"Cura gay" inviabilizada por falta de apoio do PSDB, segundo João Campos, e novo projeto de "cura"

quarta-feira, 3 de julho de 2013

Feliciano não desiste de repatologizar a homossexualidade. Freud explica?

Autor retira 'cura gay' por falta de apoio do PSDB

Daiene Cardoso e Ricardo Della Coletta 

O deputado João Campos (PSDB-GO) disse ontem (terça-feira. 02/07) que seu projeto, conhecido como "cura gay", foi inviabilizado por falta de apoio de seu partido e por isso ele decidiu retirá-lo de tramitação. "Foi por uma questão do partido. Quando o partido se manifestou contra, inviabilizou o projeto", explicou.

Como o projeto já teve parecer favorável da Comissão de Direitos Humanos e Minorias, presidida pelo Pastor Marco Feliciano (PSC-SP), a retirada da proposição terá de ser aprovada pelo plenário da Câmara. Se não for aprovada a retirada, a tendência é que o projeto seja derrotado pelos deputados na votação, uma vez que a "cura gay" se transformou em uma das principais bandeiras das manifestações das últimas semanas. 

Câmara aprova retirada do projeto da 'cura gay'

RICARDO DELLA COLETTA - Agência Estado

O Plenário da Câmara dos Deputados aprovou ontem (terça-feira. 02/07) um requerimento para a retirada de tramitação de projeto apelidado de "cura gay". Todos os partidos orientaram suas bancadas favoravelmente à retirada de tramitação do projeto, salvo o PSOL.

"Nós votamos não porque gostaríamos de ver esse projeto derrotado em Plenário. Não gostaríamos de deixar uma brecha para que outra pessoa, no ano que vem, reapresente o projeto", criticou o deputado Jean Wyllys (PSOL-RJ). "Gostaríamos que a proposta fosse enterrada e fosse para o lixo da história, de onde nunca deveria ter saído", acrescentou.

Havia a intenção de lideranças da Câmara de levar o projeto para votação em Plenário ainda nesta semana, para rejeitá-lo. O deputado e autor da proposta João Campos (PSDB-GO), no entanto, se antecipou e pediu a retirada de tramitação na reunião do Colégio de Líderes, nesta tarde. Como um parecer já havia sido aprovado por uma comissão na Casa, a Comissão de Direitos Humanos e Minorias, que é presidida pelo deputado Marco Feliciano (PSC-SP), o pedido de retirada de tramitação precisou passar pelo crivo do Plenário.

Na prática, ao ter a tramitação retirada - e não o mérito rejeitado - o projeto pode ser reapresentado a partir do próximo ano. Caso a proposta tivesse ido a voto e fosse derrubada, ela só poderia ser reapresentada na próxima legislatura, que se inicia em 2015.

Feliciano diz que 'cura gay' pode voltar em 2015: 'Aguarde a Frente Evangélica'
Deputado e pastor afirma que proposta voltará com mais força na próxima legislatura: \"Em 2015 aguarde a Frente Evangélica\"

"Parabéns a decisão tomada pelo@depjoaocampos em retirar o PDC 234 de tramitação. O PSDB, seu partido, inviabilizou quando notificou ser contra. Entendeu ele que os ativistas, a mídia e alguns partidos invisíveis usariam o PDC 234 para tirar o foco das manifestações verdadeiras", disse Feliciano no Twitter. "O PDC não foi arquivado, mas retirado, e pode voltar."

Em mensagem direcionada aos seus seguidores evangélicos, Feliciano avaliou que todo o processo, desde a proposição até a retirada do projeto, foi positivo.

"Essa perseguição de parte da mídia e dos ativistas nos fortaleceu e nosso povo acordou. Nos aguarde em 2015! Viremos com força dobrada", afirmou o deputado. "Em 2015 aguarde a Frente Evangélica! Seremos muitos! E agora sabemos quem é quem! Parabéns a todos! Marcamos posição!", finalizou, em seu oitavo e último tuíte sobre o tema.

