma cena sobre a violência contra lésbicas no teatrinho que o grupo SOS-Mulher apresentou no evento.

início de maio de 1982 – participação no intitulado “happening” do Ibirapuera, onde o grupo montou uma barraquinha para vender camisetas, livros e frutas anunciadas com plaquinhas que diziam “coma uma frutinha para transar com sua vizinha” ou “o enrustimento mata“.

julho de 1982 - participação no IV Encontro Nacional Feminista, Campinas, São Paulo

Set. de 82 – Participação do Festival das Mulheres nas Artes onde fez contatos e entrevistas com feministas internacionais como Antoinette Fouque (França), Dacia Maraini (Itália) e Kate Millet (EUA). Também passou uma moção de repúdio contra a proibição da música Franchitude de Francha, pela Censura, e garantiu que fosse apresentada hours concours.


mar. de 1983 – participação na organização do 8 de março e da festa política referente à data no Museu de Arte de São Paulo.


mar. de 83 – encontro com a feminista Dacia Maraini que voltara ao Brasil entre março e abril para dar um curso de roteiro na Faculdade Armando Álvares Penteado (Mulherio, ano III, n. 13, maio/junho de 1983). Em históricos do GALF consta que esse encontro teria se dado na sede do GALF, mas não é fato. As fotos do encontro mostram outras dependências.

abr. de 1983 – Intervenção num debate sobre Sexualidade e Violência, do grupo SOS Mulher, ocorrido no Sindicato dos Jornalistas, onde entramos de máscaras, para simbolizar a situação da mulher homossexual, e distribuímos o texto intitulado Sobre Violência, onde conclamávamos o movimento feminista a também defender as lésbicas.


Set. de 1984 - GALF consegue passar trechos de texto sobre saúde lésbica, que também propunha a exclusão do código 302.0, num documento feminista apresentado durante I Congresso Brasileiro de Proteção Materno-Infantil no Senado Federal.

Nov. de 1984 – Participação no I Encontro Nacional de Saúde da Mulher, dos dias 15 a 18 de  novembro, em Itapecerica da Serra.


Maio de 1985  – Participação de Rosely Roth no primeiro programa da Hebe Camargo sobre “homossexualismo feminino” no dia 25 de maio de 1985.



Destaque do GALF não relacionado diretamente ao movimento homossexual ou feminista (vale salientar que a participação do GALF em encontros, congressos, simpósios, etc., foi intensa. Aqui registrei só alguns eventos).


jun. 1985 (29)- Vivências Lésbicas –  atividade com apresentação do filme Liana e do programa Hebe Camargo com participação de Rosely Roth, seguido de debate com participação da vereadora Irede Cardoso, do psiquiatra Ronaldo Pamplona da Costa e da integrante do GALF Rosely Roth.

ChanascomChanas: produzi e editei neste período 8 edições do ChanacomChana, a saber:

Dez. 82 - publicação do CCC 1
Fev. 83 - publicação do CCC 2
Maio 83 – publicação do CCC 3
Set. 83 – publicação do CCC 4
Maio 84 – publicação do CCC 5
Nov. 84 – publicação do CCC 6
Abr. 85 – publicação do CCC 7
Ago. 85 – publicação do CCC 8

GALF segunda fase (08/85 até 1989): Separando o Joio do Trigo, tornando-se nacional e internacional

A partir de agosto de 1985, como já dito anteriormente, caiu de vez a ficha do GALF de que a suposta continuidade entre ele e o coletivo do grupo lésbico feminista, cujo histórico adotara a princípio, não só nunca havia existido de fato como, ao contrário, na verdade, o que houvera fora ruptura entre ambos, ruptura e abandono. Um evento do qual o GALF participou, o III Encontro Feminista Latino-Americano e do Caribe, ocorrido em Bertioga, região litorânea de São Paulo, dos dias 31 de julho a 4 de agosto, funcionou como o estalo que faltava sobre essa realidade. Neste evento, o GALF vai se encontrar com outro GALF (o Grupo de Autoconsciencia de Lesbianas Feministas), do Peru, com quem já se correspondia, e organizar uma reunião lésbica ao ar livre perto de um bar da colônia de férias que acolhia o encontro. Nessa reunião, lésbicas latino-americanas, do Canadá, EUA e Europa relataram que, para seus respectivos Movimentos Feministas, a questão lésbica ainda era um tabu, sendo ou simplesmente omitida ou abordada raramente e de forma superficial. Dessa reunião, participaram ex-integrantes do LF (Grupo Lésbico-Feminista -05/1979-06/1981), como Marisa Fernandes e Vilma Monteiro, que até deram seus pitacos, mas não demonstraram qualquer interesse em voltar a ter uma militância lésbica. Pareciam estar ali a passeio numa reunião social.

