Ativista lésbica francesa foi responsável por desassociar a palavra lésbica de conteúdo pornô na busca do Google

sexta-feira, 16 de agosto de 2019

Fanchon Mayaudon-Nehlig iniciou a discussão sobre como o algoritmo do Google selecionava
 conteúdos de busca sobre lésbicas.

Em julho deste ano, a francesa Fanchon Mayaudon-Nehlig, consultora de comunicação, recebeu uma ligação: “ei, você viu que a palavra ‘ lesbienne’ [lésbica, em francês] não é mais associada a resultados pornográficos no Google?”.

Três meses antes, a criadora do grupo ativista SEO Lesbianne havia iniciado uma campanha para que o algoritmo de busca da ferramenta fosse corrigido e parasse de apresentar conteúdos de pornografia ligados ao termo.
O mais engraçado é que, no momento em que recebi a ligação, eu estava no trabalho: o firewall que meu cliente usa em seu escritório proíbe que eu digite a palavra ‘lesbienne’, como se fosse um palavrão. Eu tive que sair do meu local de trabalho para verificar a informação e eu não acreditei em meus olhos”, disse em entrevista ao HuffPost Brasil.
Nossa primeira ação foi fazer com que as pessoas percebessem que havia um problema, um erro com os resultados sobre a palavra específica “lesbienne”. Fanchon Mayaudon-Nehlig, em entrevista ao HuffPost Brasil.

Pela primeira vez em sua vida, ela pode digitar a palavra francesa “lesbienne” e não havia nenhuma pornografia nos resultados. O Google anunciou na última sexta-feira (9) que consertou o algoritmo com a intenção de fornecer resultados mais precisos e de qualidade para este tipo de consulta.

A mudança já está em vigor, mas ainda em fase inicial e termos relacionados ou buscas em línguas diferentes ainda podem apresentar os conteúdos antigos que apareciam nas buscas. Mas Fanchon acredita que após esse passo é questão apenas de um pouco de tempo para que a realidade seja modificada.
A SEO Lesbienne incentiva todas as lésbicas a mostrarem suas vidas diárias e produzirem muitos conteúdos associados à palavra ‘lésbica’ na internet em seu próprio idioma”, disse.
Abaixo entrevista do HuffPost com Fanchon sobre a iniciativa, os motivos de ocorrer por tantos anos a associação da palavra lésbica a conteúdos sexuais e a importância da mudança. 

HuffPost: Fale um pouco sobre a história e atuação da SEO Lesbienne e de como começou a campanha em relação à mudança do algoritmo de busca desse termo. 

Fanchon Mayaudon-Nehlig: O SEO lesbienne é agora um grupo ativista lésbico francês, não somos pagos e nao dependemos de nenhuma outra organização. Eu criei pela primeira vez a hashtag #SEOlesbienne no Twitter em abril de 2019, depois que minha esposa, Louise, me fez perceber que eu não estava confortável em usar a palavra “lesbienne” em público. Neste momento na França, algumas mídias tradicionais estavam começando a falar sobre lésbicas, e as próprias lésbicas estavam tentando alertar sobre o quanto somos sexualizadas, especialmente na internet.

Por acaso, o #SEOlesbienne teve a oportunidade de ser ouvido e o assunto foi coberto pela imprensa francesa (graças à mídia tecnológica Numerama e à jornalista Marie Turcan), mas há anos lésbicas e ativistas são alertados sobre esse assunto. Nós não tínhamos a menor ideia de que o Google mudaria alguma coisa sobre seu algoritmo, mas estávamos dispostas a tentar, e éramos apenas duas pessoas no SEO Lesbienne: eu e minha esposa. Sou consultora de comunicação e minha esposa é designer.

Tínhamos a intuição de que poderia funcionar se pudéssemos trazer especialistas em SEO conosco, por isso organizamos uma reunião de desafio: “vamos hackear o SEO da palavra lesbienne”: desde esse encontro fundador, SEO Lesbienne é um misto de especialistas em SEO e lésbicas.

Nossa primeira ação foi fazer com que as pessoas percebessem que havia um problema, um erro com os resultados sobre a palavra específica “lesbienne” nos resultados das páginas do Google. No momento, a SERP (página de resultados do mecanismo de pesquisa) mostrava apenas conteúdo pornográfico, como é possível ver na imagem abaixo.


Como você se sentiu quando recebeu a informação de que o algoritmo de busca tinha sido modificado?

Em primeiro lugar, o resultado foi inesperado! Sabíamos que o Google France poderia mudar o algoritmo, pois havia um precedente com a palavra “chatte” no Google relacionada a vaginas e não gatinhos como esperado, o que expunha crianças à sexualidade, por isso estávamos prestes a iniciar uma petição para fazer o Google France reagir sobre a palavra “lesbienne” sendo associada exclusivamente com pornografia.

