Depois do divórcio, mães e parceiras para criar a filha do casal

sexta-feira, 12 de março de 2021

Parceria pós-divórcio: Laura (à esq.) e Camila com Lavínia Rogério Pallatta/Veja SP 


“Encontrei Camila em um app de relacionamento entre mulheres chamado Brenda (hoje Wapa) em 2013. Ela foi a primeira pessoa que eu conheci na plataforma, e vice-versa. Marcamos de nos ver pessoalmente depois de uma semana, em uma balada underground chamada Milo Garage, e fomos comer em uma lanchonete após a festa. Ficamos juntas da meia-noite até as 9 horas do dia seguinte.

Em quatro meses, eu a pedi em namoro. Brinco que no ‘mundo sapatão’ isso é muito tempo. Agíamos como namoradas, mas não tinha feito um pedido oficial.

Camila, hoje com 29 anos, tinha vontade de ter um bebê aos 24, porque é a idade que a mãe dela engravidou. Eu tinha 22 e me sentia nova demais, mas também queria ter filhos. A maternidade era algo certo para nós, porém não conseguia me ver como mãe. Mudei de ideia quando vi no shopping um casal jovem descolado, cheio de tatuagens, com um bebê. Eles pareciam superfelizes. Era o tipo de gente que eu encontraria na roda de amigos. Eu me vi neles e uma chavinha virou na minha cabeça. Acho que é essa coisa da representatividade. No dia seguinte, marcamos uma consulta no ginecologista. Aos três anos de namoro, engravidamos. Decidimos pela inseminação artificial e que Camila é quem iria gerar.

Minha mãe fez uma única pergunta: ‘Eu vou ser avó?’. Por não ter sido meu óvulo, surgem essas dúvidas. Afirmei que sim. Era o sonho dela. Dos três filhos dela, eu, a mais nova e lésbica, foi quem teve filho primeiro.

Prontas para a maternidade: Camila grávida de sete meses Larissa Dare/Divulgação

Um ano antes de ter a Lavínia, hoje com 3 anos, decidimos morar juntas. Não romantizávamos a gravidez como aqueles casais de novela que ficam falando com a barriga. Éramos realistas. Criamos um canal no YouTube, Mãe no Plural, para mostrar a experiência. Há diversos vídeos sobre mulheres lésbicas que contam como se descobriram e saíram do armário — e são temas importantes —, mas não havia conteúdo sobre o que acontece depois de se assumir, ser aceita pela família e formar um casal. Como é ter um filho em um relacionamento entre duas mulheres? Precisávamos falar sobre isso.

Todo casal homossexual tem problemas para registrar o filho. Meu nome está na filiação designada ao “pai”. Eles não sabem o que fazer.

Por mais que eu não tenha gerado nossa filha, parece que nós duas entramos no puerpério (fase pós-parto em que a mulher tem modificações físicas e psíquicas). Tínhamos um apego enorme pela Lavínia, parecíamos uma família de macaquinhos. Quando a Camila se levantava para amamentar, eu ia junto. Aproveitamos essa fase porque somos autônomas e trabalhávamos em casa.

Com o tempo, começamos a ficar saturadas. Houve várias pequenas brigas. Estar o tempo todo uma com a outra era o inferno e o paraíso no mesmo lugar. Depois que a Lavínia completou 1 ano, acabamos perdendo a essência de um casal. Não estava mais fazendo bem nem para mim nem para ela.

Sou uma pessoa que demora para tomar decisões. Penso bem antes de falar ou fazer algo. Mas, quando faço, é porque tenho certeza. A princípio, eu pedi o divórcio. Com o tempo, ela percebeu que era a decisão certa.

Não quis me separar porque a odiava, mas por querer estar com ela de uma forma boa. Era o início da pandemia. Decidimos continuar morando juntas por um tempo e ir desapegando gradualmente. Foi menos abrupto para nossa filha. Explicamos a ela que teria duas casas e que nunca perderia ambas as mães. Alternamos os dias de ficar com nossa filha, e uma vez por semana passamos um tempo nós três.

Já me perguntaram quando eu pego a Lavínia ou se pago pensão alimentícia. Somos duas mães com guarda compartilhada. Nunca precisamos explicar isso para a Lavínia, mas sim que há famílias com pais também. Toda criança deveria saber sobre diversidade familiar.

Eu quero que minha filha cresça entendendo como o amor deve ser e como as pessoas devem se relacionar. Hoje, após o divórcio, eu vejo que eu e Camila damos um exemplo melhor de relacionamento do que daríamos se continuássemos juntas. Nosso carinho foi ressignificado.”

Clipping “Continuamos  depois do divórcio”, Laura Gama conta sobre sua relação com Camila Lucoveis e a parceria para criar a filha do casal, por Laura Renat a Gama de Medeiros, 27 anos, em depoimento a Fernanda Campos Almeida, Veja SP, 05/03/2021

0 comentários:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
 
Um Outro Olhar © 2021 | Designed by RumahDijual, in collaboration with Online Casino, Uncharted 3 and MW3 Forum