O propositor do projeto, deputado João Campos (PSDB-GO), líder da Frente Parlamentar Evangélica, pediu ontem (terça-feira. 02/07) ao colégio de líderes da Câmara que retirasse de tramitação a proposta, que já havia sido aprovada pela Comissão dos Direitos Humanos e Minorias, presidida pelo deputado Marco Feliciano (PSC-SP). O líder do PT na Câmara dos Deputados, José Guimarães (CE), confirmou que foi feito um acordo para a retirada do projeto

Fonte: Agência Estado, 02/07/2013

Líderes da bancada evangélica se articulam para apresentar novo projeto da 'cura gay'

Relator do projeto na Comissão de Direitos Humanos, o deputado Anderson Ferreira (PR-PE) discutiu com assessores uma nova versão do projeto apelidado de "cura gay". A ideia é protocolar uma proposta similar ainda nesta quarta-feira (3). Em reação às manifestações que sacudiram o país, a Câmara arquivou nesta terça o projeto que pretendia liberar psicólogos a promover a "cura" da homossexualidade.

Como há impedimentos regimentais para que o texto seja idêntico ao que foi arquivado, o novo projeto suspende três em vez de dois artigos da resolução do Conselho Federal de Psicologia. A derrubada do texto foi motivada por manobra de parte dos líderes da Câmara e do PSDB --partido do autor do projeto, o deputado João Campos (GO).

Após pressão do PSDB, Campos solicitou ontem o fim da tramitação da matéria e o pedido foi aprovado rapidamente pelo plenário da Casa.

A proposta pretendia derrubar trechos de uma resolução do CFP (Conselho Federal de Psicologia) e, dessa forma, permitir que os psicólogos oferecessem tratamento para a homossexualidade.

Há três semanas, a proposta foi aprovada pela Comissão de Direitos Humanos da Câmara, sob o comando de Marco Feliciano (PSC-SP). Após protestos, líderes começaram a recolher assinaturas para levar o projeto diretamente ao plenário sem passar por outras comissões.

Em outra frente, o PSDB, temendo a exploração do fato na eleição de 2014, passou a trabalhar contra o texto.
Campos afirmou que o principal motivo para o pedido de arquivamento foi a nota divulgada pelo PSDB, na semana passada, em que o partido chama a "cura gay" de um "grave retrocesso".

"Meu partido soltou uma nota com posição contrária, matou o projeto. E esse projeto não é uma pauta da sociedade, qual é a urgência? Não vou permitir que o governo use o projeto para desfocar a pauta das ruas, que são segurança e saúde de qualidade, o fim da impunidade e a adoção de punições contra os mensaleiros pelo Supremo", afirmou o deputado.

O deputado Jean Wyllys (PSOL-RJ) afirmou que preferia ter votado o projeto. "Gostaria de ver o texto derrotado no plenário, para que fosse jogado no lixo da história."

A "cura gay" foi um dos alvos das manifestações das últimas semanas. Na semana passada, o presidente da Câmara, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), prometeu a um grupo que trabalharia para "enterrar" o projeto.

Depois que o projeto foi retirado, Feliciano fez uma provocação: "Na próxima legislatura a bancada evangélica vem dobrada, e a gente vem com força total", declarou. 

Fonte: FSP, 02/07/2013 (FERNANDA ODILLA, JOHANNA NUBLAT e MÁRCIO FALCAÕ)

2 comentários:

  1. essa é a pior doença que o Brasil tem manifestado nesses dias: a intolerância com a diferença. Infelizmente o meio evangélico está repleto de pessoas doentes sexualmente e atormentadas pela ideia crônica de pecado que obscurece a razão e a emoção. Não foi suficiente Feliciano ver que o tal projeto é e sempre será um fracasso para nossa sociedade.

    ResponderExcluir
  2. Olá! Parabéns a UOO! Gostaria de um e-mail para contato com o site. Desde já, agradeço!

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
 
Um Outro Olhar © 2015 | Designed by RumahDijual, in collaboration with Online Casino, Uncharted 3 and MW3 Forum