Mulheres e homens que se conciliaram com o próprio corpo e destransicionaram

sexta-feira, 8 de setembro de 2017

Isabela Arouca chegou a iniciar transição, mas desistiu - Marcos Alves / Agência O Globo

Conheça a história de homens e mulheres que mudaram de gênero e, depois, voltaram atrás

Aumenta o número de grupos na internet que discutem processo de 'destransição'

SÃO PAULO - Denise, de 24 anos, acompanha atentamente a movimentação de Ivana, na novela “A Força do Querer”. Em frente à TV, acha curiosa uma das cenas, quando a personagem injeta na própria perna hormônio masculino. Ela mesma, num processo de automedicação, também recorreu à testosterona. Assim como a personagem de Gloria Perez, que passa por uma transição de gênero, Denise se identificou como homem aos 18 anos, tomou hormônio, adotou Danilo como nome social e chegou a retirar os seios. Mas ela não se adaptou e, como Danilo, tentou se matar após a cirurgia de mastectomia. Em menos de dois anos, resolveu “destransicionar” — termo utilizado no processo de quem decide voltar à identidade original. Uma série de questões existenciais e o desconhecimento sobre os efeitos da medicação têm feito com que pessoas parem com a transformação.

Ao mesmo tempo em que aumenta a discussão sobre identidade de gênero, cresce também o número de grupos na internet que discutem o processo de “destransição”. Uma busca simples no Facebook com a palavra mostra uma série de depoimentos nesse sentido. Em um dos grupos, chamado “Destransicionando”, há 5,3 mil seguidores. O GLOBO conversou com cinco pessoas — quatro mulheres e um homem — que mudaram de gênero e depois voltaram atrás diante de diferentes situações com que se depararam.
Transicionei para me encontrar, mas isso me afastou de muita gente. Fui vista como ameaça e doeu muito. Percebi que ser homem trans acabaria me limitando, e traria consequências que talvez eu resolvesse de outra forma. Mas a gente nunca volta para o mesmo estado. Vamos para outro — justifica Denise.
Para passar por todo esse processo, Denise procurou o Centro de Referência e Treinamento DST/AIDS de São Paulo (CRT). O correto, segundo o Sistema Único de Saúde (SUS), é o paciente ser avaliado e ter acompanhamento de profissionais da saúde, incluindo psicológico, por pelo menos dois anos, para que ele tenha segurança e certeza de suas vontades. Também deve ter, no mínimo, 18 anos. Para procedimentos cirúrgicos, a idade mínima é de 21 anos, e a fila de espera pode levar uma década.

REJEIÇÃO, MEDO E DÚVIDAS

Denise entrega que “furou fila” com ajuda de um profissional do CRT. O médico a atendeu em seu consultório privado e em seis meses ela conseguiu o aval para tomar hormônios. A cirurgia, realizada menos de um ano depois do início do processo, foi bancada por sua mãe num hospital privado. Denise lembra que um dos motivos que a fez parar a transição foi pela rejeição dentro do próprio meio trans.
Hoje me sinto bem porque deixei de tentar me encaixar, mas entendo as pessoas trans. Foi um caso particular, só meu — frisa ela, hoje fazendo uso de um sutiã de silicone.
O alagoano Pedro, de 19 anos, não procurou a ajuda de especialistas e usou hormônios femininos aos 10 anos por conta própria, para atender “uma grande vontade de ter a puberdade que minhas irmãs tinham”. Aos 14 anos, já tinha seios. Entre medos, traumas e dúvidas quanto à sexualidade, parou com o medicamento no início de agosto deste ano. Em duas semanas, diz que seus seios reduziram e a barba começou a crescer. Agora, diz que é capaz de “se ver novamente”.
Tentei por anos me encaixar em alguma classe e não consegui. Me taxam de coisas e eu vivo a tristeza de não me contentar com nada. Tive meu lado mulher como personagem para fugir de uma realidade que estava vivendo, mas entrei em outra que não me pertencia. Decidi ser o que minha natureza reservou pra mim — declara ele.
Voltar atrás, seguir adiante ou tomar um terceiro caminho em busca da satisfação pessoal é normal, afirma a psicanalista Letícia Lanz. Ela defende que “as pessoas têm o direito de ser o que elas são, sem receber um rótulo, podendo ter quantos gêneros puder”. Letícia se assumiu trans após os 50 anos e afirma ter sofrido preconceito mesmo dentro do seu meio.
Quem destransiciona sofre o mesmo tipo de coisa que sofreu quando transicionou, com o agravante de que, além da sociedade, agora tem também parte da população transgênero contra ela — aponta Letícia, dizendo ser contrária ao uso do hormônio em crianças.
O tratamento hormonal precoce também é visto com ressalvas pela psicanalista Natália Pereira Travassos, voluntária da ONG Grupo Arco-Iris. Segundo ela, jovens estão buscando respostas muito precocemente sobre uma questão bastante complexa:
 Nada implica que a transição seja definitiva, logo é necessário suspender qualquer decisão enquanto esse processo subjetivo não se completar.
Apesar de a paulistana Carolina, de 45 anos, ter feito a transição para o gênero masculino aos 35 anos, “com consciência do que queria”, os hormônios renderam internações por trombose no cérebro e pulmão. Ela desistiu do processo, mas gostaria de voltar:
A vida não é um ioiô. Quem começa esse processo cheia de dúvidas pode querer voltar atrás — diz.
O psicólogo Alexandre França, do Conselho Regional de Psicologia do Rio de Janeiro, defende, antes de mais nada, maior atenção aos que OPTAM pela transição de gênero:
 Precisamos verificar como a sociedade acolhe os que passarão pela transição, e como essas pessoas conseguem sobreviver a todo esse processo.
Sobre pessoas que furam a fila com ajuda de médicos, o Ministério da Saúde informa, por nota, que há fiscalização dos serviços prestados por meio de monitoramento, supervisão e auditorias, e que repudia qualquer ato ilícito. A pasta cobre cirurgias e procedimentos ambulatoriais para pacientes que desejam fazer a redesignação sexual desde 2008. Não há dados oficiais sobre a quantidade de pessoas que desistem da transição, depois de terem dado início ao processo.

