Maternidade Lésbica: mulheres que gostam de mulheres  e são mães!

quarta-feira, 15 de fevereiro de 2012

Venturas e desventuras da maternidade nas palavras de nossas entrevistadas de Brasília (DF), Lusilene, digitadora, 39, que tem uma menina de 6 anos, e Recife (PE) Amanda, 33, produtora, que tem um menino de 1 ano e 8 meses.

UOO: Primeiro, falem um pouco de suas vidas. Vocês se identificam como lésbicas ou bissexuais?

Amanda: Agora como lésbica, mas já tive experiências com homens.
Lusilene: Olha, eu me identifico mais como lésbica do que bi, pois, apesar de já ter namorado homens, quando era mais nova, prefiro as mulheres porque a gente se entende melhor. Moro sozinha com minha filha. Viemos para Brasília em 2005. É uma cidade onde me identifico muito porque foi aqui onde tudo começou.

UOO:  Vocês tiveram filhos numa produção independente ou num casamento formal?

Amanda: Produção independente...
Lusilene:  A minha filha veio por acaso, foi um descuido. No começo foi difícil admitir que estava grávida.

UOO:
  Se casaram, casaram por pressão social ou familiar ou por amor simplesmente?

Amanda: Não casei. o pai do meu filho é um amigo.
Lusilene:  Nunca me casei nem pretendo me casar com homens.

UOO:  Vocês sempre quiseram ser mães ou acabaram sendo para atender as convenções sociais que afirmam que todas as mulheres devem ser mães?

Amanda:  Não planejei, mas tinha vontade sim.
Lusilene:  Nunca pensei em ser mãe, não me imaginava como mãe, mas agora afirmo que ser mãe é muito bom.

UOO:  Vocês têm quantas crianças? Meninas e meninos? E quantos anos ela(s), ele(s) têm?

Amanda:  Tenho 1 menino de 8 anos..Lindo de morrer e muito amado.
Lusilene:  Só tenho uma filha de 6 anos.

UOO:  Sempre se interessaram também por mulheres? E sempre vivenciaram esse interesse ou só após a separação?

Amanda:  Tive minha primeira namorada aos 14 anos. Sempre soube do meu interesse por mulheres.
Lusilene:  Sempre me interessei por mulheres, e isso já vem desde a minha adolescência; só que tinha medo de me assumir totalmente.

UOO:  E como tem sido o relacionamento de sua(s) namorada(s) com seus filhos?

Amanda:  Estou com o que considero meu primeiro relacionamento sério e longo, por isso, o contato maior com o assunto foi mesmo com ela, e eles se adoram (meu filho e minha namorada). Ele já sabe de tudo porque acho que um exemplo que posso deixar pra ele é de que se deve ir atrás do que se ama, e ser quem se é, sempre.
Lusilene:  Não tenho namorada atualmente, mas quando tive o relacionamento foi péssimo: ela não gostava da minha filha e queria que eu desse mas atenção a ela do que pra minha filha. Só que eu sabia dividir as coisas, e ela não entendia. Por isso terminamos.

UOO:  Vocês acham que as mães lésbicas sofrem mais preconceito da sociedade do que as lésbicas que não têm filhos?

Amanda:  Acho que sim porque temos que conviver com mães, professoras, e, infelizmente, as pessoas do meu convívio que não aceitam a minha condição, usam isso pra me atingir mais fundo. Só que eu me faço respeitar e sem fazer nada, apenas sendo quem sou. Quem tem o que fazer são eles, aprendendo a lidar com a diferença.
Lusilene:  Acho que sim, mas ainda não sofri esse tipo de preconceito, porque não gosto de falar da minha vida pessoal com as pessoas no trabalho, e tenho amigas que tem filhos e não sofreram nenhum preconceito. De qualquer forma, acho que as pessoas têm que respeitar a opção de cada uma.

UOO: A família de vocês sabe que se relacionam com mulheres? Se sim, como eles encaram? E os pais de suas crianças?

Amanda:  Minha família sabe, e tenho a sorte de ter uma mãe que me apóia. Alguns irmãos não apóiam (são 5, sou a sexta, caçula, imagine...), mas, como disse, só vão até onde eu deixo. E o pai do meu filho nunca se meteu nessa área da minha vida.
Lusilene:  A minha família não se mete muito na minha vida, mas, se eu arrumar alguma namorada, com certeza já saberei a opinião deles porque eles não admitem que eu namorei uma mulher e falam que é uma doença e etc. O pai da minha filha não sabe que ela existe; a gente só ficou uma vez, e ai aconteceu.

UOO:  Quais os problemas que vocês enfrentam como mães lésbicas: com a família, com amigos, no trabalho, na escola?
Amanda:  Coisas do tipo ver meu filho chateado por causa de crianças que não vieram na festinha dele, e eu sabendo pelo que foi ...Pessoas da família dizendo que eu não posso expor ele a esse tipo de coisa, ou até olhares tortos, na escola.. e coisas do gênero.. Mas também tenho grandes pessoas comigo e com ele, que me ajudam muito. Não faço disso um drama porque não é nem quero que ele ache que seja. Tiramos de letra e somos felizes.
Lusilene:  Vários. É difícil a gente se encontrar. Os meus amigos gays se afastaram de mim, quase não falo com eles.. No trabalho, ninguém sabe que sou lésbica. Na escola, minha filha fica sendo motivo de piadas....mas estou dando um jeito nisso.

