Lições da eleição: não mais "kits gays" para ganhar voto de conservadores

segunda-feira, 29 de outubro de 2012

Esta imagem é mera montagem para ilustrar o tema do post


Eu já havia falado sobre o desastrado discurso de Serra a respeito do apelidado “kit gay” antes de grão-tucanos, como FHC, manifestarem seu desacordo com o que chamaram de flerte de Serra com setores conservadores e antes do próprio núcleo político da campanha do tucano ter dito que ele "demorou demais" para minimizar o debate sobre o kit anti-homofobia, no qual sequer deveria ter entrado. (Falo hoje pela última vez sobre esse tema).

Aliás, escrevi três textos sobre o assunto, sendo dois podcasts: A encruzilhada de Serra ou os Conservadores precisam de um partido para chamar de seuNo meio do caminho tinha um kit gay. Tinha um kit gay no meio do caminho!Cartilha de Serra também pode ser considerada “doutrinação para o homossexualismo. Lamentei muito ter que fazer essas considerações de público porque sabia que seriam utilizadas por petistas contra o tucano, mas não dava para ficar de boca fechada diante da gritante contradição em que entrou o candidato em prejuízo de projetos importantes de combate a preconceitos em ambiente escolar.

José Serra é um dos políticos com maior histórico em prol da população LGBT no Brasil, incluindo aí um projeto de combate a diversos tipos de discriminação para ser usado em escolas. Entre essas discriminações se inclui o trabalho contra a homofobia, com abordagem conceitual semelhante à do Escola sem Homofobia (grotescamente chamado de kit gay) que o candidato decidiu criticar para fazer média com conservadores e atingir seu rival Fernando Haddad. 

Ao fazê-lo, Serra se mostrou incoerente com sua própria trajetória política e afastou muitos de seus eleitores tradicionais que obviamente nunca foram conservadores. Eu mesma só votei nele porque não poderia em sã consciência deixar de tentar impedir o PT de chegar à prefeitura de São Paulo. Meu voto foi pela cidadania, contra a tirania. Entretanto, praticamente não divulguei sua candidatura. Me limitei a questionar a competência e a probidade de Haddad, já bem conhecida por sua passagem pelo Ministério da Educação e por fazer parte do partido do mensalão. Sua “‘gestão” será – salvo milagre - um desastre para a cidade, sem falar em outras possíveis consequências futuras.

O argumento contrário ao “kit gay” é ilógico até da perspectiva conservadora

Até hoje, contudo, não me conformo com a estupidez do tucano de ter-se metido a criticar o tal kit gay para fazer média com conservadores. Se ele ao menos tivesse criticado o formato do projeto, o cabide de emprego para a militância LGBT petista que o projeto se tornaria, mas não, o parvo saiu a criticar logo o conceito do mesmo ao dizer que o Escola sem Homofobia “não ensinava e sim doutrinava para o homossexualismo”, ecoando o discurso retrógrado de gente como o pastor-vigarista Silas Malafaia, o troglodita deputado Jair Bolsonaro, o colunista de Veja, Reinaldo Azevedo, e outros anônimos de igual teor. Isso quando ele próprio, Serra - repetindo - já aprovara projeto de igual conteúdo.

Esse discurso de que se pode “ensinar homossexualismo” é ilógico até do ponto de vista conservador. Os conservadores costumam apregoar que a única sexualidade normal, natural, é a heterossexualidade. Então, como seria possível “ensinar homossexualismo”, considerando que o que é dado pela natureza não é passível de alteração por aprendizagem? Só se pode ensinar algo a um ser (humano ou animal) se este tiver (potencialmente) a capacidade para o aprendizado dado. Pode-se ensinar muitas coisas a um cachorro, dependendo de suas potencialidades, mas não se pode ensinar um cão a miar porque isto contraria a natureza do bicho. Ele não tem capacidade para tal. Não há como ter êxito nessa insana empreitada.

Assim, contraditoriamente, quando os conservadores afirmam que é possível se “ensinar o homossexualismo” em escolas, eles reconhecem que a homossexualidade faz tão parte da natureza humana quanto à heterossexualidade, que todos somos potencialmente bissexuais, tanto que temem que a simples visão de materiais, escritos ou audiovisuais, sobre homossexualidade, possa despertar esse lado reprimido de seus filhos (vão virar bichas, sapatões). Em suma, não é lógico afirmar que a (hetero)sexualidade é a única normal e natural e, ao mesmo tempo, que é possível se “ensinar homossexualismo”. Uma afirmação nega a outra. Na verdade, incoerências como essa surgem sempre quando o que dizemos se baseia em preconceitos e não na razão.

