Renúncia do Papa e as contradições do Vaticano sobre direitos LGBT

terça-feira, 12 de fevereiro de 2013

Img: ATEA 

A todo o vapor na luta contra o casamento igualitário, nos últimos dias a nada Santa Madre Igreja surpreendeu a todos com as declarações do ministro do Vaticano para a família, monsenhor Vincenzo Paglia, presidente do Conselho Pontifício da Família, que se pronunciou a favor dos direitos homossexuais e depois desmentiu a abertura sobre o tema, e ontem com a renúncia do Papa Bento XVI, o quarto a renunciar na história da instituição. Os outros foram:  Gregório XII, em 1415; Celestino V, em 1294; e Ponciano, em 235.

Renúncia se trata, portanto, de evento raro na trajetória do papado e está dando e ainda dará muito o que falar daqui por diante. Por ora, fiquemos com uma razão bem-humorada para a demissão desse papa conservador que já vai tarde: não aguentava mais o vento que fazia as roupinhas de papa lhe baterem na cara deixando-o mais cego do que as ideias anacrônicas que defende costumavam fazer. Não habemus mais papam! Olê!  N.E.


Ministro do Vaticano desmente abertura a direitos dos gays

"Minhas palavras foram deturpadas deliberadamente", acrescentou o religioso


Cidade do Vaticano - O ministro do Vaticano para a família, monsenhor Vincenzo Paglia, presidente do Conselho Pontifício da Família, desmentiu nesta quarta-feira que tenha se pronunciado em favor dos direitos para casais "de fato", homossexuais ou não, negando uma abertura por parte da hierarquia da Igreja Católica sobre o tema.

Entrevistado pela Rádio Vaticano, Paglia manifestou sua "surpresa" diante da interpretação feita pela imprensa de suas declarações.

"Minhas palavras foram deturpadas deliberadamente", acrescentou o religioso.

"Minhas declarações não só não foram entendidas, como tampouco se compreendeu o afeto com que foram ditas. A verdade é que foram desviadas, talvez conscientemente", acrescentou.

"Uma coisa é pedir que se verifique se nas instituições existentes é possível extrair normas que protejam os direitos individuais, outra coisa muito diferente é aprovar certas perspectivas", afirmou.

Em um encontro na segunda-feira com a imprensa, Paglia explicou que a situação dos casais de fato, homossexuais ou não, tinha que ser resolvida pelo Estado para impedir injustiças e discriminações.
O religioso reiterou novamente sua defesa do casamento tradicional, entre um homem e uma mulher, que considera o "elemento fundador" da sociedade e reforçou que aprova "plenamente" a condenação ao casamento gay pronunciada pelos bispos do Reino Unido e da França, países que acabam de legalizar tais uniões.

"A doutrina da Igreja é clara, assim como a tradição jurídica milenar do casamento em todas as culturas: para fundar uma família é necessário um homem e uma mulher", reforçou.

"Desviar-se deste caminho (...) leva à instabilidade e à decomposição da sociedade humana", comentou.

"As formas de vida em comum não familiares constituem um verdadeiro arquipélago de situações. É claro que deve-se garantir os direitos individuais", assegurou.

As afirmações do prelado, que geraram reações da imprensa e dos movimentos italianos de defesa dos homossexuais, caíram mal na Cúria Romana, que não costuma comunicar as divisões internas sobre temas tão polêmicos.

Fonte: Exame via AFP, 06/02/2013

0 comentários:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
 
Um Outro Olhar © 2015 | Designed by RumahDijual, in collaboration with Online Casino, Uncharted 3 and MW3 Forum