UOO: : E da própria população lésbica? Vocês acham que as lésbicas preferem as mulheres sem filhos?

Amanda:  Acho que varia, como numa relação heterossexual: tem gente que prefere sem, que prefere com, e para quem não faz diferença.
Lusilene:  Lógico que elas preferem as mulheres sem filhos, por isso que ainda estou sozinha.

UOO:  Por fim, que mensagem gostariam de deixar para as leitoras e leitores da UOO?
Amanda:  Nunca deixem de fazer e ficar com quem amam, todos os tipos de amor, e preconceito é coisa de gente limitada, não se limite a elas..bjs.
Lusilene: Que lutemos pelos nossos direitos e que sejamos mais unidas porque precisamos vencer todos os preconceitos que existem.

Originalmente publicada em 09/05/07 no site Um Outro Olhar

7 comentários:

  1. Bom eu namorei durante um tempo uma mãe lésbica, e achei maravilhoso o contato que tivemos. Acho que se prende muito uma com a outra, sabendo respeitar o espaço de cada um dá pra se viver harmoniosamente. Quanto a influência externa é fácil dizer que "da minha vida cuido eu", mas difícil é pôr em prática. no nosso caso, ninguém mais além da nossa família sabia de nós. Hoje estou amando muito minha companheira, e pretendemos ter duas crianças, sejam adotas e de inseminação, o importante é formarmos uma família onde se respeita a diferença de cada um.

    ResponderExcluir
  2. Lébicas e maternidade, mulher pluralidade. Quando uma mulher passa a desejar uma outra, não quer dizer que ela abandonou sua carga genética de reprodução e de maternidade. Cavalos marinhos.....Parabéns!

    ResponderExcluir
  3. Não sou contra!

    Acredito que se estiver feliz tá tudo certo, se não fosse Abonição, em se tratando de religião.
    Acredito que é melhor um relacionamento lésbico bem vivido, do que um relacionamento hétero mal vivido.
    Não sou contra, só que diante de Deus isso não é certo. O que faz disso um ato errado!
    Vejo hoje MUITOS casamentos héteros que são "aparencias", o casal não é feliz, então por isso não sou contra a nada, respeito tudo, só que CERTO, CERTO não é.
    Igual padre não casar, não ter familia, tb acho errado e assim por diante... O mundo hj está muito dificil. É triste a gente viver numa sociedade que ACHA que SABE demais e no final não sabe nada. Acredito que muitas mulheres são lésbicas por conta de decepção com homens, pois os homens deixam a desejar na maioria das vezes. Se acham OS MACHOES, só que noa hora do "vamo vê" são uns bostas (com perdão da palavra).
    é o que eu acho!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Se vc não é contra, pq acha errado? Acho q vc mesma tem preconceito e não quer admitir!! Acho cert oas pessoas serem felzies do jeito que elas sesentem bem, não importa se é com alguem do mesmo sexo, Deus aceita as pessoas como elas são. As pessoa tem q parar de culpar Deus pelo q não aceitam, assume q VC não aceita, e pq associar a condição sexua lde alguem a uma decepção? Não sei se a palavra seria decepção, apenas há mulheres q apenas não se sentem completas ou totalmente satisfeitas com homens, não se sentem a vontade, ou simplesdmente não sentem se atraidas sexual ou afetivamente por eles, mas isos nasce com elas, ninguem é lesbica ou bissexual por causa de uma decepção, vc tá mal informada! Mas independente disos, creio que as pessoas sejam livres e tenham o dirieto de procurar quem as faz FELIZES, isso é ocerto, e não ser infeliz em um casamento arranjado pra agradar uma sociedade que mal sabe qum ela é e não conhece seus reais desejos !!

      Excluir
  4. Achei a entrevista muito boa. Muitas se identificam neste perfil. Mas eu não sou menos mãe, só porque sou 'entendida', pelo contrário, não faço disso um problema, quem faz são os outros, mas eu não tô nem aí. Quem sabe um dia isso possa mudar. Um grande beijo em vcs meninas (Lusilene e Amanda)

    ResponderExcluir
  5. oi parabéns pela entrevista!só q para a mulher é mais fácikl procurar uma produção independente no caso um banco d semen,já para o homem é mais díficil!!!mas mesmo assim ewu busco uma paternidade independente como fez essa moça com um amigo,quero compartilhar a guarda do bebe reconhecendo a m´~ae e sua companheira mas nao tendo vinculo conjugal,por isso busco uma mulher de sp q queira ser mãe!!! euqueroserpai@gmail.com

    ResponderExcluir
  6. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
 
Um Outro Olhar © 2015 | Designed by RumahDijual, in collaboration with Online Casino, Uncharted 3 and MW3 Forum