Até maio deste ano, ao todo, foram realizados 18.241 procedimentos ambulatoriais e 400 cirurgias de mudança de sexo num dos nove centros habilitados para oferecer estes procedimentos. Para quem se arrepende dos procedimentos, o Ministério informa que a conduta da equipe médica é considerar cada caso, e que é possível a reversão.

As histórias de “destransição” são muitas. A jornalista paulistana Rafaela, de 23 anos, se identificou como um homem trans aos 21, quando passou a atender pelo nome de Henrique. Enquanto frequentava reuniões com pessoas trans, percebeu, no entanto, que poderia fazer as mesmas coisas que sente vontade na pele de Rafaela:
Entendi que a mudança não me faria pertencer a algum lugar. Várias amigas que passaram pela transição dizem que essa crise de gênero não passa e decidi viver essa dúvida — conta.


'Ser mulher é um ato político'

Por Isabela Aroca

Sempre gostei de usar roupas confortáveis. Ia para a escola de chuteira. Ouvia gracinha por causa do meu jeito mais masculino e sofria muito preconceito e misoginia. Tentei ser aceita na sociedade, usando umas roupas femininas de vez em quando. Aos 27 anos, adotei o nome de Bruno para fugir da opressão. Você acha que por ser um homem não vai sofrer. Então fiquei um ano forçando meus pais e amigos a me chamarem pelo nome masculino.

Para ajudar no processo, fui ao Centro de Referência e Treinamento DST/AIDS de São Paulo (CRT) e comecei a fazer acompanhamento psicológico. Já tinha a ideia de tirar o seio para ter a liberdade de usar camiseta, ou não usar nada, sem sofrer violência. Também parei de usar sutiã e adotei cabelos curtos.

Ao frequentar grupos de discussão com homens trans, comecei a analisar os mais velhos. Muitos têm problemas de saúde por causa do hormônio e me preocupei com isso. Você não tem um acompanhamento voltado para a saúde do homem trans. As pessoas te falam como é o tratamento e mandam ir lá uma vez na semana pegar seu hormônio.

O estado não dá uma segurança, não passa o que a gente espera. Fora isso, você chega lá, te colocam num fundo de hospital, com cadeiras e macas quebradas. Me peguei pensando: larguei o que achava que eu era para ser outra pessoa e encarar a mesma coisa, ou seja, ser jogada na sociedade, sem estrutura nenhuma?

Também percebi — e friso aqui que não são todos — que o homem trans, para ser aceito, acaba oprimindo uma mulher da mesma forma que era oprimida. Mas esse é o meu entendimento. Há quem esteja buscando sua afirmação e vai em busca do seu lugar. Eu me peguei praticando machismo e cheguei à conclusão de que não poderia reproduzir o que passei como mulher.

Minha companheira me mostrou textos variados sobre o tema, muitos apontando problemas de saúde por causa do uso de hormônios e cheguei a um artigo sobre “destransicionamento”. Conheci mulheres que desistiram da transição e a conclusão foi a de que temos que entender a nossa posição na sociedade.

Eu quero liberdade. E, se quero isso, não posso ser uma pessoa que não sou. Sou alguém que gosta de mulher e de se vestir confortavelmente.

Ser mulher é um ato político. Minha genitália não define nada. Quem define sou eu. Aprendi a aceitar meu corpo. Quando eu entendi, decidi que quero proteger as minhas, ser mulher”.

Fonte: O Globo, por Luiza Souto/Juliana Arreguy, 03/09/2017   #NãoExisteCriançaTrans 

1 comentários:

  1. Interessante! Pelo que leio, posso estar equivocada,a maioria das pessoas que desistem de transicionar ou das que destransicionam são mulheres. Me pergunto o motivo embora desconfie de que elas percebem que não vale a pena. O mundo para os homens e isso inclui "mulheres" trans é mais facil, são consideradas mulheres enquanto que o mesmo não acontece com o homem trans.

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
 
Um Outro Olhar © 2015 | Designed by RumahDijual, in collaboration with Online Casino, Uncharted 3 and MW3 Forum