França legalizou tratamentos de fertilidade para casais de lésbicas e mulheres solteiras, mas há escassez de doações

sexta-feira, 22 de outubro de 2021 0 comentários

Aurore Foursy e Julie Ligot / Arquivo pessoal/Reprodução

Aurore Foursy descreve seu primeiro encontro com Julie Ligot como um dos mais longos da história. Depois de combinar no Tinder, elas se encontraram no apartamento de Julie na sexta à noite e ficaram juntas até segunda. A química foi instantânea.

Foursy era ativista LGBT de longa data. Ligot trabalhava em TI. Ambas estavam na casa dos 30 anos e queriam filhos. Elas logo foram morar juntas, limparam um segundo cômodo em seu apartamento e compraram um berço.
Era lógico para nós construirmos uma família juntas”, disse Foursy.
Graças a um decreto assinado pelo ministro da Saúde da França na quarta-feira (29), seu sonho pode finalmente se tornar realidade. Uma lei aprovada em junho, legalizando os tratamentos de fertilidade para casais de lésbicas e mulheres solteiras, já entrou em vigor.
É um grande passo para a França”, disse Foursy. “Estamos lutando há tanto tempo por esse direito.”
Tratamento de fertilidade

A França está agora entre um total de 13 países na Europa — 11 estados membros da União Europeia, bem como o Reino Unido e a Islândia — oferecendo tratamento de fertilidade para mulheres lésbicas e solteiras. As clínicas de fertilidade esperam um aumento na demanda.
Esperamos 200 pacientes extras por ano”, disse Laurence Pavie, que trabalha como gerente no centro de fertilidade da Diaconesses Croix Saint-Simon em Paris.
O mundo precisa saber que casais de lésbicas e mulheres solteiras são bem-vindos. Tentaremos dar a eles o melhor tratamento possível”, disse ela.
No início deste mês, o Ministério da Saúde anunciou US$ 9,3 milhões (cerca de R$ 50 milhões) extras em gastos com pessoal e equipamento para clínicas de fertilidade, para ajudá-las a lidar com o aumento previsto da demanda.

A ação visa reduzir o tempo de espera pelo tratamento de um ano, a média atual, para seis meses.

Crise de doação de esperma

Para a Dra. Meryl Toledano, que dirige sua própria clínica de fertilidade, essa meta parece ambiciosa.
Somente com o esperma francês, vamos lutar para atender à demanda”, disse ela.
A França não permite a importação de esperma do exterior. E, como a lei proíbe a doação de esperma em troca de dinheiro, a França também luta para ter a quantidade necessária.

A nova legislação também inclui o fim do anonimato garantido para doadores de esperma a partir de setembro de 2022, uma medida que provavelmente aumentará a escassez.

Os números oficiais mais recentes mostram que um total de apenas 317 doações de esperma foram feitas na França em 2019 — ante 386 em 2018 e 404 no ano anterior.

Campanha de informação

A Agência de Biomedicina, um órgão financiado pelo estado, planeja lançar uma campanha de informação online em 20 de outubro em uma tentativa de resolver a crise de esperma.
Doar esperma é uma ação íntima de solidariedade”, disse Helene Duguet, porta-voz da agência. “O primeiro passo é informar às pessoas que essas doações são possíveis e podem ajudar as pessoas a formar famílias. A ideia é incentivar os doadores nos próximos anos.”
Os longos tempos de espera causados pela falta de esperma significam que muitas lésbicas e mulheres solteiras mais velhas planejam continuar fazendo tratamentos de fertilidade no exterior — apesar da nova lei.

Toledano frequentemente recomenda que as mulheres mais velhas deem esse passo.
Na Espanha você consegue esperma em um dia, então os pacientes com dinheiro vão lá. Quem não tem dinheiro tem que esperar seis a 12 meses e corre o risco de não ter sucesso, porque, aos 40 anos, isso tem um efeito enorme na probabilidade de gravidez “, disse ela.
Uma jornada traumatizante

Agora com 38 anos, Marie concebeu um filho por fertilização in vitro na Bélgica em 2015 — quando ainda era ilegal para ela, como lésbica, receber esse tratamento na França.
Foi irritante. Eu pago impostos na França e tenho orgulho de pagar impostos e estou feliz por eles poderem ajudar outras pessoas. Mas eu teria ficado feliz se eu pudesse ter me beneficiado também [de tratamento de fertilidade]”, disse Marie, que solicitou que a CNN não usasse seu sobrenome para proteger a privacidade de seu filho.