De qualquer modo, obviamente, esses projetos de combate à homofobia na escola visam de fato apenas trabalhar os preconceitos inculcados na cabeça dos jovens por seus pais e evitar que se tornem molestadores de outros jovens diferentes por qualquer razão, impedindo estes útimos de terem a educação necessária para ascender na vida. Essa conversa de “ensinar homossexualismo” é viagem de gente de boca grande, mau hálito e papo furado. 

Os conservadores brasileiros não são o Tea Party e o PSDB não é o Partido Republicano dos EUA 

Agora falando do aspecto político-partidário da questão, como eu disse em meus outros artigos sobre o assunto, me impressionou e me impressiona muito a arrogância e a prepotência desses conservadores. Botaram na cabeça que são o Tea Party brasileiro e o PSDB, o Partido Republicano, e acham que podem transformar a sigla dos tucanos num partido para chamar de seu. 

Entretanto, para começo de conversa, o PSDB é, de fato, análogo ao Partido Democrata americano, ambos social-democratas, não tendo nada a ver com a atual conjuntura do Partido Republicano dos EUA. Aqui no Brasil, talvez o partido que mais se aproximaria dos conservadores fosse o DEM. Digo talvez porque, embora conheça alguns parlamentares do partido que comunguem de ideias conservadoras, não sei se o partido em geral, principalmente sua geração mais jovem, encamparia certas coisas cheias de teias de aranha. 

Na ausência de partido próprio, natural que os conservadores votem no PSDB para fazer frente ao PT, mas aí o certo é eles se adaptarem à realidade do partido e não querer que o partido se adapte à realidade deles. Mas não, frustrados por Serra não ter dado continuidade ao discurso conservador, pelo tiro no pé que foi, continuam afirmando (como eu havia previsto, aliás), finda a eleição, que o tucano e seu partido foram covardes por não terem levado a questão do “kit gay” para a televisão. 

Enquanto o próprio PSDB e qualquer pessoa não-conservadora que analise a candidatura do Serra, reconhece, inclusive por não viver restrita ao ambiente conservador, que o tema do “kit gay” foi um erro para o tucano, a hora da virada negativa para ele, os “cons”’ continuam afirmando que o candidato perdeu porque não fez o que eles – conservadores – queriam, levando a palhaçada do “ensinar homossexualismo” nas escolas para o horário eleitoral gratuito. É mole!?

Reestruturar o PSDB não passa por emular discurso conservador

É certo que ninguém entende a apatia do PSDB diante dos desmandos do lulopetismo nestes últimos 10 anos, sobretudo, a não defesa de seu maior patrimônio que foi o Real e o governo FHC. É certo que ninguém entende sua incapacidade de fazer uma oposição concreta ao petismo que inclusive ameaça sua existência bem como a da democracia brasileira. 

De qualquer forma, porém, a recuperação, a renovação e a reorganização do partido não passa por uma mudança de cunho ideológico, indo da centro-esquerda para a ponta direita. (No máximo, para meu gosto, talvez pudesse ser um pouco mais social-liberal). Esse papo conservador de que o campo da esquerda é monopólio do PT e de que, para voltar a vencer, o PSDB teria que emular um discurso conservador é conversa mole para boi dormir. (Querem um partido pronto para ocuparem em vez de se dar ao trabalho de construir um). 

Pelo contrário, o Brasil está carente de partidos fortes de centro, democráticos, moderados, respeitosos da laicidade do Estado, inclusivos, modernos, que possam apresentar uma alternativa para quem tem consciência de que esse atual flaflu entre socialistas (da boca para dentro ou para fora) de um lado e conservadores do outro, ambos autoritários, não interessa ao país, não interessa a quem quer um mundo melhor para todos. Já vimos um confronto parecido no passado, e o fim do filme é bem conhecido. 

Os conservadores que se organizem em partido próprio e tragam a público uma candidatura legitimamente conservadora que diga o que querem ver discutido em eleição. (Ajudarão inclusive a democracia dessa forma). E que passem suas ideias pelo escrutínio da opinião pública, pois inventar que o Brasil é conservador sem testar tal afirmação na prática é muito fácil, né mesmo? O que não pode voltar a acontecer é esse aluguel do PSDB por conservadores que, já pela segunda eleição, tem se mostrado francamente contraproducente.