Nós queríamos informá-los sobre como isso afeta os mais jovens da comunidade, quando no dia 18 de julho recebemos uma ligação da mídia francesa LGBT Têtu: eles nos disseram “ei, você viu que a palavra ’ lesbienne’não é mais associada a resultados pornográficos no Google?”.

O mais engraçado é que, no momento em que recebi a ligação, eu estava no trabalho: o firewall que meu cliente usa em seu escritório proíbe que eu digite a palavra “lesbienne”, como se fosse uma palavrão! Eu tive que sair do meu local de trabalho para verificar a informação e eu não acreditei em meus olhos. Essa foi literalmente a primeira vez da minha vida em que eu pude digitar a palavra francesa “lesbienne” e não havia nenhuma pornografia nos resultados!

Nós sabíamos que não estávamos lutando apenas por nós, era tarde demais para nós, tivemos que lidar com essa situação durante muitos anos, mas poderíamos impactar as meninas mais novas que se perguntam sobre sua orientação romântica. Lembrei-me de como fiquei surpresa com os resultados que descobri como uma adolescente digitando discretamente no Google “lesbienne”. Eu não queria ser atriz pornô, mas o Google parecia acreditar nessa única opção para mim!

Por que o termo “lésbica” ainda era associado exclusivamente a conteúdos sexuais enquanto outras palavras da comunidade LGBTQ isso não acontecia?

Alguns ativistas LGBTQ franceses nem sabiam que a palavra “lesbienne” era exclusivamente associada a conteúdo pornográfico no Google, enquanto a palavra “gay” não era. Quando perceberam essa injustiça, ficaram surpresos! 

A questão é que, como mulheres, a internet inteira não é o que podemos chamar de “lugar seguro”, e o ponto de vista expresso no algoritmo do Google pode ter algumas ligações sexistas. Por exemplo, é muito difícil para uma mulher contribuir na Wikipédia, e páginas relacionadas a mulheres famosas são frequentemente descartadas. Tivemos literalmente que lutar para mudar a imagem da página francesa “lesbianisme” com uma imagem histórica da poeta Safo em vez de uma imagem sexualizada.

Outra explicação talvez seja encontrada na pornografia em si. Pornografia gay é comercializada para homens gays: você tem que mudar a página ou mesmo o site para acessar pornografia gay. Considerando que não há pornografia “lésbica”, “lésbicas” é uma tag em sites pornográficos comercializados para homens heterossexuais. Na internet, admitem-se lésbicas para satisfazer o prazer de adultos do sexo masculino, e somente com esse objetivo.

Qual foi e qual pode ser o impacto dessa mudança para a comunidade lésbica?

O impacto dessa mudança no algoritmo do Google é enorme, e ainda não sabemos o tamanho! Acreditamos que o Google pode nos ajudar a tornar a palavra “lésbica” em todos os idiomas mais respeitada e, por consequência, todas as lésbicas podem ser tratadas da maneira que merecemos.

Também queremos que as pessoas estejam cientes de que o Google nem sempre reflete a realidade, e nós, como cidadãos, podemos nos reunir e fazer com que o SEO mude para o melhor. A palavra “lesbienne” não pertence à indústria pornográfica: ela pertence a nós, e estamos satisfeitas pelo fato de o Google ter nos dado a oportunidade de possuí-la e criá-la.

Após essa conquista, na sua opinião, quais são os próximos passos que a comunidade LGBT pode dar em relação a busca por visibilidade e igualdade sexual?

Homens gays e outros devem incentivar mais mulheres a falar, porque não é fácil ser abertamente lésbica em espaços públicos e na internet: nós nos expomos à misoginia e à lesbofobia. Desde o início de SEO Lesbienne, recebi insultos em minhas redes sociais, e sei que é um risco ter meu nome completo e rosto expostos em mídias em todo o mundo, mas sinto que tenho que fazer isso por outros que simplesmente não podem falar.

Gays, lésbicas e outras minorias não têm liberdade para viajar em alguns países onde suas próprias vidas são colocadas em risco. Não podemos viver nossas vidas sem nos preocuparmos com a comunidade em outros países. A história recente provou como as leis e os governos afetam nossas vidas para melhor e para o pior também. As mídias sociais são uma oportunidade para as lésbicas de todo o mundo se reunirem e mostrarem que nós existimos e importamos! 

Localmente falando, em alguns meses, o parlamento francês debaterá sobre a abertura da procriação medicamente assistida para lésbicas (conhecida como PMA na França), acompanharemos a evolução da palavra “lesbienne” no Google durante este período de tensão.

A SEO Lesbienne incentiva todas as lésbicas a mostrarem suas vidas diárias e produzirem muitos conteúdos associados à palavra “lésbica” na internet em seu próprio idioma.

Clipping "Palavra lésbica ‘pertence a nós’, diz criadora de campanha para corrigir algoritmo do Google", por Ana Ignacio, 12/08/2019

0 comentários:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
 
Um Outro Olhar © 2019 | Designed by RumahDijual, in collaboration with Online Casino, Uncharted 3 and MW3 Forum