Celebridades lésbicas (celesbians) saem do armário em Hollywood

quarta-feira, 29 de março de 2017

Kristen Stewart e seus múltiplos romances em 2016: começou o ano com a cantora Soko, saiu com St. Vincent quando esta rompeu com Cara Delevingne e acabou com a modelo Stella Maxwell, da Victoria’s Secret (a foto, no centro, é do Baile do Met, em maio) getty/cordonpress

E Hollywood se rende ao poder das lésbicas
Um dos tabus mais arraigados nos estúdios finalmente é derrubado. Atrizes já não precisam mais esconder sua sexualidade em público
E temos aqui conosco, como apresentadores: uma lésbica e um paquistanês. Ou, como Hollywood gosta de nos retratar: uma mulher hétero e seu técnico de informática.”
Quando Kumail Nanjiani (de Silicon Valley) e Kate McKinnon (Caça-Fantasmas/Saturday Night Live) apresentaram juntos a mais recente cerimônia do Independent Spirit Awards, fizeram piada com a paradoxal realidade dos grandes estúdios. De um lado, está a vida atrás das câmeras e, de outro, os idealizados clichês empurrados pelos seus filmes.

O fato de eles poderem verbalizar isso diante da nata do setor audiovisual indica, porém, que algo já mudou. Que muitas águas rolaram desde que Hollywood impôs os lavender marriages (‘casamentos-lavanda’) para ocultar a homossexualidade ou bissexualidade de seus intérpretes (Rock Hudson e Barbara Stanwyck, entre outros), e que a normalização lésbica é um fato. E é assim desde que figuras como Ellen Degeneres – a quem o presidente Barack Obama condecorou recentemente com a Medalha da Liberdade –, Ellen Page e Jodie Foster manifestaram publicamente sua condição de lésbicas, em discursos que ultrapassaram fronteiras e ajudaram a demonstrar que a visibilidade  entre mulheres era necessária também.

Resultado de imagem para cara delevingne e namorada
Cara Delevingne é, segundo a imprensa de celebridades, o novo ícone da cultura ‘celesbian’.
Na foto, Cara com a cantora St. Vincent

Se há algo que 2016 demonstrou é que foi o ano em que as celesbians (junção das palavras celebrity e lesbian) se tornaram mais fortes do que nunca na mídia. Se em 2015 Cara Delevingne precisou calar a boca da Vogue e declarar, depois de uma polêmica entrevista, que “minha sexualidade não é uma fase passageira“, em 2016, Sarah Paulson não precisou de uma palestra para escancarar sua condição sexual. “Se você está me vendo, Holland Taylor, te amo”, gritou ela às câmeras em pleno tapete vermelho do Emmy, espaço onde outra lésbica poderosa, a criadora e diretora de Transparent, Jill Soloway, pediu a “destruição do patriarcado”.
Mas, sem dúvida, foi outra atriz que deu um passo adiante nesse processo de normalização: Kristen Stewart. A mesma que evita verbalizar o assunto (quando os rumores sobre sua bissexualidade e um relacionamento com sua assistente Alicia Cargile vieram à tona, ela disse que “há muito mais gente que considera desnecessário saber se sou gay ou hétero”) não se esquivou de exibir publicamente suas relações e se deixou fotografar sem temer escândalos.
Stewart não fala sobre sua lesbianidade com a mídia – outras lutaram anteriormente para abrir o caminho –, mas tampouco precisa escondê-la. A imprensa de celebridades registrou, durante 2016, seu volumoso histórico amoroso, tratando-a como a versão feminina de Leonardo DiCaprio: além da mencionada Cargile, Stewart levou a Cannes a cantora francesa Soko, confirmou sua relação com a artista St. Vincent – ex de Cara Delevingne – num evento da Women in Hollywood e terminou o ano em Savannah com Stella Maxwell, angel da Victoria’s Secret e suposta ex de Miley Cyrus.
Não acho que Kristen sossegue o facho com alguém tão cedo, e por que deveria? É bonita, é jovem e é rica. Pessoalmente eu adoraria vê-la continuar namorando com todas as famosas com que puder.” 
Quem diz isso, numa entrevista na The Cut, é a conta do Twitter e podcast @celesbians que se dedica a especular e aumentar a rumorologia dos romances entre lésbicas famosas. Entre seus ícones adultos confirmados favoritos estão Carrie Brownstein, Abbi Jacobson, Stewart, Amber Heard (declarou-se bissexual), St. Vincent, Stella Maxwell e Cara Delevingne, e entre as adolescentes constam todas as atrizes Amandla Stenberg, Rowan Blanchard, Bella Thorne e Chloe Grace Moretz.

As lésbicas já não se escondem em Hollywood. Nem na tela, embora sua incursão seja tímida entre o grande público, com filmes recentes como Carol, Azul é a cor mais quente e A criada. A revista Slate destacava há alguns dias De chica en chica, o filme espanhol protagonizado por María Botto, que nasceu no calor do sucesso da websérie sobre lésbicas Chica busca chica, ambientada em Madri.

Sem uma nova Carol no horizonte dos grandes estúdios, as revistas já aquecem a temporada de prêmios com capas onde aparecem os atores que mais veremos sobre o tapete vermelho. Especialmente comentada por sua alta voltagem erótica lésbica foi a imagem protagonizada, na revista W, por duas atrizes que dominarão as manchetes nos próximos meses: Ruth Negga (Loving) e Natalie Portman (Jackie), embora enhuma das duas seja uma celesbian (Negga namora Dominic Cooper, e Portman mantém uma relação com o bailarino Benjamin Millepied).

Fonte: El País, por Nelia Ramírez, 06/01/2017

0 comentários:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
 
Um Outro Olhar © 2015 | Designed by RumahDijual, in collaboration with Online Casino, Uncharted 3 and MW3 Forum