Nesta eleição, digo, sem papas na língua, que os conservadores – e a obtusidade de Serra que resolveu ecoar o discurso deles – colaboraram decididamente para a vitória do PT! Óbvio que não foi apenas a fala desastrada de Serra sobre o “kit gay” a razão para sua derrota (vários fatores contribuíram para tal), mas foi ela sim seu calcanhar de Aquiles, aquele ponto X que ele não deveria ter descoberto. Então, parabéns aos “cons” pela contribuição à vitória do PT em Sampa!

E fico por aqui, para não me repetir mais. Como disse, no início do texto, já desenvolvi esse tema dos conservadores e seu “kit gay”, na eleição do Serra, por vários ângulos, em dois artigos (também em podcast), além de ter transcrito o material contra a homofobia que Serra aprovou quando governador e um dos vídeos que o acompanhava. Repito abaixo os links desses artigos, para quem quiser lê-los também. E termino me citando: “Para nós, demais paulistanos que não nos incluímos nem entre as viúvas do Muro de Berlim nem entre os cruzados medievais, só nos resta orar para que a Fortuna não nos abandone e que o Mal não deite raízes fundas demais que nos impossibilite tirá-las posteriormente.” 



3 comentários:

  1. Espero que lhe ouçam para eu não ter que anular o voto de novo. Zis

    ResponderExcluir
  2. Míriam

    Antes de mais nada, quero dizer que não sou tucano, mas penso que o Brasil democrático precisa do PSDB, mas do PSDB em sua melhor forma.

    Vejo público no Brasil pra 3 partidos políticos:

    Um partido social-democrata moderno, tipo Partido Socialista Francês ou PSOE,que seria o PSDB sem o entulho conservador e o PPS.

    Um partido liberal, no sentido de ser pelo liberalismo econômico, nos moldes do Partido Conservador Inglês.Esse modelo poderia ser adotado pelo DEM, que poderia voltar a se chamar PFL.

    Um partido conservador tipo Tea Party. No caso do Brasil, acho que o partido que mais se encaixa nesse perfil é o PSC.

    Não sou ninguém pra dar conselho, mas não deixo de dar minhas sugestões.

    1)- O PSDB tem que parar com essa tendência de autofagia que impede a ascensão de novas lideranças, como aconteceu no Paraná, onde Beto Richa sabotou a candidatura de Fruet a prefeito pelo PSDB, para não criar rivais e acabou entregando um excelente quadro nos braços da Gleisi e do Paulo Bernardo.

    2)- O PSDB precisa enquadrar integrantes dos quais deveria ter vergonha, como João Campos, deputado federal por Goiás. Ou o cara se enquadra ao DNA do partido ou cai fora.

    3)- Apresentar ao país um projeto alternativo ao proposto pelo PT que contemple todas as camadas sociais inclusive as classes C, D e E.

    4)- Dialogar com os movimentos sociais como já faz, por exemplo, o Diversidade Tucana, que dialoga com os LGBTT.

    Tenho certeza de que um PSDB arejado e renovado terá muito mais chances de ser bem-sucedido em 2014, e nós da Cartilha LGBT indicaremos com gosto o voto no partido, desde que ele não se coligue com PP, PR, PSC, etc.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Também acho que deveria haver partidos ideológicos e não siglas de aluguel como hoje, mas não tão poucos como três. Há muitas diferenças tanto no bloco de esquerda quanto no de direita, para caber em apenas três partidos. Sem falar nos de centro, os mais importantes no meu entender.

      Agora, na realidade, acho que a mixórdia generalizada vai continuar por muito tempo. A maior parte dos partidos é apenas caça-níquel que se juntam para nos saquear. Nada além. Ainda mais com o PT aí à solta envenenando tudo.

      Fora que são os autoritários e os fanáticos que estão no centro do palco político, em toda a sociedade, garantindo que as coisas fiquem na base do roto falando do rasgado e nada além. É muito xiita para todo o lado, nos movimentos sociais, entre os evangélicos, conservadores, entre os partidos, fanáticos retroalimentando uns aos outros.

      Sinceramente, não vejo luz no fim do túnel. O negócio está mais só para sobreviver! E se puder pegar o rumo do aeroporto. Míriam

      Excluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
 
Um Outro Olhar © 2015 | Designed by RumahDijual, in collaboration with Online Casino, Uncharted 3 and MW3 Forum