Lésbicas relatam preconceito em atendimento ginecológico

quinta-feira, 24 de agosto de 2017

Para saber mais sobre saúde lésbica

Então você é virgem?": lésbicas relatam preconceito no atendimento médico
Era a primeira vez que eu ia naquele ginecologista e logo que entrei na sala, ele começou a fazer as perguntas de praxe: idade da primeira relação sexual, da primeira menstruação, quando havia sido a última... Até que perguntou se eu tinha namorado. Como imaginei que era importante, respondi: 'Não, tenho namorada'. Ele parou, levantou a cabeça, estirou o braço em direção à porta e disse: 'Então sai do meu consultório'".
Quem passou por isso foi a jornalista Camila Souza, 28, há três anos. Ela ficou sem reação ao ouvir as palavras do médico, que acabou decidindo deixar que ela ficasse e continuou a consulta. 
Daí para frente, foi um festival de todos os preconceitos contra lésbicas que você pode imaginar. Ele perguntou se eu já tinha tido relação heterossexual. Como achei que fosse uma informação relevante para a consulta, respondi que sim. A resposta dele foi: 'Poxa, mas foi tão ruim assim?'", lembra.
Até hoje me sinto muito culpada por não ter reagido à altura. Cheguei a fazer uma denúncia administrativa desse médico para a Defensoria Pública do Estado, mas confesso que não fui atrás de ver no que deu", lamenta.
Histórias como a de Camila são comuns entre mulheres lésbicas e bissexuais, que contam encontrar no consultório com frequência preconceito e desinformação.

"Lésbica? Não parece!"
Todas as vezes em que fui a uma consulta, sempre fui tratada como se fosse hétero. E quando falo que sou lésbica, as médicas ficam muito surpresas, pois aí entra a questão da minha aparência não ser o que elas esperam de uma 'sapatão'", diz a publicitária Lorena Costa, 28, que passou por quatro profissionais nos últimos seis anos, em busca de um atendimento mais acolhedor -- que ainda não encontrou.
Outra faceta desse preconceito está na fetichização do sexo entre mulheres. 
Quando você fala que é lésbica, o médico homem muda a forma como te olha e trata", diz a empresária Renata Coor, 39
Alguns médicos deram risada na minha cara, outros ficaram roxos de vergonha, como se fosse um absurdo. Já ouvi comentários preconceituosos como 'Tem certeza?' ou 'Lésbica? Não parece!', e recebi até olhares provocativos de um médico homem que me fez sentir assediada e com muito medo", conta a doula e ativista lésbica Gabriela Torrezani, 25.
Situações do tipo fazem com que as mulheres não fiquem confortáveis para falar de todas as questões de que precisam com os médicos. Além disso, presumir que elas são hétero pode levar a indicação errada de métodos anticoncepcionais. 
Muitas pacientes relatam que, mesmo falando que são lésbicas, foram orientadas a tomar pílula", conta a médica da família Luiza Cadioli, do Coletivo Feminista Sexualidade e Saúde.
"Sexo entre mulheres não é sexo"
Eu estava lá, de perna aberta para o exame, quando a médica me perguntou se eu tinha relação sexual regularmente. Eu disse que sim, com minha namorada. Ela então me falou para descer da maca porque não podia me examinar, já que eu era virgem", conta a professora Tamyris Rodrigues, 29.
A visão de que o sexo entre mulheres não é sexo, e sim preliminares, é outra questão que atrapalha as consultas ginecológicas das lésbicas, com o pressuposto de que não há necessidade de lidar com doenças sexualmente transmissíveis. Mas não é bem assim.

Deixar de pedir exames pode significar o não diagnóstico de uma doença em estágio inicial.
Apesar de existir menor incidência de algumas doenças entre lésbicas, toda mulher tem chance de desenvolver câncer de colo de útero, por exemplo. Ficar sem fazer o papanicolau pode favorecer o desenvolvimento do câncer, pois aumentam as chances de não encontrar as alterações no início", explica Luiza Cadioli.
O médico deve perguntar, não pressupor

Segundo Guilherme Almeida, professor da Universidade Estadual do Rio de Janeiro e coordenador técnico do curso Política de Saúde LGBT da UNA-SUS, apesar de existirem poucos estudos sobre o tema, há um consenso de que há um problema:
Há falha no acolhimento das mulheres lésbicas e bis. Mas é preciso mudar isso, pois tem implicações que vão além das doenças. Sexualidade é uma dimensão importante do bem-estar dos indivíduos".
Basicamente, o atendimento deve ser feito de modo a respeitar a diferença, mas sem preconceito. 
A abordagem do profissional deve ter escuta, acolher, perguntar e não pressupor", explica Guilherme Almeida. Caso haja constrangimento, a mulher deve "educar" o médico. "É difícil, mas ela deve deixar claro que conhece seus direitos e reivindicar isso, dizer que não é virgem, e que quer fazer o papanicolau", diz Luiza.
Além das orientações sobre prevenção de doenças e pedidos de exames, os profissionais também devem estar preparados para aconselhar mulheres lésbicas em relação a práticas sexuais. Outro ponto importante: caso nunca tenha havido penetração, a coleta do papanicolau pode ser feita com equipamento específico, que não rompe o hímen.

Lésbicas podem pegar DST, inclusive a Aids

Lésbicas também podem pegar DSTs por meio do contato entre genitais, do sexo oral, do uso de acessórios sexuais, bem como na penetração com mãos, próteses, vibradores e outros brinquedos eróticos.
Apesar da menor incidência, há relatos de infecção por HIV pelo compartilhamento de acessórios. Outras DSTs, como hepatite, podem ser transmitidas", diz Guilherme Almeida.
É importante lembrar que a minoria usa algum método para se prevenir de doenças, achando que é desnecessário", ressalta Desireé Encinas, ginecologista da clínica Casita.
A médica ressalta algumas estratégias que podem ser usadas:
1.Preservativo masculino em acessórios eróticos de penetração, que deve ser trocado sempre que for compartilhar;
2.Usar camisinhas ou luvas em dedos, principalmente se houver lesão na pele;
3.Usar filme plástico ou camisinha feminina para o sexo oral e o contato entre as vulvas.
Ver mais formas de prevenção clicando aqui

Fonte: UOL, por Helena Bertho, 23/08/2017

0 comentários:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
 
Um Outro Olhar © 2015 | Designed by RumahDijual, in collaboration with Online Casino, Uncharted 3 and MW3 Forum