Aurore Foursy / Arquivo pessoal/Reprodução

 Depois de cinco anos de tentativas fracassadas, desgosto e mais de US$ 52 mil (cerca de R$ 280 mil) em despesas médicas e despesas de viagem, ela foi finalmente recompensada com o nascimento de sua primeira filha, Louise.
Meu primeiro tratamento de fertilidade foi um verdadeiro trauma”, disse ela. “Eu estava frustrada porque não estava funcionando. Eu odiava que outras pessoas tivessem tantas gestações indesejadas ou não planejadas. Fiquei amargurada. Eu odiava as pessoas. Eu me tornei alguém que não queria ser.”
Na esperança de ter um segundo filho, Marie agora foi para a Espanha com sua nova parceira — em parte porque tem medo de definhar em uma lista de espera na França.
Já tenho uma filha e não quero que ela não saia de férias porque estamos tentando dar a ela um irmão ou irmãzinha – e também porque eu não tenho a mesma idade que tinha naquela época “, disse ela.
Além das novas regras em torno da inseminação, a legislação também permite que mulheres na faixa dos 30 anos congelem seus óvulos, um procedimento até então disponível apenas para aquelas em tratamento médico que pode afetar a fertilidade.

A barriga de aluguel, no entanto, continua ilegal, deixando os gays, assim como as mulheres que não podem engravidar, em busca de outras opções ou viajando para o exterior.

Mas para muitos a nova lei ofereceu um vislumbre de esperança.
A luta acabou”, disse Foursy. “Todos têm os mesmos direitos. Todo tipo de mulher tem os mesmos direitos e posso escolher ser mãe ou não sozinha.”
(Texto traduzido do inglês; leia aqui o original)

Clipping França legaliza tratamentos de fertilidade, mas sofre com falta de esperma, por Cyril Vanier e Sam Bradpiece, CNN Brasil, 02/10/2021

Em novembro, novela da Globo 'Um Lugar ao Sol' terá par romântico de mulheres

quarta-feira, 20 de outubro de 2021 0 comentários

A atriz ainda relembrou o casal lésbico vivido por Fernanda Montenegro e Nathália Timberg em Babilônia e sua repercussão na época - Reprodução/ TV Globo

Prestes a voltar às telinhas em Um Lugar ao Sol, Mariana Lima conta detalhes de sua personagem e ressalta as descobertas que ela viverá durante a história. A atriz, que viverá par romântico de Natália Lage, contou que as cenas de beijo irá acontecer, mas as de sexo estão descartadas:
A gente seria massacrada", contou a intérprete de Ilana na próxima trama das 21h da Globo.
Em entrevista ao jornal O Globo, a artista avaliou a personalidade de sua personagem, Ilana, que se descobrirá bissexual na maturidade e trocará um casamento aparentemente estável com o fotógrafo Breno (Marco Ricca) por um romance lésbico com a médica Gabriela (Natália Lage), uma mulher bem mais jovem.
É uma mulher em crise profunda, porque é heterossexual casada há muitos anos e de repente sente um troço por aquela médica e não sabe o que fazer com isso. Ela não é nada militante, ao contrário, é preconceituosa com ela mesma“, adiantou ela a respeito do papel.
Está prevista, inclusive, uma sequência de beijo entre Ilana e Gabriela.
Vai ter beijo. Gravamos um mais quente e um mais frio, torcendo para entrar o mais quente. Hoje não há espaço para uma cena de sexo entre duas mulheres numa novela. A gente seria massacrada“, acredita.
Em defesa de seu posicionamento, Mariana relembra a repercussão do par de lésbicas da terceira idade, encarnado por Fernanda Montenegro e Nathália Timberg na mal sucedida novela Babilônia (2015).
Ninguém gostava do casal, ninguém queria o casal. Lembro que nas pesquisas ninguém queria ver as duas se beijando“, lamenta.
Um Lugar ao Sol, estreia em novembro na Globo. Escrita por Lícia Manzo, a trama será protagonizada por Cauã Reymond, que fará jornada dupla. O artista viverá os gêmeos Cristian e Renato. Repletos de atores do mais alto escalão, a trama será dirigida por Maurício Farias.

DESABAFO

A atriz Mariana Lima causou nas redes sociais nesta segunda-feira (21) ao usar uma estratégia inusitada para tentar atrair a atenção dos fãs para um comportamento necessário: o uso de máscaras.

De biquíni, ela gravou dois vídeos em que surge sensualizando. Neles, ela pede que influenciadores usem o espaço que possuem para incentivar atitudes cidadãs.

Clipping Mariana Lima avalia papel e afirma que gravou beijo com Natália Lage para 'Um Lugar ao Sol': "Quente", Contigo, 04/10/2021

 
Um Outro Olhar © 2021 | Designed by RumahDijual, in collaboration with Online Casino, Uncharted 3 and MW3 Forum