Casal de mulheres abre oficina de pintura automotiva no Rio

quinta-feira, 15 de março de 2018


Casal de mulheres abre oficina de pintura automotiva em Marechal Hermes e conta como dribla o machismo
Não acreditam que somos as donas, acham que somos as faxineiras ou namoradas dos funcionários", diz uma das sócias. Whilla Castelhano e Tuani Brauns abriram o negócio em janeiro deste ano.
Foi a vontade de trabalhar em um ambiente diferente e "mais feliz" que fez o casal Whilla Castelhano, 26 anos, e Tuani Brauns, 31, abrir uma oficina comandada por elas duas. O negócio foi aberto em janeiro deste ano, em Marechel Hermes, Zona Norte do Rio, e elas garantem que é a oficina "mais limpa e organizada" de todo o bairro.

A tarefa árdua de colocar a mão na massa e ainda ter que enfrentar o machismo e julgamentos não tira o bom humor delas, que já se acostumaram com o sistema "opressor" de um ambiente dominado por homens.
É raríssimo acharmos mulheres que trabalham nessa área. Somos as únicas mulheres donas de oficina de pintura em toda a região. Obviamente por causa disso sofremos diariamente com o machismo na sua forma mais velada. Ignoram nossa presença dentro da nossa própria oficina, não acreditam que somos as donas, acham que somos as faxineiras ou namoradas dos funcionários", revela Whilla.
Quem pensa que o casal só dá as ordens, se engana. Whilla está tendo aulas de mecânica e Tuani faz curso de polimento.
A Tuani já é a melhor em isolamento de veículo da oficina. Todas as oficinas, independente da área, são machistas e opressoras com as mulheres. Por exemplo, a maioria das mulheres que dirigem e possuem seu próprio carro leva o pai ou o marido quando precisam ir na oficina. Elas têm medo do assédio ou de serem enganadas", conta Whilla.
Tuani conta que, algumas vezes, clientes questionam a capacidade delas.
Nos chamam de mandonas, irritadinhas, questionam nossa autoridade dentro e fora da oficina. O processo de desconstrução do machismo é diário em um ambiente dominado por homens, mas temos prazer em fazer isso."
O objetivo do casal é abrir um polo que englobe mecânica, lanternagem e pintura, e que mais de 50% do quadro de funcionários seja composto por mulheres. Atulamente, Whilla e Tuani têm quatro profissionais homens e pretendem expandir o quadro até o final de março.
Estamos procurando mulheres mas é muito difícil de achar. Queremos expandir fronteiras para outras meninas e essa luta vale a pena", justifica Whilla.
Dia da Mulher

No Dia da Mulher, comemorado nesta quinta-feira (8), elas reforçam que a data é apenas mais um dia normal em que precisam provar o potencial que têm.
Estamos em 2018, somos donas do nosso próprio negócio e somos questionadas todo dia. Eu já ouvi de um ex-funcionário que por eu ser mulher eu era burra e não entendia de nada técnico da área. Apenas por eu ser mulher", relembra Whilla.
Significa também que estamos aqui, não vamos desistir e vamos tomar nosso lugar à força", acrescenta Tuani.
Vaidade

A questão da vaidade é difícil mesmo. Pneu para um lado, tinta e graxa para outro. Não há um fio de cabelo que fique no lugar depois de tantas manobras que envolvem o trabalho dos profissionais de oficinas.
A gente passa o dia todo suja de massa, com cabelo preso e sujo. Assumo que sinto falta de andar arrumada, mas gostamos muito da liberdade que a oficina proporciona. E descobrimos outras formas de manter a vaidade que não é baseada em salto alto e maquiagem", garante Whilla.
Fonte: G1 Rio, por Patricia Teixeira, 08/03/2018

0 comentários:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
 
Um Outro Olhar © 2015 | Designed by RumahDijual, in collaboration with Online Casino, Uncharted 3 and MW3 Forum